Nunca teve uma namorada reddit

21 anos nunca tive uma namorada. ... virgem e nunca namorei hahahaha e quanto mais eu frequento aqui o reddit, mais eu percebo como isso é a coisa MAIS NORMAL DO MUNDO. Sim, mt gente transa com 14, namora com 16 e ate os 25 ja teve uns 10+ parceiros sexuais (o que eu acho mt, me julgem), maaas tem mt gente q demorou mais ate conhecer alguem ... Como podem ver minhas experiencias com tentar arrumar uma namorada não são muito boas, e como eu sou tímido, antissocial e introvertido, eu acho que eu não vou arrumar uma tão facilmente, já que as minhas tentativas ou foram por amigos ou por uma escola, e como eu já me formei, então não tenho nenhum lugar para tentar, e eu também ... “Nossa você nunca teve uma aula de Geologia? Sua estúpida!!!” Reddit. 14 – Essa mulher fez um buraco na sua máscara para respirar com maior facilidade: Reddit. 13 – Esse estudante acendeu a lanterna do celular para carregar uma bateria solar para poder carregar seu celular… Se teve um encontro de pesadelo no Tinder ou fez algo incrivelmente embaraçoso na cama que nunca poderia contar aos seus amigos, que lugar melhor do que o Reddit para desabafar e partilhar a sua ... Nunca pegay uma mina que já chegasse dizendo que dá o cu. No máximo que já tentou e não curtiu. ... Já me fodi com uma namorada por conta disso. E com a atual eu já deixei BEM CLARO e já chamei a atenção algumas vezes quando ela pensou em tocar nesse tipo de assunto. ... Eu posso saber que minha namorada teve 10 namorados antes de mim ... Se teve um encontro de pesadelo no Tinder ou fez algo incrivelmente embaraçoso na cama que nunca poderia contar aos seus amigos, que lugar melhor do que o Reddit para desabafar e partilhar a sua ... Yoongi finalmente teve um dia de folga, então você o veria pela primeira vez no que pareceu uma eternidade. Depois de se preparar, você se olhou no espelho, certificando-se de que estava bem. Você sabia que Yoongi realmente não se importava, mas queria ter uma boa aparência já que ele não via você há um tempo. Ae gente é o seguinte to namorando a 3 meses com uma pessoa mto especial porem ela me confessou que ja teve relações com outras garotas , disse que não quer mais isso , mas o jeito dela me deixa inseguro Não sei se ela realmente me deseja ou se ela me quer como um namorado de fachada pra ela...

Estou Feliz, agora. Desabafo em forma de AmA

2020.08.17 21:15 Pleasant_Flow_6803 Estou Feliz, agora. Desabafo em forma de AmA

Prelúdio
Faz alguns meses que conversando aqui e no brasil tenho pensando em uma forma de retornar a comunidade o tanto que eu ganho lendo e respondendo posts. No entanto não curto falar muito sobre a vida privada, é muito fácil juntar algumas peças e perder a privacidade na internet.
Em alguns desses posts pude dividir histórias com pessoas passando por um momento difícil, e mesmo com alguns pedidos para falar mais sobre, sentia esse problema da privacidade para aprofundar em algumas respostas.
Tive então ideia de fazer um Ask me Anything(AmA) por aqui(mods, ta valendo?) em formato de desabafo. Obviamente essa é uma conta nova, descartavel.
Meu desabafo
Eu uso nosso subreddit como uma forma de elevar minha empatia. Sempre tive muito dificuldade com empatizar com pessoas em situações distantes a minha realidade. Quando entrei aqui a ano atrás consegui em poucos dias ja melhorar muito no meu dia a dia. Nunca fui indelicado com ninguém(eu espero) mas na minha cabeça sempre via os problemas como muito fáceis de resolver e parecia que as pessoas gostavam de passar trabalho.
Depois de ir na terapia(com essa meta de melhoria da empatia), consegui abrir a mente e os olhos. Por motivos diversos, o ser humano não consegue sair de dentro do problema e ver as coisas de forma desconstruída. Quando se está de fora, sem o peso de tomar uma decisão, tudo tende a ser mais fácil. É preciso ter empatia para ver isso.
Sobre Mim
Minha conta oficial no reddit é de 2013, mas tenho usado mais nos últimos 5 anos.
Tenho 36 anos, casado, dois filhos de 8 e 3 anos.
Minha esposa e eu estamos felizes, e a pandemia teve um efeito positivo, estamos mais próximos do que nunca(seja no aspecto de parceria, amizade ou seja no sexual).
Nos conhecemos jovens ainda, começamos a namorar aos 21 anos(sou alguns meses mais velho).
Tive bons privilégios familiares na minha criação. Família com amor e uma certa estabilidade financeira(pai bancario, mãe professora). Até os 18 anos, sempre morei no interior(cidade de 10k habitantes), ou seja por um lado tinha computador já aos 10 anos, mas demorei a ter internet(comparando com pessoas da mesma idade morando em capitais) e só fui ao cinema em raras ocasiões na infância(vi Jurassic Park no cinema);
Pelo pai bancario, nos mudamos umas 3x entre meus 8 e 14 anos.
Sai de casa com 20 anos pra ir pra capital do estado, desde então pago minhas próprias contas.
Ja morei em 3 capitais de estado no Brasil.
Minha 1a viagem internacional foi em 2013, desde então fiz mais 5 viagens internacionais longas.
Ja perdi amigo idiota em troca de virar amigo da namorada dele que ele destratava, hoje é nossa amiga de coração.
Já perdi um grande amigo por EU ser babaca com ele, hoje nos falamos, mas nunca mais tivemos a mesma relação(é uma das razões por buscar ter mais empatia).
Quase morri atropelado por um ônibus, fui salvo por um anjo até hoje desconhecido pra mim.
Gosto de jogar, e tenho conseguido em média jogar quase todo dia, mantendo uma bom balanço dando atenção pra família e para o trabalho.
Tenho uma renda muito boa, mas como bom classe média brasileiro, vivo em voltas com bons e maus momentos financeiros(estou trabalhando para melhorar)
Já chorei por achar que nunca ia ter uma companheira, muito menos uma família.
Ask me anything
Acredito que abri varias possiveis tópicos, que posso com a tranquilidade do anonimato, responder qualquer coisa que queiram saber. Muito coisa devo ter esquecido de pontuar, fiquem a vontade para trazer qualquer assunto.
Como é balancear familia, casamento, jogar no pc e trabalhar? Consigo dormir?
O trabalho me realiza? Já demiti pessoas? Ja fui demitido?
Sexo 1 vez por mês ou todo dia? Rola orgasmo para os dois? fazemos anal?
Ja passei fome?
Qualquer pergunta está valendo, farei um o máximo possível para dar uma resposta verdadeira a respeito da minha vida, e com profundidade para realmente ajudar.
Regras
Vocês já sabem que no Brasil a única regra, é não há regras.
Bom, eu só peço para serem verdadeiros em suas perguntas. Pergunte algo que vai te ajudar.
Eu vou responder tudo, tudo mesmo. Mas ficarei muito feliz em saber que além de uma curiosidade sua, a pergunta esta relacionada a um problema, uma situação complicada e você precisa de um ponto de vista diferente, distante do teu cenário.
Fiquem bem!
submitted by Pleasant_Flow_6803 to desabafos [link] [comments]


2020.06.23 03:01 drek92 (FEIO) Me preocupo com os outros

Bom, não sei por onde exatamente começar. Quinta-feira, da semana passada, apaguei o meu facebook e o Instagram, estava fazendo mal pra minha saúde mental, tinha mania de ficar fazendo comparações tanto esteticamente quando financeiramente, bom, imagino que todos passam por isso. Toda vez que eu postava uma foto, ficava preocupado com quantas curtidas eu tinha, e no final quando eu via quantas eu recebia, ficava um pouco pra baixo. Eu me acho feio, mas em contrapartida, outras pessoas me acham bonito, falam que sou parecido de fisionomia com o Henry Cavill, principalmente com Adam Lavine ou ator da série YOU, da netflix. No tempo de faculdade, eu tinha saído de um relacionamento e uma amiga veio me consolar, me ajudando a superar e etc, e como todos sabem, final de relacionamento a gente sempre pensa: "Ninguém vai me querer, nunca vou encontrar alguém como a fulana, o sexo era muito bom, vou sentir saudade e blá blá blá..." Bom, eu falava pra ela que me acho feio, e ela dava risada, diz que eu deveria começar a olhar pros lados, pq o que eu digo não é verdade e que apenas estou com a autoestima baixa.
Depois dessa introdução, desde que entramos em quarentena, eu refleti várias coisas sobre a minha vida, e até sobre a vida dos outros, enquanto escrevo esse texto, imagino que milhões ou até bilhões de pessoas estão sofrendo por ai, sofrendo por amor, sofrendo por uma morte de um ente querido por causa do Covid-19, sofrendo por discussões com familiares, sofrendo por estar em depressão ou na solidão, sofrendo por não ter amigos ou uma namorada ou alguém pra compartilhar momentos, enfim, diversos sofrimentos que são inúmeras.
O ponto que eu quero chegar é sobre a beleza, sim a beleza física, estética, a beleza exterior. Ultimamente vejo vídeos de psicologos e psiquiatras, nessa quarentena fiz uma maratona de videos do canal Neurovox, do psiquiatra Pedro Calabrez (não sei se vocês conhecem), ele se baseia em tudo que é cientifico, como por exemplo: Como superar uma relação, (nome do vídeo é "a dor do coração partido") E ETC... enfim, esse post não é sobre relacionamento mas sobre as dores das pessoas sobre a estética.
Em algum vídeo dele vejo pessoas totalmente desanimadas com a própria aparência, provavelmente é em algum vídeo sobre se afastar das redes sociais e comparações com outras pessoas nas redes sociais, e isso me levou a pesquisar afundo em blogs, videos no youtube e etc.
Teve um camarada, daqui do Reddit, que escreveu um post dizendo que odeia pessoas bonitas, e etc, cara, aquilo mexeu comigo por dentro. Sou uma pessoa muito empático, e me imaginei na pele dele, e me imaginei na pele de outras pessoas, pessoas que comentam e que eu consigo sentir, através das letras, o sofrimento da pessoa em saber que é feia, que não têm os atributos que a sociedade procura e que nunca irão se relacionar com as pessoas. Hoje foi o estopim pra eu desabafar sobre isso pq estava assistindo um video de um canal Alphalife e o nome do titulo é: " Se Você É Feio, Pobre e Tímido, Faça Isso..." vi os comentários das pessoas e aquilo me deixo tão, mas tão mal que não sei descrever pra vocês. Um dos comentários que me marcou foi de um camarada que dizia assim: "Eu sou muito feio, e sinto raiva de mim, tenho 1,65, tenho uma cabeça pequena, corpo pequeno "meio" que esguio, entrei pra academia pra ver se melhorava mas ficava totalmente desproporcional, parecia que meu corpo crescia mas minha cabeça ficava muito pequena..." e bom ele disse outras coisas que me fez colocar no lugar dele, pelo comentário dava pra ver o sofrimento desse rapaz. Se tiverem sorte procurem lá o comentário....
Tenho amigos e amigas de outros estados, sou de Porto Alegre, e quando comento com eles, quando digo que sou feio, eles tiram sarro de mim, o que mais falam é: "Fulano, tu é o cara mais sortudo desse país, tu mora no paraíso, aliás, se tu morasse aqui, tu farias sucesso com as mulheres", bom, quando dizem que moro no paraíso, vocês imaginam que Rio Grande do Sul só têm pessoas bonitas (bom realmente têm, mas as mulheres se acham e são estupidas só pq são bonitas, têm grana e etc, e isso vale para os homens também).
Como eu falei anteriormente, eu me acho feio, mas outras pessoas me acham bonito, até lindo me chamam. Daí vocês devem tá se perguntando, mas se as pessoas te acham bonito, pq não aceita? a reposta é, não sei, me acho normal, tenho 1,76, sou formado (enfermeiro), tenho 28 anos, faço academia pra manter o corpo em forma e manter minha saúde mental saudável - meus pais tiveram AVC (AVE cientifico); meu pai teve o hemorrágico ficou com sequela, minha mãe o isquêmico, não ficou com sequela - então, tenho a pretensão de ter AVC, e por isso, faço academia, mas não fico tirando foto do espelho pra postar nas redes (não tenho mais). Pela genética, meu cabelo é ralinho (mas tenho cabelo), tenho as "entradas", quase que iguais do ator Henry Cavill ou do ator que faz a série YOU da netflix, (pra terem uma ideia) elas não são tão acentuadas, e nunca me incomodaram, até pq tive 4 namoradas, isso nunca foi um empecilho. Meu pai é feio (sim ele é, até quando jovem, vi por fotos), em contrapartida, minha mãe era linda, ela têm fotos guardadas até hoje, vocês não têm noção de quão linda ela era, ela mesmo dizia que, poderia ter tido qualquer homem aos pés dela, e de fato, as amigas e irmãs dela me falam isso direto. Pode ser que essa "beleza" herdei dela, minha irmã é linda, principalmente quando era adolescente e mais jovem, os caras babavam por ela.
Dito tudo isso, mesmo me achando feio, tenho sorte de ter herdado essa "beleza" da minha mãe, mesmo meu pai sendo feio. Mas o desabafo é, eu sinto pena das pessoa que realmente não conseguem se relacionar, não conseguem uma namorada ou até mesmo sexo pq a outra pessoa se importa muito com a aparência. Bom, a verdade seja dita, sim, principalmente nos dias atuais as pessoas se importam com aparência, ninguém namoraria com alguém feio, alias eu já namorei, sempre caguei pra opinião alheia, e essa questão de que BELEZA É RELATIVO, DESCULPA, MAS NÃO É RELATIVO NADA.
Além de ser um desabafo, gostaria de saber da opinião de vocês? Vocês têm amigos ou amigas que são feios e que, sofrem por isso? Eu sinceramente não consigo me expressar muito bem, mas, o que posso resumir de tudo que falei é, eu fico com muita pena das pessoas que não conseguem se relacionar amorosamente pq a beleza física impede que isso aconteça. Vejo comentários tanto aqui no Reddit, quanto nos videos do Youtube pessoas infelizes com suas aparências. Quando ando pela rua com alguma amiga ou amigo, sempre tem um que fala: "Olha ali, o fulano é feio, não ficaria ou me relacionaria com ele/ela" Daí de imediato eu me coloco na pele da outra pessoa e tento imaginar o quão dolorido isso deve ser, as pessoas falarem isso.
Por mais que eu seja jovem, "bonito" para outras pessoas, formado, tive 4 relacionamentos, pra mim, as 4 ex namoradas eram bonitas, aproveitei o sexo, o sexo era maravilhoso, mas e as pessoas que são "feias", será que elas tiveram esse privilegio de amar e serem amados? Não sei como expressar, com o falei.
Eu tento ao máximo não me comparar fisicamente e financeiramente com outras pessoas, até pq, tem um vídeo desse psiquiatra que mencionei anteriormente que é "PARE DE SE COMPARAR COM OS OUTROS" e " PARE DE SE INTERESSAR PELA VIDA DE PESSOAS QUE NÃO FAZEM DIFERENÇA NA SUA", e esses videos me ajudaram muito, além de me dar forças pra excluir as redes sociais, me dá força de não me comparar com ninguém, mas eu sou tão empático que além de me colocar no lugar da pessoa eu não consigo em não me comparar com outra pessoa, gostaria profundamente que todos, TODOS, fossem bonitos e assim, ninguém sofreria, e teríamos TODOS uma vida feliz aqui na terra, lembrando que estamos apenas de passagem e que a vida está passando rápido demais, quase que em um piscar de olhos, e olha que tenho 28 anos, e to percebendo isso.
Forte abraço pra quem leu.
submitted by drek92 to desabafos [link] [comments]


2020.01.04 21:39 JuniorCarmo Preciso de ajuda psicológica sobre relacionamento.

Vou contar a minha história e a quem interessar eu gostaria de alguma opinião sobre o assunto. Talvez fique grande mas espero que leiam.
Tudo começou no 2° ano do ensino médio quando nos primeiros dias de aula eu conheci a minha futura namorada. Vivemos quase 5 anos juntos e nos finalmentes do relacionamento até moramos juntos com o meu pai.
Eu amo muito ela e ela sempre me amou muito! Ela sempre correu atras de mim quando havia alguma briga e vendo como foi o meu relacionamento com ela, vi que nunca dei tanto valor assim. Geralmente só se dá valor quando se perde, não é mesmo?
Com mais ou menos 2 anos de relacionamento e algumas brigas infantis de um casal jovem de apenas 18 anos de idade, nós tivemos a primeira briga séria onde nos separamos por mais ou menos um mês. Antes de se separar, nós sempre saíamos nos finais de semana com alguns amigos meu, e teve um em especial, que íamos na casa dele, no quarto dele, esperar ele se arrumar para podermos sair ( Eu, minha namorada e um amigo ). Nós íamos no cinema, pastelarias e afins, apenas para dar umas voltas e etc. Quando eu e minha namorada nos separamos por mais ou menos 1 mês, resolvi tentar voltar com o nosso relacionamento, foi quando ela me contou que havia saído com ele e ficado com ele uma vez. Ele era meu amigo a mais de 10 anos! Nesse meio tempo que eu fiquei separado, também saí com uma amiga minha, fiquei algumas vezes mas optei por voltar com o meu relacionamento. Ela aceitou voltar comigo, pedi que ela bloqueasse esse amigo com quem ela ficou, com medo de que continuassem conversando e etc. E ela pediu que eu bloqueasse a menina com quem eu fiquei e tentamos seguir a nossa vida.
Depois de um tempo morando junto com a minha namorada e com algumas brigas infantis, brigamos sério novamente e nos separamos de novo por mais de um mês e ela saiu da minha casa e voltou pra casa da mãe dela. Como nós morávamos com o meu pai junto, sempre tivemos muito conflito, ela nunca gostou do meu pai e creio eu que ele foi 50% do stress do nosso relacionamento. Após mais ou menos 1 mês separado, eu novamente tentei voltar com ela e bomba! Descobri que ela estava namorando com aquele mesmo "amigo" meu de 10 anos atras, e que haviam conversado a mais ou menos 2 anos atras.
Fiz de tudo para tentar voltar, eu tentei conversar com ela de todas as formas, segui ela quando vi ela andando de carro, fui na casa dela de madrugada enquanto ela dormia para tentar conversar, me humilhei, me cortei, tomei mais de 30 remédios e quase me joguei de moto na frente de alguns caminhões na estrada. Foi uma depressão terrível. E não teve jeito, ela vai continuar com ele.
Acredito que ela não sofreu com o nosso término de relacionamento, foram quase 5 anos junto, eu tive MUITO apego emocional e não consigo acreditar como ela foi capaz de ficar com ele em tão pouco tempo. Descobri que ela já havia chamado ele novamente 1 semana após o término comigo. Não sei se ela está fazendo de propósito para tentar me machucar, se está tentando me esquecer dessa forma. O que ela fez comigo é imperdoável, falta de respeito total e falta de consideração comigo.
Nas vezes que eu tentei cometer suicídio, cortando os pulsos, tomando remédio e quando eu havia dito que ia me jogar na frente de um caminhão, ela fazia questão de vir pessoalmente falar comigo e falava que não era pra fazer isso e etc. Ela disse que se importa muito comigo e me quer bem, mas eu não consigo entender porque ela ficou com outro cara tão rápido, porque jogar no lixo quase 5 anos tão rápido e tão fria.
Já tive uma consulta com um psicólogo no seu consultório, porém, ainda não estou bem, preciso esperar para ter a próxima consulta, por isso vim até o reddit pedir a opinião de psicólogos e de pessoas que já tiveram experiencia com isso. Eu amo muito ela, todos os dias eu penso muito nela. Ela já me bloqueou de todas as redes sociais, portando não consigo stalkear, por mais que isso vá me machucar muito, eu tenho vontade!!! Eu acredito que estou com depressão. Eu não consigo dormir a noite, se eu acordar no meio da madrugada, fico pensando nela de forma involuntária e não consigo mais dormir, fico pensando em toda a intimidade que eu tinha com ela, e agora outro homem fazendo o que eu fazia com ela. Imagino ela fazendo sexo com o cara, só fico com pensamento ruim e meus dias estão sendo longos e terríveis. Eu sinto um vazio ENORME no peito, um gelo. Eu não consigo comer e nem tomar água, realmente não sinto fome, porém, eu tento empurrar comida e água. Parece que meu estomago diminuiu.

Alguém que já passou por isso tem alguma dica mágica que ninguém fala? Algum conselho? estou sofrendo muito, e sofro muito mais sabendo que ela não sofreu com isso. sabendo que ela já tem outro e eu estou aqui, afundado no limbo do sofrimento. Obrigado quem leu tudo.
submitted by JuniorCarmo to desabafos [link] [comments]


2019.12.17 17:33 KronckTE Meu irmão e sua namorada estão pensando em suicídio

Tudo bom pessoal? Nem sei se meu irmão acessa ou não Reddit, mas vim aqui porque preciso de ajuda em como salvar ele dessa vida, converso com ele sobre isso há 2 anos e ele continua depressivo como sempre e já não sei mais como ajudar.

Um pouco sobre ele: Somos em 3 irmãos, sou o mais velho e ele o mais novo, tem 19 anos hoje, diagnosticado com Asperger (um aspectro mais fraco do autismo), nunca teve amigos próprios (apenas amigos meus que ele pegou gosto, mas nunca fez amizades por ele mesmo), desempregado e não está estudando, vive o dia inteiro dentro do quarto cheio de gatos, apenas jogando e conversando com uma namorada "semi-virtual" que mora a 700 km e eles se veem pessoalmente a cada 6 meses. Não tem vontade nenhuma de estudar, quer arrumar um emprego qualquer para conseguir dinheiro para se mudar com a namorada, não tem motivação nenhuma para absolutamente nada sobre a vida e muito menos sonhos ou objetivos que vão além da namorada dele.

Um pouco de Background sobre a namorada: Depressiva e uma potencial Asperger assim como ele, os pais dela estão se separando no momento e infelizmente não dão a mínima para as condições psicológicas dela, acham que é frescura e estão tentando chamar atenção. Ela já terminou o Ensino Médio, mas não trabalha nem estuda e também só quer um emprego qualquer para poder se juntar á meu irmão, porém... Ela tem "ameaçado" se suicidar ultimamente com todos os problemas. Ela tentou marcar um psicólogo público, mas só tem agenda para final do ano que vem.

Background sobre a família: Viemos de uma família muito boa, moramos em cidade pequena e fomos pioneiros na cidade, logo nem preciso dizer que sempre tivemos muito boas condições financeiras. Porém quando esse irmão chegou aos seus 10 anos de idade, a família se desmoronou... não quero entrar muito em detalhes, mas meu pai perdeu o emprego e se separou da minha mãe. Então tudo virou de ponta cabeça, fomos para escola pública, acabou todo o conforto que tínhamos, a casa teve que ser vendida e ficamos pulando de aluguel para aluguel com a nossa mãe, enquanto que nosso pai nos ajudava aos fim de semana.

Meu irmão com todo o problema de Asperger que ele tem, não se adaptou na escola nova e sofreu muito com isso, desde então repetiu de ano uma vez e nunca mais conversou com ninguém fora de casa, não apenas isso como após algum tempo a separação dos pais deu uma briga MUITO feia, que deixou nós 3 com cicatrizes permanentes em nossas vidas, porém ele era novo demais para tudo isso. Em um determinado momento durante a separação vivíamos muito mal, com roupas sujas, fedidos, casa muito suja, comendo só porcaria e emagrecemos muito.

Atualmente esses problemas acabaram e vivemos bem, eu e meu irmão do meio somos centrados e focados em nossos objetivos de vida, queremos crescer e viver bem, pra isso temos lutado muito com estudo e trabalho. Mas o mais novo, sem que percebêssemos ele se perdeu no meio do trajeto, já faz 1 ano que ele terminou o ensino médio e está parado como mencionei. Fora os problemas, temos pais que nos amam apesar de ser um amor mais frio (somos de descendência japonesa), temos uma avó e tios maravilhosos também, mas esse meu irmão não consegue ver isso e praticamente não liga muito para a família, o foco dele é a namorada e amigos online, é disso que ele basicamente vive e segundo ele... já teria se suicidado á muito tempo se não fosse por eles.

O que já tentei fazer á respeito: No começo tentamos tirar ele de casa sempre que possível, levando ele pra comer fora, visitar praças, etc... Ele estava gostando até e de vez em quando até pedia para sairmos e ir fazer alguma coisa, cheguei a pagar um psicólogo pra ele por 5 ou 6 meses que é especializado em lidar com asperger, porém vimos muito pouco resultado nesse tempo todo e minha grana encurtou então tive que tirar ele (ninguém mais tem dinheiro para continuar pagando), já tive inúmeras conversas com ele sobre a importância do dinheiro, do estudo, de se sacrificar hoje para ter uma vida melhor no futuro, sobre o quanto o mundo é difícil e duas pessoas só ganhando salário mínimo para manter uma casa é puxado demais e recentemente conversei sobre o que é a depressão e como ela te faz perder a visão do que é importante na vida, de como ela te dá pensamentos que ele normalmente nunca teria e isso é uma doença que deve ser tratada como qualquer outra e tem como sair dessa e etc...

O Resultado é que ele se recusa á sair de casa para viver o mundo, expandir a caixinha dele além do próprio quarto e não acha que depressão é curável e pensa que suicídio é sim justificável. Eu estou no meu limite, não sei mais o que dizer ou fazer que faria ele abrir os olhos para a realidade e por isso venho á busca de conselhos, obrigado por ler até aqui.
submitted by KronckTE to brasil [link] [comments]


2019.08.10 22:17 paprikk Dois anos atrás eu fiz uma post pedindo ajuda sobre sair dos EUA pra morar no Brasil. Disseram que era má ideia, disseram que eu tava errado, isso e aquilo. Mas eu fui igual.

https://www.reddit.com/IWantOut/comments/6loaqg/moving_back_to_brazil_what_to_do_with_my_us_bank/djvwk12
Tecnicamente não sou "foreigner" mas me parece ser uma flair apropriada devido ao contexto. Sou duplo cidadão dos dois países. Morei no Brasil até os 14 e depois nos EUA até os 25, sempre visitando a família no Brasil todo ano. Aos 25, há dois anos atrás, eu fiz essa thread no /IWantOut, um subreddit pra pessoas que querem sair do seu país. Eu acabei deletando a thread mas a princípio era uma thread inocente, sobre conta de banco. Mas acabou virando uma pequena discussão sobre porque eu queria fazer esse sacrilégio, de sair dos EUA pra ir pro Brasil, sendo que há milhões de pessoas que adorariam poder fazer o contrário.
Falaram que eu tava errado. Falaram que o Brasil não funciona. Falaram que o Brasil é violento. Falaram que eu deveria sair de Chicago e tentar a vida em outro lugar nos EUA, tipo Califórnia. Até teve um exímio cidadão que ofereceu de pedir pra um amigo brasileiro dele que mora na Califórnia se ele teria espaço pra mim ficar lá por um tempo. Mas eu ignorei todas essas coisas, e fui pro Brasil de mala e cuia.
Morei aí esses últimos dois anos, em Porto Alegre e Canoas. Consegui um bico bom imediatamente (tinha ficado mais de 6 meses desempregado nos EUA, sem fazer nada e sem conseguir emprego), e 10 meses depois um emprego bom pro nível do Brasil. Claro, eu ganhava quase 4x menos que ganhava nos EUA, se for converter real pra dólar. Mas faz parte. Foi uma pena não ter podido converter meu bico em trabalho, porque daí sim realmente iria ganhar bem. Eu era professor particular de inglês, mas nunca consegui alunos suficientes pra realmente ganhar um salário mensal razoável.
Não fui assaltado nenhuma vez esses dois anos. E olha que eu era vida louca hein. No começo eu era preocupadaço, não queria nem sair com o celular na rua com medo de ser assaltado e levarem ele. Trouxe dos EUA um Google Pixel, não existe esse modelo no Brasil. Inclusive depois de alguns meses gastei R$400 num celular mais vagabundinho pra entregar pro ladrão. Mas depois de um tempo eu comecei a me soltar e fazer loucuradas. Tipo voltar da Arena depois da meia noite de trem até o Centro de POA (o que é relativamente seguro), e depois caminhar 15 minutos do Centro de POA até o apartamento do meu pai por preguiça de pagar um táxi (o que definitivamente não é seguro). Fiz isso acho que umas três vezes. Outra vez no verão eu saí do trabalho no Centro de POA lá pelas 6:30 da tarde e fiquei com o celular na mão caçando Pokemon, entrando em umas rua que eu nem conhecia nem jamais tinha caminhado antes. É engraçado que isso é muito aleatório. Eu caminhava todo dia no Centro de POA por causa do trabalho. Meu primo mora em Canoas e quase nunca vai pra POA, quem dirá caminhar lá. E um dia foi assaltado no Centro de POA entregando panfleto.
Paguei caro num ingresso de segunda mão (eu era sócio, mas não fui um dos felizardos de poder comprar online) e arranjei uma caravana de torcedores pra ir pra Buenos Aires ver o Grêmio ser campeão da Libertadores. Mais de 20 horas de ônibus, pra passar a tarde lá e imediatamente depois do jogo encarar outras 20 horas de ônibus. É um grande avanço comparado com como eu fazia quando morava nos EUA, assistir o Grêmio ser eliminado através de uns stream piratão com a qualidade ruim que travam a cada 5 minutos. Também fui pra Buenos Aires de avião ver River e Grêmio ano passado, mas esse não deu tão certo.
Enfrentei a burocracia. Na thread falaram que no Brasil as coisas não funcionam, mas eu não me incomodei muito com isso. Okay, perdi um pouco de tempo e dinheiro pra converter a carteira de motorista americana pra brasileira. E tive que fazer um exame de admissão e exame de demissão quando consegui meu emprego, ques papagaiadas são essas? E o exame psicotécnico pra carteira de motorista então nem me fala, como que isso existe?? Mas enfim, não me incomodei muito com essas coisas. Talvez me incomodaria mais com esses negócio de burocracia se eu fosse empreendedor e quisesse montar um negócio, sei lá. Mas eu tenho um bom amigo no Brasil que fez isso, inclusive começou no auge da crise, e tá se dando bem aí.
Saí com muitas gurias interessantes pelo Tinder, inclusive uma que virou minha namorada e mesmo depois de terminar continuou sendo uma ótima amiga. Tu acha que isso aconteceria em qualquer lugar dos EUA? Nem sonhando haha.
Reencontrei vários amigos e a família, e inclusive conheci bons amigos novos. Em compensação me distanciei dos meus bons amigos de Chicago, mas faz parte. E realmente, nesse quesito eu tava certo sobre a cultura. É mais fácil pegar um brasileiro e fazer amizade do que pegar um americano e fazer amizade.
Comi muita pizza. Fui em mais de 30 pizzarias de rodízios nesses dois anos, em várias cidades e inclusive dois estados. A melhor de todas é disparado a Nono Ludovico. Depois que eu conheci esse lugar eu ia uma vez por mês, às vezes até mais, mesmo sendo um pouco longinho de casa. Se algum de vocês tiver em Porto Alegre e gostar de pizza, se esforça pra ir lá. Eu realmente tenho 1000% de certeza que eu poderia ir pra qualquer outros país, viajar pra onde eu quiser, e jamais encontraria um restaurante melhor. De qualquer forma, Porto Alegre tá de parabéns, agora Florianópolis e Bento Gonçalves são uma tristeza. Não sabem fazer rodízio.
Enfim, essa foi minha pequena historinha da minha passada pelo Brasil. Apesar de tudo que me disseram naquela thread, eu fui igual, e no fim não me arrependo nem um pouco. Foi uma experiência muito boa. No final das contas, eu também acabei enjoando de morar no Brasil, então não moro mais aí. Mas igual eu tava certo de ter ido. E se as únicas duas opções fossem morar nos EUA ou morar no Brasil, eu voltaria pro Brasil sem pensar duas vezes. Mas talvez experimentaria um lugar diferente agora tipo Rio, São Paulo, ou o Norte/Nordeste.
P.S. esse post é a minha experiência. Eu não estou tentando dizer que o Brasil não é violento ou que ele não está/estava em recessão. Nem estou tentando incentivar outros brasileiros que moram no exterior a voltarem pro seu país. Só estou afirmando que pra mim foi a escolha correta ter voltado, por mais que me falaram que não seria.
submitted by paprikk to brasil [link] [comments]


2019.07.06 03:53 rpinheir Eu já vivenciei uma história parecida e vou chutar quem é o "hacker"

Bem pessoal, depois de ler os novos vazamentos me veio algo na cabeça que já vivenciei e vou explicar minha teoria aqui. Me refiro quanto ao trecho em que o DD ensina ao Moro como colocar o Telegram no Desktop.
Bem, eu tenho um primo que eu gosto muito dele, sempre foi disposicao para me ajudar e eu tambem a ele, o considero muito, porem ele é muito putão, toda namorada dele ele as trai, já foi casado, separou, entrou em cada roubada por causa de mulher, eu nem deixo a minha sozinha perto dele porque ele não perdoa nem parente. E somente para que construam o perfil dele na cabeça de vcs ele não tem nem a quarta série, mas o fdp tem uma auto confiança de dar inveja a diretores de grandes empresas.
Então, há uns dois anos atrás esse meu primo estava namorando uma mulher que trabalhava na prefeitura, um dia ele chega triste pra mim e fala: "- Poxa, minha namorada brigou comigo, e pra piorar ela falou a frase certinha que eu tava trocando ideia com uma novinha, neguei até a morte mas não tinha como ela descobrir isso, falei de tarde com a novinha e a noite ela chegou brava quase me batendo e repetiu as mesmas palavras."
Eu achei estranho e indaguei ele durante uns 15 minutos para tentar descobrir, até que ele me solta que ela levou o celular dele para consertar, só q ele trocou a senha depois q voltou. Kkk
Pedi pra ver o zap dele e nas configurações vi o WhatsApp Web conectado a um PC. Como sei q ele odeia computador e nunca iria conseguir configurar no PC comecei a rir na hora. (Ps. Sou sádico mesmo, adoro a ver a desgraça alheia, ainda mais ele todo errado)
Ele não entendeu mesmo eu explicando, tive q mostrar o nome do PC registrado q estava no zap dele com a descrição " Prefeitura Contagem XY" e falar que ela conseguia ler todas as conversas dele.
Gente, na hora q ele viu isso, ele colocou as duas mãos na cabeça e fez uma cara que eu não consigo explicar com palavras, mas eu nunca mais vou esquecer a reação dele. Kkkk
Bem, ele ficou transtornado olhando para o celular, e depois de uns cinco minutos ele vira pra mim e diz: "- O viado, para de rir, e deleta essa mulher daqui, ela tem q parar de ver essa porra toda." Kkk
Enfim, desconectei ela e deu pra ver o alívio na cara dele, porém não teve jeito, um tempo depois ele me disse q terminaram e não quis me falar se foi logo em seguida ela ter lido as mensagens, ele não contou provavelmente porque eu não parava de rir, mas o mais estranho de tudo é que de vez em quando eles transam, mesmo agora ela sabendo q ele tá namorando outra pessoa (q rolo, é difícil acreditar mas é verdade, e espero que ela esteja no Reddit para contar a versão dela em outro post, porque meu primo eu sei q nunca estaria por aqui.) Kkk
Bom, voltando a minha aposta no "hacker", acho que um cara de TI, provavelmente contratado de uma empresa terceira ou até mesmo um estagiário, descobriu essa lambança do Moro, e programou de baixar os arquivos do PC e guardar em algum lugar (por favor pessoas de TI, confirmem ou não se é viável essa operação).
Bom eu contei essa historia toda para q façam uma alusão não ao modo operante de extração dos dados, e sim um comparativo ao perfil dos principais envolvidos nas duas histórias, o Moro uma pessoa do interior sem conhecimentos de informatica, assim como meu primo que também fala errado, é de Terra Roxa-Parana e odeia computadores. E pode passar o tempo que for, a cada nova história que o Intercept solta, eu imagino o Moro com a mão na cabeça fazendo a mesma cara que o meu primo. Kkk
Edit: Instagram não, Telegram
submitted by rpinheir to brasil [link] [comments]


2019.05.30 02:27 Sedare1 Mudanças na minha vida, depressão, amigos, menina que eu gosto

(Primeira vez que uso o Reddit e to gostando pra caralho)
Vou falar sobre o começo de tudo.. Sempre gostei de uma menina (Bia), porém nunca cheguei a falar isso pra ela por falta de coragem, medo, vergonha. E infelizmente 3 anos atrás ela começou a namorar e eu fiquei MUITO mal por isso, depois de uns dias/semanas consegui voltar a vida "normal", porém ela era da minha sala e tinha que ver todo dia com o namorado.. No começo do ano passado ela separou e meus sentimentos por ela voltaram. Senti que era minha chance, só que como sempre fui um bosta nunca demonstrei interesse. Teve algumas chances só que nunca fui capaz, chegava pra conversar com ela e simplesmente travava, e na última que tentei conversar, ela só saiu sem falar nada e me ignorou. E nessa última festa que teve ela começou a namorar o melhor amigo dela e fiquei muito mal (tanto que minha depressão começou nessa época por causa dela/ e por minha culpa também)..
Daí fiquei MUITO MAL até Março desse ano, com vários pensamentos suicidas, solidão, crises todos os dias, não dormia, não comia.
E no meio de Março mudei de cidade e comecei a fazer faculdade. Pensei que ia melhorar porém só piorou por que não tenho nenhum amigo aqui e estou morando sozinho, aí os sentimentos de solidão, crises, não dormir, não comer voltaram. Até mês passado eu estava sofrendo pra caralho com a solidão, até que conheci uma amiga virtual que está me ajudando todos os dias, se importa comigo, porém sofre com crises, solidão, não come, não dorme. E por esse motivo decidimos começar a fazer terapia toda semana, e fomos diagnosticados com depressão. Só que ela tem um ex que infelizmente deixa ela muito mal e não há nada que eu possa fazer, por que ela ainda gosta dele e ele simplesmente não se importa com ela. já tentei de tudo pra tentar ajudá-la mas não me escuta, e eu acabo sentindo a dor dela e fico muito mal quando ela tá mal.
E com essa mudança de cidade acabei me afastando dos poucos amigos que eu tinha e não consigo fazer amigos aqui por que sou muito tímido e não consigo falar com ninguém. A Bia namora o 'amigo' dela até hoje, e de vez em quando acabo vendo umas fotos dela no insta e me deixa muito mal.
A única coisa que eu queria na vida é ter uma companhia, uma namorada pra me tirar dessa vida triste, uma namorada que possa me deixar feliz e eu fazer o mesmo por ela. Porém não consigo falar com nenhuma menina, e ainda sou BV e virgem.. Sou feio, gordo, burro.
submitted by Sedare1 to desabafos [link] [comments]


2018.11.13 13:35 Dinohobby Pediram para eu postar aqui também. Traduzi o texto famoso do filho incel do r/self "My son is a hateful incel, and I just cannot save him or defend him anymore."

link original pra quem quiser: https://www.reddit.com/self/comments/9vs05k/my_son_is_a_hateful_incel_and_i_just_cannot_save/

Meu garoto, meu filho mais velho, era tão bom quando pequeno, mas algo dentro dele quebrou quando ele era adolescente.
Minha esposa e eu sempre aceitamos, amamos e encorajamos ele. Nós o ensinamos a trabalhar duro e tratar as pessoas com respeito. Eu não sei onde exatamente nós falhamos com ele, mas como um pai eu me sinto responsável pelo que ele se tornou.
Começou quando ele tinha 14 anos. Ele tinha começado a se tornar recluso e emocional. Nós julgamos que era apenas as alterações de humor da adolescência. Por algum motivo ele era irritadiço e amargo o tempo todo. Nós estávamos preocupados com sua falta de vida social e sua dependência de seu computador. Ele meio que se escondia no mundo online então eu e minha esposa começamos a limitar seu tempo no computador, mas isso só o tornou mais agressivo e confrontador.
Sua higiene era ruim, e ele sempre nos confrontava quando pedíamos para que tomasse um banho ou lavasse suas roupas. Seu quarto fedia e eventualmente tivemos uma grande briga quanto a isso, onde ele acabou empurrando minha mulher e xingando-a de vadia. Finalmente conseguimos o fazer limpar e deixar entrar ar em seu quarto regularmente, justificando que a casa era nossa e que se ele não conseguia manter seu espaço em dia então não teria direito a tê-lo – essencialmente chegamos ao ponto em que nós dissemos a ele que não teria posse de suas coisas nem privacidade a menos que cuidasse do espaço que todos nós dividimos. O quarto ainda tinha um cheiro terrível e ele continuava sendo rude quanto a limpeza, mas ao menos nós podíamos falar para ele limpar e ele o faria.
Nós acabamos recebendo uma ligação de sua escola dizendo que uma estudante se sentia abusada por ele. Nos mostraram mensagens onde ele continuava repetindo para ela transar com ele, ameaçando “punir” ela por ter um relacionamento com ele sem querer fazer isso, enviando nudes para ela contra a vontade dela, contando suas fantasias violentas e eventualmente se rebaixando para reclamações horríveis cheias de ódio sobre como ela era apenas mais uma “vadia” e outras coisas.
Nós ficamos chocados. Nós explicamos para ele o porquê desse comportamento ser inaceitável, e eu disse que não havia problema em ser sexualmente ativo, mas que suas ações eram tóxicas e abusivas.
Eu tentei orienta-lo de homem para homem, levando ele para viagens de acampamento e coisas parecidas, além de falar com ele sobre garotas e mulheres e tentando dar dicas para ele. Eu sugeri para ele que tentasse tomar banho, mudasse o estilo de seu cabelo e pelos faciais, experimentasse roupas diferentes e talvez começasse a ir a uma academia.
Contei a eles algumas verdades doidas – que se ele não quer uma mulher nojenta ele não deve ser um homem nojento. Com homem nojento eu quis dizer higiene e aparência. Expliquei para ele que uma boa aparência é mais higiene e cuidado próprio que genética mas ele se recusou a aceitar o que eu disse.
Depois disso eu o peguei fungando as calcinhas de sua irmã na lavanderia – ele tinha 17 anos na época, e sua irmã 12 – ele me assegurou que isso não tinha nada a ver com sua irmã, e disse que ele apenas tinha um fetiche por cheirar calcinhas e que ele fingia que elas eram de garotas de vídeos pornô, mas ainda assim o fiz sentir o inferno por isso, deixando ele de castigo e sem seu computador por 6 meses. Eu acabei dando uma olhada em seu computador e fiquei enojado com os forums odiáveis, racistas e de incels (celibatários involuntários, homens que não conseguem ter relações sexuais e amorosas e culpam as mulheres e os homens sexualmente ativos por isso) que ele frequentava, as coisas horríveis que ele falava sobre mulheres, e arquivos salvos com pornô de desenhos com garotas de idade duvidável. Eu limpei o HD por completo e comecei a monitorar estritamente sua atividade online. Eu usei filtros parentais para bloquear sites de incels e pornôs que possuíam pornografia cartoonizada.
O próximo grande problema foi algo que ele fez com a amiga de minha filha. Minha filha é cinco anos mais nova que ele, e um dia depois de uma amiga dela ter vindo dormir em casa minha filha veio até mim e disse que essa amiga queria contar algo para mim mas estava com medo do que eu poderia falar.
Meu filho encurralou essa garota de 13 anos e fisicamente bloqueou o caminho, tocou seu cabelo e rosto enquanto fazia comentários inapropriados sobre seu corpo e perguntando se ela gostava de dormir nua e que tipo de roupas intima ela usava.
Eu rasguei com meu filho por isso, eu e minha esposa gritamos com ele, e dissemos que seu comportamento era horrível e falei que se seus atos o fizessem ser preso, eu não iria defendê-lo. Ele nos acusou de não ama-lo, mas eu disse que a razão para eu estar tão bravo com ele naquela situação era exatamente porque eu o amava, e que eu queria ajudar ele a se tornar um bom homem para que ele parasse de ser predatório, amargo e miserável. Eu contei algumas verdades duras. Que ele fez tudo isso a si mesmo e que ele é o único que ele pode culpar pelo quão amargo ele é.
Eu sugeri que ele procurasse por mulheres de sua idade e ele acabou reclamando que isso era uma perda de tempo pois mulheres já eram putas (e sua definição de puta é uma mulher que não é virgem) aos 17 anos. Eu chamei sua atenção por conta dessa merdalhada que ele disse e demonstrei claramente que se ele abusasse novamente de alguma garota jovem eu mesmo o denunciaria.
Eu convidei a amiga da minha irmã para vir em casa depois disso e pessoalmente pedi desculpas pelo ocorrido, eu chorei de vergonha pelo comportamento do meu filho e implorei por perdão por permitir que ela se sinta insegura em minha residência, além de prometer a ela que se ela a qualquer momento se sentisse desconfortável ela poderia vir até minha esposa e eu e nós sempre acreditaríamos e ajudaríamos ela. Por sorte, minha filha não perdeu essa amiga, mas por segurança eu instalei uma fechadura na porta de seu quarto.
Nós conseguimos uma terapia para meu filho mas ele se recusou a entrar em contato com o terapeuta, chamando ele de “árabe escroto”, “pajeet” e “terrorista”. Seu próximo terapeuta era um “chad” (chad, na cultura da internet, é um pau no cu estereotipado, com um ego do tamanho de um planeta que precisa de um chute no queixo, normalmente considerado o “babaca que elas correm atrás”) e portanto também não conseguir ir com a cara dele.
Nós brigamos com ele por não tentar, não conseguir um emprego e ele disse que não conseguia um por conta dos imigrantes, e eu acabei apontando que ele estava tendo dificuldades pois ele foi demitido de seus trabalhos do colégio por ser preguiçoso.
Depois dessas brigas, minha esposa tentou empatizar com ele e entender o que o tornou tão amargo, mas ele se virou contra ela, chamando ela de uma puta devoradora de rolas e disse que ela “fodeu” seu caminho por dezenas de homens até que ela encontrou um “viado beta” que estava disposto a dar um lar para ela em troca de sexo missionário.
Minha esposa, que trabalha e ajuda na renda familiar, que é uma mulher independente e profissional.
Honestamente eu perdi a mente nisso mais do que nunca. Eu nunca havia ficado tão bravo quanto quando eu ouvi o que ele disse. Ela pode ser a mãe dele, ele pode ser meu filho, mas a mulher que ele estava xingando e acabando era a porra da minha esposa. Ninguém fala assim da minha esposa.
Eu estou envergonhado de dizer que no meio da minha fúria ele me empurrou e eu retaliei fisicamente, empurrando ele de volta e colando ele na parede. Eu senti vergonha de mim mesmo. Eu nunca fui uma pessoa brava ou violenta, mas eu não pude me controlar. Eu nunca havia colocado minhas mãos em qualquer um dos meus filhos daquela forma em toda minha vida, eu odeio quem abusa de suas próprias crianças, mas esse garoto não era nenhuma criança. Ele era um homem crescido.
Ele ficou intimidado e recuou, e por um tempo ele ficou pacífico.
A gota d’água aconteceu essa semana.
Minha filha ficou com três pessoas em sua vida toda. Um garoto, uma garota e agora outro garoto. Nós sempre fomos abertos quanto a sexo com minha filha do mesmo jeito que éramos com meu filho. Nós perguntamos se ela gostaria de ter um estoque regular e sem questionamento de preservativos em sua gaveta no banheiro, e se ela gostaria de tomar anticoncepcionais. Ela disse não para as duas perguntas com seu primeiro namorado. Ela nunca o trouxe para casa, mas chegamos a encontrar ele uma vez em um de seus recitais. Quando ela teve uma namorada ela ia para a casa dela direto, e não queria trazer ela para a mesma casa que seu irmão morava, um sentimento que eu entendia.
Mas seu mais recente namorado tinha muita coisa acontecendo por trás em sua família. Ele é um bom garoto mas sua mãe é uma mãe solteira de quatro filhos e sofria bastante por isso.
Esse garoto começou a frequentar nossa casa mais ou menos um mês depois deles se juntarem. Eu gosto dele, minha filha é feliz com ele, ele trata ela com respeito, é inteligente e um absoluto cavalheiro. Ele é respeitoso e educado em nossa casa, ele me chama de senhor, minha esposa de madame e oferece ajuda para cozinhar e lavar a louça ou até mesmo limpar a casa quando ele visita. Ele conversa com a gente, é meio que um cozinheiro amador e trás comida para nós o tempo todo para agradecer os nossos cuidados a ele. Quando nós saímos para jantar ele sempre oferece pagar para ele e minha filha (mas eu sei que ele não tem muito dinheiro então eu pago para ele). Quando saímos do carro ele sempre abre a porta para minha esposa e oferece a mão dele para ajudar ela a descer. Ele segura as portas, quando saímos para algum lugar ele ajuda minha filha a colocar a jaqueta como naqueles casais doces e tradicionais.
Esse jovem trabalha duro, e dá o pouco que tem para sua mãe e irmãos. Como eu disse, eu realmente respeito o garoto. Eu ofereci dinheiro para ele uma vez para que fizesse compras para sua família mas ele recusou e disse que se sentiria culpado por aceitar meu dinheiro daquele jeito. Ele aprecia as coisas – no inverno, estava -20 graus e ele tinha apenas uma roupa com capuz, então eu enrolei minha jaqueta em seus braços e disse “tome, garoto, está frio”. Ele encheu os olhos de lágrimas e agradeceu, e eu dei alguma desculpa sobre querer me livrar da jaqueta e disse que ele poderia ficar com ela se ele trouxesse alguns biscoitos a próxima vez que nos visitasse.
Quando o Natal chegou, eu o convidei para a ceia, e quando eu fui buscar ele eu deixei alguns presentes para sua família, e no caminho de volta para minha casa nós tivemos um momento. Ele estava chorando, pois não tinha muito o que dar para nós – ele deu um presente para todos nós em casa mas chorou mesmo assim pois sentiu que não era o suficiente considerando o que eu fiz por ele. Eu encostei o carro, e o abracei, dizendo que não importava o valor do que ele nos dava, mas sim que ele nos deu algo afinal. Eu agradeci ele por tratar minha filha tão bem, e eu disse que ele era sempre bem vindo em nossa casa.
Meu próprio filho não tinha nos dado nada de natal, nem mesmo um cartão ele comprou com o dinheiro que nós demos a ele. Esse garoto deu para minha esposa e a mim taças de vinho que combinavam visto que nós gostamos de dividir uma garrafa de vez em quando.
Meu filho não comeu com a gente. Ele pegou a comida da mesa e correu de volta ao seu quarto sozinho enquanto o namorado de minha filha conhecia minha irmã e sua família, meus pais e meu tio. Todos eles disseram que ele era charmoso e muito educado. Enquanto isso, depois da janta, meu filho disse para meu sobrinho de 5 anos “vaza daqui seu viado” por ter pedido para jogar algum jogo com ele. Um homem de mais de 20 anos.
Semana passada, minha esposa e eu ficamos fora uma tarde toda para aproveitar um tempo a sós. Nós fomos jantar, e então nós fomos para um bar para jogar um pouco de sinuca, e depois para casa.
Quando entrei em casa, os garotos estavam gritando uns com os outros. Eu corri e vi meu filho e o namorado de minha filha brigando. O namorado estava apenas empurrando e tentando redirecionar meu filho, meu filho estava socando e investindo contra ele. Minha filha estava chorando e sentada encostada à parede escondendo seu rosto. Eu entrei no meio deles e os separei, demandando uma explicação.
Meu filho começou um barraco falando sobre como ele achou anticoncepcionais e ouviu sons de “putaria” vindo de dentro do quarto dela, então ele arrombou a porta e encontrou eles transando, disse que não acreditava que sua irmã era uma “puta de um preto” e chamou o pobre coitado de macaco e outras coisas.Minha esposa levou minha filha e seu namorado para longe dali. Eu gritei com meu filho pelos seus atos. Eu não consegui chegar a lugar nenhum com ele então fiz ele esperar em seu quarto. Eu fui falar com minha filha. Pedi desculpas para seu namorado, chorando enquanto eu o fazia, dizendo que eu esperava que ele me perdoasse por deixar isso acontecer. Ele disse que ele estava arrependido de ter ficado violento, mas disse que só ficou pois meu filho bateu em sua namorada. Minha filha chorou e disse que seu irmão era um psicopata e a ameaçou de estupro, e que ele admitiu já ter gozado em sua escova de dentes e de cabelo.
Eu corri para o quarto dele, e disse firmemente que ele tinha que pegar suas coisas e sair. Eu disse que pagaria para ter suas coisas enviadas a ele, para onde ele fosse, mas que ele iria embora amanhã.
Minha esposa ficou na casa das minhas irmãs, e minha filha e seu namorado ficaram na casa dele por algumas noites.
No dia seguinte eu praticamente atirei meu filho para fora de casa enquanto ele gritava e chutava.
Eu tomei sua chave e mudei a senha do alarme e da porta da garagem. Um dia depois eu recebi uma mensagem requisitando que algumas de suas coisas – quase tudo seus jogos – sejam enviadas para um prédio estranho que eu não reconheci a algumas cidades daqui. Um homem aparentemente da idade de colegial tocou a campainha e eu entreguei as coisas a ele. Eu não vi meu filho.
Minha esposa e eu fomos até seu quarto. O namorado da minha filha veio em casa e ajudou a mover os móveis para a garagem. Nós jogamos fora seu colchão e outras coisas nojentas e fedidas, além de retirarmos e substituirmos o carpete.
Escondido em seu armário estava um monte de calcinhas da minha filha, tão saturadas com bolor e sêmen velho que estavam tão duras quanto tijolos. Talvez a pior parte seja que existiam algumas que minha filha jurava não ser dela, além de serem pequenas demais para serem da minha esposa. É possível que ele tenha roubado de minhas sobrinhas.
Tinha até mesmo um caderno contendo desenhos explícitos do meu filho estuprando violentamente várias mulheres e mantendo garotas pequenas acorrentadas em algum tipo de “calabouço sexual”. Eu mexi em seu celular antigo que ainda estava funcionando, e todas suas fotos eram screenshots de minhas sobrinhas e suas amigas usando biquínis, muitos pornôs de cartoons, muitos memes de incell, Trump e red pill (red pill, vinda do filme Matrix onde Morpheus oferece uma pílula vermelha para Neo, o fazendo acordar, é um termo na internet usada entre conservadores e apoiadores do Trump para explicar quando uma pessoa acordou de uma vida de doutrinação esquerdista). Ele ainda tinha o messenger, então eu chequei suas mensagens, a maioria delas era apenas ele tentando abusar de mulheres e garotas menores de idade.
Eu dei uma olhada em seu e-mail e, para meu desgosto, ele roubou fotos privadas da minha esposa de seu celular, e estava vendendo elas.
Hoje eu fui até a polícia com tudo que eu tinha e contei tudo que sabia.
Eu dei ao meu garoto tudo... Eu não sei porque ele acabou nesse caminho. Eu sou muito arrependido de ter falhado com ele. Eu não sei o que a polícia fará, mas espero que eles parem ele antes que ele machuque mais alguém.
A coisa mais triste é que, ontem, depois que tudo tinha terminado e acalmado, foi um dia maravilhoso. Um dos dias mais felizes que já tivemos.




É isso, se alguém quiser que eu altere alguma coisa é só falar, os edits são para isso


submitted by Dinohobby to brasilivre [link] [comments]


2018.11.13 03:45 Dinohobby Traduzi o texto famoso do filho incel do r/self "My son is a hateful incel, and I just cannot save him or defend him anymore."

link original pra quem quiser: https://www.reddit.com/self/comments/9vs05k/my_son_is_a_hateful_incel_and_i_just_cannot_save/

Meu garoto, meu filho mais velho, era tão bom quando pequeno, mas algo dentro dele quebrou quando ele era adolescente.
Minha esposa e eu sempre aceitamos, amamos e encorajamos ele. Nós o ensinamos a trabalhar duro e tratar as pessoas com respeito. Eu não sei onde exatamente nós falhamos com ele, mas como um pai eu me sinto responsável pelo que ele se tornou.
Começou quando ele tinha 14 anos. Ele tinha começado a se tornar recluso e emocional. Nós julgamos que era apenas as alterações de humor da adolescência. Por algum motivo ele era irritadiço e amargo o tempo todo. Nós estávamos preocupados com sua falta de vida social e sua dependência de seu computador. Ele meio que se escondia no mundo online então eu e minha esposa começamos a limitar seu tempo no computador, mas isso só o tornou mais agressivo e confrontador.
Sua higiene era ruim, e ele sempre nos confrontava quando pedíamos para que tomasse um banho ou lavasse suas roupas. Seu quarto fedia e eventualmente tivemos uma grande briga quanto a isso, onde ele acabou empurrando minha mulher e xingando-a de vadia. Finalmente conseguimos o fazer limpar e deixar entrar ar em seu quarto regularmente, justificando que a casa era nossa e que se ele não conseguia manter seu espaço em dia então não teria direito a tê-lo – essencialmente chegamos ao ponto em que nós dissemos a ele que não teria posse de suas coisas nem privacidade a menos que cuidasse do espaço que todos nós dividimos. O quarto ainda tinha um cheiro terrível e ele continuava sendo rude quanto a limpeza, mas ao menos nós podíamos falar para ele limpar e ele o faria.
Nós acabamos recebendo uma ligação de sua escola dizendo que uma estudante se sentia abusada por ele. Nos mostraram mensagens onde ele continuava repetindo para ela transar com ele, ameaçando “punir” ela por ter um relacionamento com ele sem querer fazer isso, enviando nudes para ela contra a vontade dela, contando suas fantasias violentas e eventualmente se rebaixando para reclamações horríveis cheias de ódio sobre como ela era apenas mais uma “vadia” e outras coisas.
Nós ficamos chocados. Nós explicamos para ele o porquê desse comportamento ser inaceitável, e eu disse que não havia problema em ser sexualmente ativo, mas que suas ações eram tóxicas e abusivas.
Eu tentei orienta-lo de homem para homem, levando ele para viagens de acampamento e coisas parecidas, além de falar com ele sobre garotas e mulheres e tentando dar dicas para ele. Eu sugeri para ele que tentasse tomar banho, mudasse o estilo de seu cabelo e pelos faciais, experimentasse roupas diferentes e talvez começasse a ir a uma academia.
Contei a eles algumas verdades doidas – que se ele não quer uma mulher nojenta ele não deve ser um homem nojento. Com homem nojento eu quis dizer higiene e aparência. Expliquei para ele que uma boa aparência é mais higiene e cuidado próprio que genética mas ele se recusou a aceitar o que eu disse.
Depois disso eu o peguei fungando as calcinhas de sua irmã na lavanderia – ele tinha 17 anos na época, e sua irmã 12 – ele me assegurou que isso não tinha nada a ver com sua irmã, e disse que ele apenas tinha um fetiche por cheirar calcinhas e que ele fingia que elas eram de garotas de vídeos pornô, mas ainda assim o fiz sentir o inferno por isso, deixando ele de castigo e sem seu computador por 6 meses. Eu acabei dando uma olhada em seu computador e fiquei enojado com os forums odiáveis, racistas e de incels (celibatários involuntários, homens que não conseguem ter relações sexuais e amorosas e culpam as mulheres e os homens sexualmente ativos por isso) que ele frequentava, as coisas horríveis que ele falava sobre mulheres, e arquivos salvos com pornô de desenhos com garotas de idade duvidável. Eu limpei o HD por completo e comecei a monitorar estritamente sua atividade online. Eu usei filtros parentais para bloquear sites de incels e pornôs que possuíam pornografia cartoonizada.
O próximo grande problema foi algo que ele fez com a amiga de minha filha. Minha filha é cinco anos mais nova que ele, e um dia depois de uma amiga dela ter vindo dormir em casa minha filha veio até mim e disse que essa amiga queria contar algo para mim mas estava com medo do que eu poderia falar.
Meu filho encurralou essa garota de 13 anos e fisicamente bloqueou o caminho, tocou seu cabelo e rosto enquanto fazia comentários inapropriados sobre seu corpo e perguntando se ela gostava de dormir nua e que tipo de roupas intima ela usava.
Eu rasguei com meu filho por isso, eu e minha esposa gritamos com ele, e dissemos que seu comportamento era horrível e falei que se seus atos o fizessem ser preso, eu não iria defendê-lo. Ele nos acusou de não ama-lo, mas eu disse que a razão para eu estar tão bravo com ele naquela situação era exatamente porque eu o amava, e que eu queria ajudar ele a se tornar um bom homem para que ele parasse de ser predatório, amargo e miserável. Eu contei algumas verdades duras. Que ele fez tudo isso a si mesmo e que ele é o único que ele pode culpar pelo quão amargo ele é.
Eu sugeri que ele procurasse por mulheres de sua idade e ele acabou reclamando que isso era uma perda de tempo pois mulheres já eram putas (e sua definição de puta é uma mulher que não é virgem) aos 17 anos. Eu chamei sua atenção por conta dessa merdalhada que ele disse e demonstrei claramente que se ele abusasse novamente de alguma garota jovem eu mesmo o denunciaria.
Eu convidei a amiga da minha irmã para vir em casa depois disso e pessoalmente pedi desculpas pelo ocorrido, eu chorei de vergonha pelo comportamento do meu filho e implorei por perdão por permitir que ela se sinta insegura em minha residência, além de prometer a ela que se ela a qualquer momento se sentisse desconfortável ela poderia vir até minha esposa e eu e nós sempre acreditaríamos e ajudaríamos ela. Por sorte, minha filha não perdeu essa amiga, mas por segurança eu instalei uma fechadura na porta de seu quarto.
Nós conseguimos uma terapia para meu filho mas ele se recusou a entrar em contato com o terapeuta, chamando ele de “árabe escroto”, “pajeet” e “terrorista”. Seu próximo terapeuta era um “chad” (chad, na cultura da internet, é um pau no cu estereotipado, com um ego do tamanho de um planeta que precisa de um chute no queixo, normalmente considerado o “babaca que elas correm atrás”) e portanto também não conseguir ir com a cara dele.
Nós brigamos com ele por não tentar, não conseguir um emprego e ele disse que não conseguia um por conta dos imigrantes, e eu acabei apontando que ele estava tendo dificuldades pois ele foi demitido de seus trabalhos do colégio por ser preguiçoso.
Depois dessas brigas, minha esposa tentou empatizar com ele e entender o que o tornou tão amargo, mas ele se virou contra ela, chamando ela de uma puta devoradora de rolas e disse que ela “fodeu” seu caminho por dezenas de homens até que ela encontrou um “viado beta” que estava disposto a dar um lar para ela em troca de sexo missionário.
Minha esposa, que trabalha e ajuda na renda familiar, que é uma mulher independente e profissional.
Honestamente eu perdi a mente nisso mais do que nunca. Eu nunca havia ficado tão bravo quanto quando eu ouvi o que ele disse. Ela pode ser a mãe dele, ele pode ser meu filho, mas a mulher que ele estava xingando e acabando era a porra da minha esposa. Ninguém fala assim da minha esposa.
Eu estou envergonhado de dizer que no meio da minha fúria ele me empurrou e eu retaliei fisicamente, empurrando ele de volta e colando ele na parede. Eu senti vergonha de mim mesmo. Eu nunca fui uma pessoa brava ou violenta, mas eu não pude me controlar. Eu nunca havia colocado minhas mãos em qualquer um dos meus filhos daquela forma em toda minha vida, eu odeio quem abusa de suas próprias crianças, mas esse garoto não era nenhuma criança. Ele era um homem crescido.
Ele ficou intimidado e recuou, e por um tempo ele ficou pacífico.
A gota d’água aconteceu essa semana.
Minha filha ficou com três pessoas em sua vida toda. Um garoto, uma garota e agora outro garoto. Nós sempre fomos abertos quanto a sexo com minha filha do mesmo jeito que éramos com meu filho. Nós perguntamos se ela gostaria de ter um estoque regular e sem questionamento de preservativos em sua gaveta no banheiro, e se ela gostaria de tomar anticoncepcionais. Ela disse não para as duas perguntas com seu primeiro namorado. Ela nunca o trouxe para casa, mas chegamos a encontrar ele uma vez em um de seus recitais. Quando ela teve uma namorada ela ia para a casa dela direto, e não queria trazer ela para a mesma casa que seu irmão morava, um sentimento que eu entendia.
Mas seu mais recente namorado tinha muita coisa acontecendo por trás em sua família. Ele é um bom garoto mas sua mãe é uma mãe solteira de quatro filhos e sofria bastante por isso.
Esse garoto começou a frequentar nossa casa mais ou menos um mês depois deles se juntarem. Eu gosto dele, minha filha é feliz com ele, ele trata ela com respeito, é inteligente e um absoluto cavalheiro. Ele é respeitoso e educado em nossa casa, ele me chama de senhor, minha esposa de madame e oferece ajuda para cozinhar e lavar a louça ou até mesmo limpar a casa quando ele visita. Ele conversa com a gente, é meio que um cozinheiro amador e trás comida para nós o tempo todo para agradecer os nossos cuidados a ele. Quando nós saímos para jantar ele sempre oferece pagar para ele e minha filha (mas eu sei que ele não tem muito dinheiro então eu pago para ele). Quando saímos do carro ele sempre abre a porta para minha esposa e oferece a mão dele para ajudar ela a descer. Ele segura as portas, quando saímos para algum lugar ele ajuda minha filha a colocar a jaqueta como naqueles casais doces e tradicionais.
Esse jovem trabalha duro, e dá o pouco que tem para sua mãe e irmãos. Como eu disse, eu realmente respeito o garoto. Eu ofereci dinheiro para ele uma vez para que fizesse compras para sua família mas ele recusou e disse que se sentiria culpado por aceitar meu dinheiro daquele jeito. Ele aprecia as coisas – no inverno, estava -20 graus e ele tinha apenas uma roupa com capuz, então eu enrolei minha jaqueta em seus braços e disse “tome, garoto, está frio”. Ele encheu os olhos de lágrimas e agradeceu, e eu dei alguma desculpa sobre querer me livrar da jaqueta e disse que ele poderia ficar com ela se ele trouxesse alguns biscoitos a próxima vez que nos visitasse.
Quando o Natal chegou, eu o convidei para a ceia, e quando eu fui buscar ele eu deixei alguns presentes para sua família, e no caminho de volta para minha casa nós tivemos um momento. Ele estava chorando, pois não tinha muito o que dar para nós – ele deu um presente para todos nós em casa mas chorou mesmo assim pois sentiu que não era o suficiente considerando o que eu fiz por ele. Eu encostei o carro, e o abracei, dizendo que não importava o valor do que ele nos dava, mas sim que ele nos deu algo afinal. Eu agradeci ele por tratar minha filha tão bem, e eu disse que ele era sempre bem vindo em nossa casa.
Meu próprio filho não tinha nos dado nada de natal, nem mesmo um cartão ele comprou com o dinheiro que nós demos a ele. Esse garoto deu para minha esposa e a mim taças de vinho que combinavam visto que nós gostamos de dividir uma garrafa de vez em quando.
Meu filho não comeu com a gente. Ele pegou a comida da mesa e correu de volta ao seu quarto sozinho enquanto o namorado de minha filha conhecia minha irmã e sua família, meus pais e meu tio. Todos eles disseram que ele era charmoso e muito educado. Enquanto isso, depois da janta, meu filho disse para meu sobrinho de 5 anos “vaza daqui seu viado” por ter pedido para jogar algum jogo com ele. Um homem de mais de 20 anos.
Semana passada, minha esposa e eu ficamos fora uma tarde toda para aproveitar um tempo a sós. Nós fomos jantar, e então nós fomos para um bar para jogar um pouco de sinuca, e depois para casa.
Quando entrei em casa, os garotos estavam gritando uns com os outros. Eu corri e vi meu filho e o namorado de minha filha brigando. O namorado estava apenas empurrando e tentando redirecionar meu filho, meu filho estava socando e investindo contra ele. Minha filha estava chorando e sentada encostada à parede escondendo seu rosto. Eu entrei no meio deles e os separei, demandando uma explicação.
Meu filho começou um barraco falando sobre como ele achou anticoncepcionais e ouviu sons de “putaria” vindo de dentro do quarto dela, então ele arrombou a porta e encontrou eles transando, disse que não acreditava que sua irmã era uma “puta de um preto” e chamou o pobre coitado de macaco e outras coisas.Minha esposa levou minha filha e seu namorado para longe dali. Eu gritei com meu filho pelos seus atos. Eu não consegui chegar a lugar nenhum com ele então fiz ele esperar em seu quarto. Eu fui falar com minha filha. Pedi desculpas para seu namorado, chorando enquanto eu o fazia, dizendo que eu esperava que ele me perdoasse por deixar isso acontecer. Ele disse que ele estava arrependido de ter ficado violento, mas disse que só ficou pois meu filho bateu em sua namorada. Minha filha chorou e disse que seu irmão era um psicopata e a ameaçou de estupro, e que ele admitiu já ter gozado em sua escova de dentes e de cabelo.
Eu corri para o quarto dele, e disse firmemente que ele tinha que pegar suas coisas e sair. Eu disse que pagaria para ter suas coisas enviadas a ele, para onde ele fosse, mas que ele iria embora amanhã.
Minha esposa ficou na casa das minhas irmãs, e minha filha e seu namorado ficaram na casa dele por algumas noites.
No dia seguinte eu praticamente atirei meu filho para fora de casa enquanto ele gritava e chutava.
Eu tomei sua chave e mudei a senha do alarme e da porta da garagem. Um dia depois eu recebi uma mensagem requisitando que algumas de suas coisas – quase tudo seus jogos – sejam enviadas para um prédio estranho que eu não reconheci a algumas cidades daqui. Um homem aparentemente da idade de colegial tocou a campainha e eu entreguei as coisas a ele. Eu não vi meu filho.
Minha esposa e eu fomos até seu quarto. O namorado da minha filha veio em casa e ajudou a mover os móveis para a garagem. Nós jogamos fora seu colchão e outras coisas nojentas e fedidas, além de retirarmos e substituirmos o carpete.
Escondido em seu armário estava um monte de calcinhas da minha filha, tão saturadas com bolor e sêmen velho que estavam tão duras quanto tijolos. Talvez a pior parte seja que existiam algumas que minha filha jurava não ser dela, além de serem pequenas demais para serem da minha esposa. É possível que ele tenha roubado de minhas sobrinhas.
Tinha até mesmo um caderno contendo desenhos explícitos do meu filho estuprando violentamente várias mulheres e mantendo garotas pequenas acorrentadas em algum tipo de “calabouço sexual”. Eu mexi em seu celular antigo que ainda estava funcionando, e todas suas fotos eram screenshots de minhas sobrinhas e suas amigas usando biquínis, muitos pornôs de cartoons, muitos memes de incell, Trump e red pill (red pill, vinda do filme Matrix onde Morpheus oferece uma pílula vermelha para Neo, o fazendo acordar, é um termo na internet usada entre conservadores e apoiadores do Trump para explicar quando uma pessoa acordou de uma vida de doutrinação esquerdista). Ele ainda tinha o messenger, então eu chequei suas mensagens, a maioria delas era apenas ele tentando abusar de mulheres e garotas menores de idade.
Eu dei uma olhada em seu e-mail e, para meu desgosto, ele roubou fotos privadas da minha esposa de seu celular, e estava vendendo elas.
Hoje eu fui até a polícia com tudo que eu tinha e contei tudo que sabia.
Eu dei ao meu garoto tudo... Eu não sei porque ele acabou nesse caminho. Eu sou muito arrependido de ter falhado com ele. Eu não sei o que a polícia fará, mas espero que eles parem ele antes que ele machuque mais alguém.
A coisa mais triste é que, ontem, depois que tudo tinha terminado e acalmado, foi um dia maravilhoso. Um dos dias mais felizes que já tivemos.




É isso, se alguém quiser que eu altere alguma coisa é só falar, os edits são para isso


submitted by Dinohobby to brasil [link] [comments]


2018.07.13 19:25 Rememberwhoweare Jovens: Guia para conseguirem viver em Lisboa

Vejo aqui no reddit e noutros sitios muitos jovens a queixarem-se porque dizem que nunca conseguirão viver em Lisboa, o custo de vida é muito caro, etc
Existem 500 mil pessoas em Lisboa e mais de 2 milhões nas periferias da cidade. Lisboa não tem espaço para muitas mais pessoas, eventualmente podem criar mais umas casas para algumas dezenas de milhar de pessoas em terrenos baldios na Alta de Lisboa ou em Marvila (se desistirem da terceira travessia do Tejo: Barreiro - Lisboa), mas pouco mais que isso. Mas será que viver nesses sitios só para dizer aos amigos que se vive em Lisboa é mais interessante do que viver em Odivelas ou em Oeiras?
Nunca foi possível nem normal ao longo do tempo que jovens em inicio de carreira conseguissem viver no centro de Lisboa, por isso é que as periferias estão cheias. No entanto, parece-me que é perfeitamente possível após alguns anos a poupar, vir das periferias para Lisboa, sem ajuda de terceiros.
Segundo as minhas contas:
Jovem solteiro com 23 anos em inicio de carreira profissional: Ganha 800 euros e vive em casa dos pais (contribui para as despesas) ou num quarto arrendado na periferia. Poupa 300 euros por mês.
Passados 3 anos, este jovem já poupou 300x14x3 =12600 euros. Aos 26 anos este jovem decide comprar um T1 de 50m2 na Linha de Sintra (Cacém, Rio de Mouro) por 50 mil euros com recurso a crédito habitação (80% financiamento). Fica a pagar 100 a 150 euros de prestação mensal e gasta mais uns 300 euros por mês noutras despesas. Vai de comboio para Lisboa e continua a conseguir poupar 300 euros por mês.
Passados outros 3 anos, este jovem conseguiu poupar mais 12600 euros. Decide vender a sua casa pelos mesmos 50 mil euros, paga 37 mil euros do empréstimo ao banco e fica com cerca de 25 mil euros na conta, com esse dinheiro decide juntar-se com a namorada (que também teve um percurso de vida semelhante em que tambem poupou 25 mil euros) para viverem juntos. Aos 29 anos decidem comprar um T2 de 75 m2 em Odivelas, perto do metro por 150 mil euros com recurso a crédito habitação (80% financiamento). Ficam com poupanças de 15 mil euros, ficam a pagar 400 a 450 euros de prestação mensal e gastam mais uns 500 euros por mês noutras despesas. Poupam em conjunto 600 euros mensais.
Passados outros 3 anos, este casal de jovens conseguiu poupar mais 25000 mil euros. Decidem vender a sua casa pelos mesmos 150 mil euros, pagam 113 mil euros do empréstimo ao banco e ficam com cerca de 75 mil euros na conta. Aos 32 anos, com esse dinheiro conseguem comprar uma casa em Lisboa por 250 mil euros com recurso a crédito habitação. Isto todo com salários de apenas 800-1000 euros mês.
Nota: Os cálculos foram feitos para Euribor próxima dos 0% ao longo do tempo e/ou taxa fixa para precaver subidas bruscas da prestação. De qualquer forma não nos devemos esquecer que a Euribor sobe com a inflação e tendencialmente os salários tambem acompanharão essa subida. Por outro lado o valor das rendas tenderá também a subir com a subida da Euribor pois os senhorios vão querer manter a margem de lucro, portanto arrendar não vai ser uma melhor opção (caso a legislação actual se mantenha).
Opiniões?
submitted by Rememberwhoweare to portugal [link] [comments]


2018.07.13 00:27 Guilherme_marquess Literatura - Contos

Boa noite comunidade do reddit Brasil, já faz algum tempo que venho pensando em publicar um livro de contos, a minha ideia é produzir uma série de contos que envolvam temas que estão em pauta na sociedade atual e assuntos que são pouco abordados, temas como estupro, assassinato, machismo, racismo, incesto, suicídio, temas que acontecem no cotidiano, aparecem nos dados, mas as pessoas em sua maioria mesmo conhecendo algum caso, deixam de lado. Ainda preciso evoluir muito na questão da escrita, mas trago para vocês uma pequena amostra do que tenho escrito. Quem possuir alguma dica construtiva, indicação de alguma forma de conhecimento que possa ajudar-me, ficarei grato.
Nunca teve muitos desejos desde de pequeno e adolescente, conformava-se com qualquer situação onde se encontrava. Não sentiu interesse em entrar em uma faculdade, também não em conseguir um trabalho que lhe pagassem bem, afinal nunca foi de gastar muito com qualquer coisa. Trabalhava em uma empresa de ônibus local, conseguiu o emprego depois de concluir seu ensino médio, permaneceu anos na mesma linha e no mesmo horário, nunca cogitando trocar de emprego e se quer alterar a linha que fazia, gostava daquele, era perto de sua casa e tinha uma carga horária menor que as demais linhas.
Todos os dias passava pelos mesmos locais, conhecendo cada pessoa que entrava nas paradas durante o percurso, sentia falta quando alguém não entrava, conseguiu até fazer umas amizades que puxavam assunto de vez enquanto. Conhecia cada local, cada casa, cada loja, conhecia tudo o que existia e que havia sido construído depois que começou a trabalhar naquela linha. Era uma pessoa extremamente pontual, sempre acordava, arrumava-se, andava alguns metros até chegar na garagem dos ônibus, cumprimentava todos os funcionários do local, fazia sua oração e saia exatamente 7:30, não saia um minuto antes e se quer um minuto depois, sempre pontual e chegando nas paradas no horário previsto, quando possuía afinidade com algum passageiro e sabia que ele estava chegando, encontrava um modo de atrasar um ônibus e rever a pessoa entrando em seu ônibus, era um dos seus pequenos motivos de felicidade.
Trabalhava anos naquela profissão, uma das únicas mudanças durante 50 anos de trabalha foi troca de cobrador, pois ele que conseguiu passar em um concurso público para trabalhar na capital e uma mudança de ônibus porque com o péssimo estado de algumas partes da cidade, ônibus acabou sendo afetado. Durante os anos de profissão, ocorreu algumas greves por um salário melhor, greves para melhorar as pistas e segurança para os motoristas que frequentemente passavam por péssimas experiências por causa de pessoas que entravam mostrando ser passageiros e depois disso, anunciavam um assalto e levava os pertences dos passageiros e dinheiro guardado no caixa, mesmo com todos esses acontecimentos, não concordava com as manifestações, afinal, nunca tinha acontecido com ele, sendo assim, algo que não lhe afetava, assim como o valor do salário e a qualidade das estradas, estava perfeitamente satisfeito com as péssimas condições e gostava de ficar observando o que acontecia durante o percurso e olhar a expressão dos passageiros pelo retrovisor que de vez enquanto, sorriam para ele.
Sua família era muito simples, filho único, seu pai era policial e ganhava um salário suficiente para manter as coisas em casa e sua mãe por ter sofrido um acidente, tinha sido invalidada e passado o resto de sua vida em casa. Perdeu ambos muito cedo, seu pai acabou sendo baleado enquanto estava sem serviço e sua mãe por uma péssima alimentação e poucos exercícios, desenvolvido uma doença nos músculos e falecendo alguns meses depois. Ele nunca foi muito próximo de ambos e ficou mal por algumas semanas mas depois disso, tornando-se e continuando em sua profissão focado como desde o começo. Algumas vezes chegou a conversar com algumas moças, mas nunca tendo amado de verdade, muito menos se apaixonado, não sentia interesse em qualquer forma de relação e algo do gênero nunca fez falta, acabou passando a vida só e mesmo assim, sem esposa, namorada, sem amigos, apenas mantinha contato com seus colegas de trabalho mas nenhum dessas interações, jamais saindo do âmbito de seu trabalho, era apenas por necessidade.
Naquela mesma cidade, morava um garoto que sempre mostrou ser uma pessoa bastante curiosa, perguntava para seus pais sobre o que causava cada coisa, sobre o mundo, sobre o universo, sobre as pessoas, sempre lia livros de fantasias e cada vez mais interessava-se por cada coisa aparecia para seus olhos. Estudava em uma escola pública da região mas frequentemente faltava por causa da falta de professores, mas sempre que conseguia, fazia de tudo para conseguir chegar em sua aula. O ônibus que pegava era o mesmo da linha do motorista, sempre fica observando aquele senhor, por vezes escutou os passageiros comentarem que ele era sozinho, também que a sua rotina se baseava no trabalho e sua casa. Sempre se perguntava se ele era feliz daquele modo, porque a vida dele era assim e se algo tinha levado ele a viver daquele modo, era realmente um mistério para ele e todos os dias se pegava pensando nisso. Muitas pessoas parecem possuir um passado interessante e também uma vida mas quando conhecemos sua verdadeira face, não existe muitas coisas que realmente podem nos impressionar como esperávamos. Era esse o caso mas a imaginação do jovem lhe proporcionava imaginar milhares de coisas sobre o senhor que mal conhecia e todos falavam mal.
Um dia o garoto ficou até tarde acordado escrevendo um trabalho, precisava da nota para passar na matéria e então mesmo lutando contra o sono, permaneceu acordado. Seus pais lhe acordaram e mesmo com sono, fez suas atividades matinais, tomou seu banho e despediu-se dos pais, logo depois caminhou até a parada próxima e esperou o ônibus. O ônibus estava com poucas pessoas, algo que raramente acontecia mesmo sendo uma cidade com poucas pessoas, então pensou que poderia tirar um cochilo antes que o ônibus chegasse em sua parada. Encostou próximo ao vidro colocando o seu casaco como uma espécie de travesseiro e fechou os olhos, depois de alguns minutos caindo no sono e por estar cansado, passando direto da sua parada, acordando apenas no terminal. Ficou extremamente preocupado por não conhecer aquele local da cidade e também por perder os pontos que precisava para passar no bimestre. O motorista que sempre pensava sobre a vida, estava no ônibus, então saiu pela porta de trás e entrou novamente no ônibus, sentando-se nos bancos atrás do banco do motorista e aproveitando a falta de movimento e a oportunidade de matar parte de sua curiosidade, olhou para o senhor e então disse:
- É verdade o que dizem sobre o senhor? - O que dizem sobre mim? - Que o senhor não tem família, que tem muitos anos que sua vida é apenas dirigir esse ônibus e descansar até o outro dia em sua casa.
O senhor ficou sem expressão por alguns segundos, olhou nos retrovisores e então calmamente respondeu o garoto:
- Desconheço porque dizem essas coisas sobre mim, não importa o que faço fora daqui e também, o que faço da vida, mesmo assim, é verdade, perdi meus pais muito cedo e trabalho nessa profissão tem um bom tempo, mas isso não é algo que você ou alguma outra pessoa precise se preocupar.
O garoto achou grossa a resposta do senhor que sempre era tão calmo, esperava que ele respondesse que era uma mentira, possuía expectativas que fosse apenas um boato de pessoas que não conseguem conversar sobre algo mais interessante. Mesmo assim, não estava decepcionado com a cruel verdade sobre o senhor que idealizou uma vida fantástica, não desistiu de continuar com suas perguntas, na verdade, ficou empolgado e perguntou:
- Mas por qual motivo sua vida é assim? Digo, porque nunca pensou em fazer outra coisa? Porque continua fazendo as mesmas coisas? Isso não lhe torna infeliz?
- Pelo contrário, eu gosto de todas as coisas que faço, tudo isso que vivo, foram minhas escolhas, continuo bem fazendo isso, nunca parei para pensar em fazer outra coisa. Sou bem feliz com a minha vida, espero que consiga ser feliz do mesmo jeito que eu sendo sincero, ainda possui muito para viver, é jovem, cheio de pensamentos, cheio de vontades, espero que faça bom uso disso tudo. Tenho que continuar prestando atenção no trânsito, não seria bom caso eu batesse em algum carro por descuido.
O garoto ficou frustrado, não era o que esperava, não conseguiu encontrar nada demais, sem grandes feitos, sem grande aventuras, não era o que ele imaginava. Então, apenas dirigiu-se para os bancos traseiros, sentou-se e ficou lá até sua parada. Apenas uma das primeiras decepções que alçamos esperar demais de coisas que não possuem muito para nos apresentar, mesmo assim, valendo a pena conhecer .
Depois de passar boa parte do tempo pensando nos questionamentos do jovem, o senhor terminou a sua linha e caminhou até sua casa. Trocou de roupa e esquentou a comida que tinha guardado do dia anterior, sentou-se no sofá e ligou sua pequena televisão. Depois de jantar, parou para pensar sobre o seu dia, mesmo com poucas coisas interessantes, sempre cultivava esse hábito. Pensando sobre porque as pessoas falavam mal dele mesmo ele sempre esforçando-se para agradar as pessoas. Não compreendiam porque esperavam mais coisas sobre a vida dele, também as críticas por trás do seu estilo de vida. Ficou minutos pensando nisso até que caiu no sono, depois disso, nunca mais pensou nessa questão. Continuou mantendo sua rotina, seu estilo de vida, por mais alguns anos seguidos sem mudar absolutamente nada além dos pratos preferidos por ter desenvolvido diabetes por sempre mascar balas enquanto dirigia.
Anos mais tarde, teve sua aposentadoria forçada por causa de políticas dentro da empresa referente ao tempo de permanência no emprego. Mesmo contra sua vontade, teve que abandonar seu emprego e deixar tudo aquilo que ocupava todo o seu cotidiano. Com uma expressão triste, pegou algumas coisas que guardava em seu armário, seu escapulário que estava no retrovisor do ônibus e seus ex-colegas de trabalhos. Voltou para sua casa, sentou-se e pensou sobre o que poderia fazer agora que encontrava-se sem emprego e o que poderia fazer com o salário da aposentadoria e as econômicas que conseguiu durante todos os anos trabalhando como motorista. Como já estava tarde, decidiu dormir e pensar sobre o que faria de sua vida, deitou-se e em um sono tranquilo, adormeceu sem muita preocupação, o que viria depois ainda não estava claro para o velho senhor toda a complicação.
Depois que acordou involuntariamente continuou sua rotina, até perceber que depois dos hábitos que cultivava em sua casa nada mais teria para fazer. Quando a nova realidade apareceu mais clara em sua mente, mais fresca e todo o vazio que restava depois disso, lhe abalou como um terremoto abala um prédio e tudo o que resta é esperança de que continue em pé mesmo com todos os danos que deixam marcam em sua estrutura. Se manteve parado em frente a sua porta, pensando para onde iria, o que faria, se perguntando o que poderia fazer em sua casa, mas não chegava em nada demais, nunca se preocupou com alguma espécie de entretenimento, nunca ficou muito tempo além da noite descansando dentro da sua casa. Dentro de todo aquele vazio sem pessoas, sem cor, encarava a porta, pensando em tudo o que poderia existir lá fora, mas uma dúvida enorme apresentava-se para ele, mesmo tendo andando por anos naquela cidade, conhecia apenas os locais por onde sua linha passava, conhecia apenas as pessoas que entravam em seus ônibus e os seus colegas de trabalho. Percebeu que aqueles pequenos locais, era o seu mundo, que as pessoas, não passavam de um mero cenário, passou anos dentro de uma realidade que se quer conhecia, toda a perspectiva de conhecer, uma ilusão. Todo o entretenimento que poderia ter, perdeu-se com o tempo em seu próprio mundo sem se quer ele perceber, sem conhecer nada, mesmo vivendo anos, sem ter feito nada mesmo com muitas coisas para fazer e com tanto dinheiro acumulado que não foram gastos com absolutamente nada. Andou pelos cômodos de sua casa, não tinha nada que tinha produzido, não tinha nada que comprou e muito menos que recebeu de presente de alguém, nenhum feito, nenhuma memória feliz, nada que ele poderia observar e reconhecer como algo que fez sua vida valer a pena.
Saiu da sua casa e andou pela rua, não reconhecia o que as pessoas estavam dizendo, não reconhecia o que as pessoas estavam vestindo, com tantos anos estando na direção de um ônibus, não sabia onde cada uma das outras linhas levavam e pensava se os motoristas tinham uma vida como a sua, se as pessoas sentadas no banco do passageiro, pensavam o mesmo que o jovem anos atrás que atualmente deveria estar adulto comentou sobre o que falavam sobre ele e ele tão preso em sua rotina não foi capaz de perceber. Sentia-se uma pessoa de outro mundo, outra realidade, sentia-se distante de todo aquele mundo onde permaneceu anos inserido que agora, depois de tudo, parecia algo totalmente novo. Pensava sobre o que poderia ter feito, como tudo poderia ter sido diferente, se agora estaria mais feliz, se agora poderia sentar-se em uma mesa e contar para a juventude tudo o que aprendeu, tudo o que viveu, tudo o que absorveu do mundo. Agora não tinha a mesma saúde, não tinha o mesmo tempo, sua conta dinheiro para viajar para qualquer lugar, comprar o que quisesse, visitar algum local que gostasse, mas não conhecia nada, se quer tinha escutado falar, também, não poderia convidar alguém para uma conversa, não conhecia ninguém, não poderia compartilhar algo que sentia, não tinha vivido nada que lhe despertasse amor, felicidade, prazer, muito menos uma pessoa que pudesse escutar tudo o que depois de ter percebido o enorme vazio que tinha criado, era como aquelas pessoas e locais que apareciam durante o seu percurso, encontravam-se lá, mas eram desconhecidas, não conhecia sentimentos, memorias, olhares, gestos, o que amavam, suas comidas e músicas favoritas, seus momentos felizes, seus pensamentos, sua história, estavam lá, mas ao mesmo tempo, não eram nada, depois de sumirem da visão, nada restaria daquelas pessoas, assim como depois que partisse, não teria feito, nada teria criado, nada teria conhecido, se encontraria no mesmo estado dos primeiros anos da sua vida de imaturidade, indecisões, inocência, anos de vida e nada vivendo. O senhor apenas pensava se poderia ainda viver o que não viveu, fazer algo que compensasse todo o tempo que perdeu, se ainda restaria algo para sentir, viver, conhecer, se o mundo que todos os dias se apresentava poderia lhe fazer sentir tudo o que não tinha sentido.
submitted by Guilherme_marquess to u/Guilherme_marquess [link] [comments]


2017.11.29 20:20 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 3

Galera, finalmente postando a última parte da saga. Depois de pensar para caralho, resolvi falar com ela pelo Facebook e marcamos de nos encontrar num café pertinho da praça onde nos esbarramos. Para quem não conhece a história desde o começo:
Parte 1 - TL/DR: sou casado, reencontrei uma garota por quem eu era apaixonado há 12 anos e só nesse reencontro eu percebi como eu fui um imbecil com ela. Em resumo, nós éramos grandes amigos, eu fiquei com medo de me declarar, meti o pé do curso de inglês que fazíamos sem dar nenhuma explicação e desapareci completamente da vida dela.
Parte 2 - TL/DR: comecei a me perguntar se aquela garota que eu reencontrei realmente era ela, já que ela parecia tão mais velha. Depois de dezenas de tentativas, achei ela no Facebook e sim, realmente era ela. Descobri que um amigo meu já tinha saído com uma prima dela há muito tempo e soube que ela teve uma vida bem escrota, foi abandonada por um marido meio babaca e agora basicamente vivia só pelo filho na casa dos pais.
Parte 3 - Taí. Nos reencontramos. Foi uma experiência que eu não sei classificar. Foi feliz, foi triste. Foi amargo, foi doce. Foi impressionante. A gente chorou um pouco junto. Escrevi um pouco ontem à noite e terminei hoje de manhã.
Só queria agradecer a todos os conselhos e dicas que recebi aqui. Reencontrar alguém do passado é uma coisa que mexe muito com a gente, faz com que nosso coração se sinta naquela época novamente. Essas quase três semanas foram muito estranhas. Foi quase uma viagem no tempo por coisas que eu achava já ter esquecido completamente. Infelizmente não posso dividir muito disso com amigos próximos, então fica aqui o desabafo.
Esse último ficou mais longo do que eu esperava. Honestamente, a gente conversou tanto que acho que resumi até demais. Como da primeira vez, fiz em formato de conto. Novamente, obrigado a todo mundo que deu um help nessa história, que finalmente se fechou.
Era um café bonito. Novo da região, era um daqueles negócios em que você vê o coração de um sonho do dono. As mesas rústicas de madeira, as lâmpadas suspensas que desciam do teto em fios de prata, como teias de aranha tecidas por vagalumes. O quadro negro cuidadosamente preenchido com os preços e até desenhos estilizados de alguns pratos. No fundo, um jazz instrumental marcava presença de forma tênue. Também era um daqueles negócios que você sabe que não vai durar muito. Que você bate o olho e pensa: “com essa crise, é melhor eu dar um pulo lá antes que feche”.
Eu presto atenção a cada detalhe ao meu redor. À roupa preta das atendentes, ao supermercado do outro lado da rua que vejo pela vitrine. Aos clientes que entram e saem de uma loja das Casas Pedro. Eu não quero esquecer de absolutamente nada. Era um ritual meu que fiz pela primeira vez aos 14 anos. Sempre tive boa memória, mas naquela época eu me esforcei para colocá-la inteiramente em ação. Era um verão e eu estava prestes a reencontrar uma prima que, anos atrás, fora minha primeira paixão. Ela nos visitava de anos em anos e, três anos após trocarmos beijos juvenis debaixo do cobertor, ela havia acabado de chegar à casa dos meus avós, onde se hospedaria.
Naquela noite, eu não consegui dormir. Por volta das 4h da manhã, peguei meu cachorro e caminhei 15 minutos em meio à madrugada até a casa da minha avó. Não, não fui fazer nenhuma surpresa matinal ou pular a janela em segredo. Eu apenas fiquei do outro lado da rua e observei tudo ao meu redor. “Eu vou lembrar desse reencontro para o resto da minha vida”, pensei, do alto dos meus 14 anos. “Eu quero lembrar de cada detalhe”.
E até hoje eu lembro. Da rua cujo chão estava sendo asfaltado, mas onde metade da pista ainda exibia os bons e velhos paralelepípedos. Das plantas da minha avó balançando ao vento, o som singelo dos sinos que ela mantinha na varanda e davam àquilo tudo um clima quase de sonho. Do meu cachorro, fiel companheiro que viria a morrer dois anos depois, sentado ao meu lado com metade da língua para fora. Do frescor da madrugada que precedia o calor inclemente das manhãs do verão carioca.
Mas não é dessa memória - e nem dessa paixão - que eu falo no momento. Eu falo dela. Dela, que eu reencontrei depois de tanto tempo. Que eu julgava já ter esquecido. Que, apenas mais de dez anos depois, eu percebi que tinha sido um babaca ao desaparecer sem qualquer despedida. Mesmo que ela jamais tivesse segundas intenções comigo, mesmo que fosse apenas uma boa amiga, eu havia errado. E aquela era o dia de colocar aquilo, e talvez mais, a limpo.
Foram três semanas de tortura comigo mesmo. Desde que achara seu perfil no Facebook e ouvira de um amigo em comum notícias de uma vida triste, seu rosto não me saía da cabeça. Ao menos uma vez por dia, eu pagava uma visita ao seu perfil e mirava aqueles olhos. As fotos, quase todas ao lado da mãe e do filho pequeno, tinham um sorriso fugaz encimado por olhos dúbios, tristes. Eles lembravam-me de mim mesmo. “Você tem um olhar de filhote de cachorro triste, por isso consegue tudo que quer”. “Você parece feliz, mas sempre que para de falar por um tempo, parece ter uns olhos tão tristes”. “Essa cara de pobre-coitado-menino-sofredor é foda de resistir, dá vontade de levar para casa e dar um banho”. Eu já havia perdido a conta de quantas vezes ouvira aquilo das minhas ex-namoradas e ficantes da faculdade. Os dela não eram muito diferentes. Quando ela finalmente apareceu, com sete minutos de atraso, eu pude perceber.
Meu coração parou por uma fração de segundo e depois disparou, como se os sineiros de todas as catedrais que haviam dentro de mim tivessem enlouquecido. Era engraçado como algumas pessoas passavam vidas inteiras sem mudar o jeito de se vestir. Ela ainda parecia com aqueles sábados em que nós nos encontrávamos no curso de inglês: os tênis All-Star, a calça jeans clara, uma camiseta simples - de alcinha, branca e com corações negros estampados - e o cabelo com rigorosamente o mesmo corte. “Talvez por isso que foi tão fácil reconhecê-la, mesmo depois de todo esse tempo”, pensei. Ou talvez eu reconhecesse aquele rosto e aqueles olhos - antes tão vivos e alegres - em qualquer lugar. Eu jamais saberia.
Como qualquer par de amigos que não se vê há milênios, falamos de amenidades no começo. Casei, separei. Sou funcionária pública, ela dizia. O relato do meu amigo, eu descobria agora, não estava perfeitamente certo. Ela não havia se demitido do trabalho, apenas se licenciado por algum tempo. “Fui diagnosticada com depressão”, ela admite, sem muitas delongas ou o constrangimento que tanta gente tem sobre o tema. “Meu casamento estava indo muito mal e eu desabei. Mas agora tá tudo bem”. Não estava, não era necessário ser um especialista para notar aquela tristeza escondida no canto do olhar.
Falei da minha vida para ela também. Contei que a minha ex-namorada que ela conheceu não deu certo e que, naquela época de fim da adolescência e início da vida adulta, eu tinha muita vergonha de falar sobre o que eu passava. Ela praticava gaslighting comigo, tinha crises de ciúme incontroláveis, me fazia sentir um crápula por coisas que eu sequer havia feito. “Você parecia tão feliz com ela”. “Eu finjo bem”, admiti. “E eu tinha vergonha de mostrar para os outros o que passava. Homem dizendo que a mulher é abusiva? Eu não queria que ninguém soubesse”.
Após quase meia hora de amenidades, eu exponho o elefante na sala de estar. Na verdade, quem começa é ela. Quando a adicionei no Facebook, falei que tinha esbarrado com ela na rua e que ficara com vergonha de cumprimentá-la na hora. Mas que queria muito revê-la depois de tanto tempo, tomar um café, falar sobre a vida. “Por que você sumiu?”, ela pergunta, no meio de um daqueles silêncios que duram mais do que deveriam. Eu tremi por dentro, mas não havia como continuar escondendo.
No começo, falei o básico. Que era de família humilde, como ela bem lembrava, e que o parente que pagava meu curso havia descoberto um câncer. Poucos meses depois, eu perdi meu emprego. Tudo isso num intervalo curto, de três ou quatro meses e perto da virada do ano. “Me ligaram do curso e ofereceram um desconto. Eu era pobre, mas sempre fui orgulhoso. Naquela época, era mais ainda. Burrice minha. Se bobear, eles iam acabar me oferecendo uma bolsa”. “Eles iam”, ela responde. “O Francisco - dono do curso - era maluco por você. Você era um ótimo aluno”. Ela dá um gole no mate que pediu. Meu café esfria ao meu lado. “Mas por quê você não falou nada comigo?”, ela continua.
Eu sabia que estava num daqueles momentos em que poderia mudar radicalmente o dia. Porque eu poderia ter mentido. “Eu não falei porque fiquei com vergonha de ter perdido o emprego”. “Eu não falei porque eu estava muito triste: parente próximo com câncer, desempregado, meu relacionamento com uma pessoa abusiva”. Eram mentiras com um pouco de verdade, mas não revelavam o grande problema. Naquele fim de tarde, eu escolhi não mentir. Nem me esconder. E eu já tinha ensaiado essas palavras dezenas de vezes nas últimas semanas.
“Olha, eu não sei se dava para reparar na época ou não. Não sei era muito óbvio, sinceramente. Mas eu era completamente apaixonado por você naquele tempo. Eu passava a semana inteira pensando no dia em que a gente ia se encontrar, trocar uma ideia no curso, caminhar junto até a sua casa. E eu tinha uma vergonha absurda disso. Eu tinha namorada, você tinha namorado e estava para se casar. Então eu achava errado expor aquilo, ser claro. E eu achava que você não gostava de mim. Eu tinha auto-estima muito baixa e esse relacionamento com essa ex-namorada abusiva só piorou as coisas. Eu me sentia um lixo, então achava que você não ia ligar se eu sumisse. Que ninguém ia ligar se eu sumisse. E foi o que eu fiz. Mas, se você quer uma versão curta da resposta, é essa: eu era completamente apaixonado por você naquela época e quis sumir, sair correndo”.
Enquanto eu falava aquilo tudo, a boca dela se abriu em alguns momentos. Às vezes parecia surpresa, às vezes parecia que ela tentaria falar alguma coisa que se perdia no caminho. Eu fazia esforço para olhá-la nos olhos, mas era difícil. Mesmo depois de todos esses anos. Tentei dar a entender com o tom de cada palavra que aquilo era uma coisa do passado, que não me incomodava mais, que agora eu queria apenas revê-la e saber como andava a vida.
O desabafo foi seguido de um silêncio que tornava-se mais pesado a cada segundo. Havia alguma coisa fervendo dentro dela, dava para ver. Foi aí que os olhos dela brilharam mais do deveriam, lacrimejando. Quando vejo aquilo, sinto que o mesmo vai acontecer comigo, mas me seguro. Ela vira o rosto e olha para além da vitrine, onde um ponto de ônibus está lotado com os clientes do supermercado e estudantes recém-saídos de suas escolas, o trânsito lento e infernal. A acústica é tão boa no bar que o caos de fim de tarde do outro lado do vidro parece uma televisão ligada no mudo. Quando ela me olha de volta, vejo que ela não faz qualquer esforço para esconder os olhos marejados.
“E você nunca me contou nada? Nem pensou em me contar?”.
Eu não sei quantos de vocês já ficaram sem notícias de um parente ou de alguém que você ama por muitos anos. Aconteceu comigo uma vez, com uma tia que desapareceu por quase 10 anos no exterior e reapareceu após ser mantida em cárcere privado por um namorado obsessivo. A sensação é estranha. É como descobrir que um livro que você tinha dado como encerrado tinha uma continuação secreta. As memórias de hoje se misturavam com as de 12 anos atrás, da última vez que li esse livro. Ela começou a contar tudo.
Ela, como eu já disse antes, era o meu ideal de felicidade. Casara cedo, tivera filho cedo, empregara-se no serviço público cedo. Era tudo com o que eu sonhava. Eu sempre quis constituir uma família, ter uma vida simples, ter um filho cedo para poder aproveitá-lo ao máximo. Mas a falta de dinheiro e a busca por uma parceira ideal sempre ficaram no caminho, assim como a carreira. O problema é que ela tinha uma vida muito diferente do que eu imaginava, muito mais parecida com a minha à época.
Acho que já deixei claro o quanto eu era apaixonado por ela no passado. Ela não era bonita nem feia, tinha o tipo de rosto que se perde na multidão sem ser notado. Filha de pai negro e mãe branca, era morena e tinha o cabelo liso levemente ondulado, quase até a cintura. Quando éramos adolescentes, ninguém a elegeria a mais bela da turma, mas dificilmente negariam que tinha seu charme. Eu a achava linda.
Mas ela, como eu, era o tipo de pessoa que tinha a auto-estima no fundo do poço. Como eu, também cresceu em um lar bem humilde. Também colecionou desilusões amorosas. E, como todo mundo já sabe, isso te transforma em um alvo perfeito para relacionamentos abusivos. O namorado dela, assim como a minha namorada à época, era muito bonito e manipulador. E ela achava que ele era a única pessoa que gostava dela, o único que lhe daria atenção. E isso fez com que, por anos, ela suportasse tudo que aconteceu entre eles. Traições, brigas, mentiras, chantagens, ameaças de abandono, ciúmes doentios. A história deles dois era tão parecida com a minha história com minha primeira namorada que eu fiquei assustado. Só que, diferente de nós, eles casaram. Eles colocaram um filho no mundo.
Ele só piorou com o nascimento da criança. Ele não era mau com o filho, ela dizia. Era um pai carinhoso, inclusive. Mas o pouco amor e bondade que ele tinha por ela transferiu-se todo para a criança. Vivia para o trabalho, para o filho e para os amigos.
“A gente chegou a ficar sem se falar por meses”.
“Morando na mesma casa e sem se falar?”.
“Sim. Nem bom dia. Nada. Eu me sentia um fantasma”.
Na contramão dele, ela dobrava-se para dentro de si própria. Abandonou a faculdade para cuidar do filho enquanto o marido formou-se com seu apoio fiel. Vivia para o filho e tinha seus problemas conjugais menosprezados pela família. “É coisa de garoto, ele vai melhorar”. “Homem quando acaba de ter filho é sempre assim”. “Vai passar”. Mas não passou, só piorou. As traições recorrentes evoluíram para uma equação desequilibrada de álcool e uma amante fixa no trabalho que ele sequer fazia questão de esconder. Ele anunciou que ia deixá-la, convenceu-a de que era um bom negócio vender o apartamento que eles haviam comprado. Racharam o dinheiro e ele foi viver a vida. Ela voltou a morar com a mãe, agora viúva.
O filho, nitidamente a coisa mais importante daquela mulher, tornou-se a única razão para viver. A pensão que a mãe recebia era baixa, o salário dela também não era bom. A pensão que o marido dava ajudava a manter uma vida extremamente funcional e sem luxos. As roupas eram das lojas mais baratas. Viagens não existiam. O único gasto relativamente alto era com uma escola particular de qualidade para o filho. O resto era sempre no básico.
Contei para ela sobre o meu sonho de casar cedo, de ter uma vida tranquila e estável. Falei que eu admirava muito a vida que ela escolheu no começo, que era a vida que eu queria ter vivido. A grama realmente é mais verde no jardim do vizinho, ao que parece.
“Mas a sua vida parecia tão tranquila, tão perfeita”.
“A minha?”.
“A sua namorada naquela época era uma menina tão bonita, eu lembro dela. Loira, bonita de corpo. Até lembro que ela fazia medicina e ainda era dançarina. Eu achava ela linda, perfeita. E você… você era sempre tão fofinho. Carinhoso e atencioso com todo mundo. Inteligente pra caralho, nem estudava e tinha as notas mais altas em tudo. Todo mundo gostava de você, todo mundo queria ser seu amigo e você nem se esforçava para isso”.
“Eu não lembro disso…”.
“Porque você não se achava bom. Você tinha 16, 17 anos e sentava para conversar de igual para igual sobre cinema e livro com uns professores de 40 e poucos anos. Você parecia fluente conversando com os professores em inglês e espanhol enquanto a gente tentava chegar perto disso. Passou no vestibular de primeira. Você não percebia, mas você era o queridinho de todo mundo. Você não era o garoto malhado bonitão, você era o garoto charmosinho e inteligente que todo mundo gostava. Eu gostava de você também. Gostava mesmo, de verdade. Eu tinha uma paixãozinha por você. Mas eu achava que eu não tinha a menor chance. Eu achava que eu merecia o meu namorado. Que eu era feia, ruim. Que ele estava certo em me falar aquelas coisas”.
“Eu era completamente apaixonado por você”, eu respondo. “Eu pensava em você todo dia”.
Engraçado como as pessoas se veem de maneira tão diferente. Eu me definia de três formas quando a conheci: eu sou gordo, eu sou feio, eu moro num dos bairros mais pobres e violentos da cidade. No dia seguinte, de manhã, eu olharia minhas fotos de 12, 14 anos atrás e me surpreenderia com quem eu via ali. Eu era bonito, só um pouco acima do peso. Com 16 anos, eu já era o barbado da turma antes de barba ser coisa hipster. Na foto do colégio, uma das últimas do terceiro ano, eu parecia tão dono de mim, tão no controle. Eu tinha aquela cara de inteligente e rebelde. Por dentro, eu era completamente diferente. Inseguro, assustado, sem auto-estima alguma e com uma namorada abusiva.
São sete e meia e a noite já começa a cair no horário de verão. Educadamente, uma das atendentes nos indica que a galeria onde o café funciona vai ser fechada em breve. Eu pago a conta e nós ficamos meio perdidos, sem saber o que fazer. Ela ainda tem os olhos inchados, eu também. Os funcionários da loja nos olham de forma surpreendentemente carinhosa, não sei o quanto eles escutaram do desabafo.
Saímos em silêncio do café, ela atendeu a uma ligação da mãe. Minha esposa estava fora do estado e só voltaria dali a alguns dias, então eu estava bem relaxado em relação às horas.
“Não sei se você precisa voltar para a casa por causa do Hugo, mas tem um bar aqui perto que é bem vazio a essa hora. A gente pode sentar pra conversar”, eu digo.
“A gente tem mais coisa para conversar?”. Ela pergunta sorrindo, não vejo nenhum traço de mágoa no seu rosto.
“Claro que tem. Doze anos não se resolvem em duas horas”.
Fomos para um bar pequeno ali perto, um que eu costumava frequentar nos tempos de faculdade. Nos tempos em que eu pensava nela e não me achava capaz de tê-la. Ele pouco havia mudado de 12 anos para cá: a mesma atmosfera que fazia dele aconchegante e levemente depressivo ao mesmo tempo. Era um bar das antigas, com azulejos portugueses azuis e poucos frequentadores. O atendimento era excelente e o preço razoável para a região, mas aquela estética de 40 anos atrás parecia espantar os frequentadores mais jovens. Os poucos que iam lá, no entanto, eram fiéis. Como eu fui no passado.
Nos sentamos no fundo do bar vazio em plena terça-feira e desnudamos nossas vidas um para o outro. “Eu quero saber quem você é”, eu comecei. “A gente falava sobre um monte de coisa, mas eu não sei nada sobre você. Sobre sua família. Sobre sua infância, quem você é. E você não sabe nada sobre mim”. Ela riu. “Você é maluco”. “Não, só quero te conhecer melhor. Compensar por ter sido um babaca há doze anos”.
A conversa foi agridoce. O que mais me assustava era como tínhamos origens semelhantes, desde a família até a criação. Os dois criados no subúrbio do Rio de Janeiro, os dois de famílias humildes que, por conta da pobreza e da necessidade de contar uns com os outros, permaneciam unidas. Primos de terceiro ou quarto grau criados próximos, filhos que casavam e formavam suas famílias nas casas dos pais. Assim como a minha família, a dela investiu tudo que tinha para que ela estudasse em um colégio particular até que eventualmente ela passou para uma escola pública de elite.
Nossas duas famílias tinham essa estranha tradição carioca que mistura catolicismo, umbanda e espiritismo, um sincretismo religioso que eu, como ateu, tenho dificuldade em entender - mesmo tendo crescido nesse meio. Assim como eu, achava-se feia, indesejada na adolescência. Isso fez com que rapidamente trocasse o mundo cor de rosa pelo rock e pelos livros. No meu caso, eu acrescentaria videogames e RPG, mas o resto não mudava muito.
“Na minha escola, tinha muita patricinha, muito playboy. Eu não aguentava eles. E eles sabiam que eu era pobre, então não se misturavam muito comigo”. Contei a minha versão para ela. “Eu gostava de ler, RPG e jogar videogame. Mas eu era muito pobre, fodido mesmo. E isso tudo era coisa de gente com grana na época, né? Então eu acabei ficando amigo dos nerds na época por conta dos gostos comuns. Eu tive sorte, demoraram a perceber que eu era pobre. Eu tenho toda a pinta de gente com grana, essa cara de europeu que engana. Quando perceberam que eu era duro, foi só no segundo grau. Ali eu já era um pouco mais cascudo, tinha bons amigos”. Ela não.
Era tudo tão igual que, em dado momento, eu parei de falar que havia sido igualzinho comigo. Eu esperava ela terminar a parte dela. Falava a minha. E intercalávamos nossas histórias, os dois surpresos com as semelhanças. Provavelmente a grande diferença era a vida dela após ter o filho e abandonar a faculdade. Ela trabalhava em uma repartição pública onde tinha 20 anos a menos do que a segunda funcionária mais nova, se afastou dos amigos. Era estranho conversar com ela. Não usava redes sociais praticamente, apenas para trocar mensagens com parentes distantes e mostrar fotos do filho para eles. Não via séries, não tinha Netflix - só novelas. Não conhecia bandas novas, não era muito de ir ao cinema. Era uma sensação estranha, mas parecia que boa parte da vida dela tinha parado em 2006 ou 2005. Os hábitos dela e poucos hobbies pareciam os de uma pessoa de 50 e poucos anos.
Me doeu imaginar o que poderia ter sido, o que poderíamos ter feito juntos, como poderíamos ter sido bons um para o outro. Pensei na minha esposa, que tem um perfil familiar radicalmente diferente do meu. Ela vem de uma família de classe alta, só com engenheiros e funcionários públicos de elite. O mundo dela era muito diferente do meu, tão diferente que às vezes me assustava. Famílias que não se falavam e que, mesmo endinheiradas, brigavam por herança e cortavam laços de vida por conta de bens que eles não precisavam. Todos católicos ou evangélicos, sem exceção. No máximo um ou outro ateu escondido no armário, como eu.
Essa diferença nos causava estranhezas, pontos de atrito que me surpreendiam. Quando eu elogiava a decoração de uma festa, ela falava do preço e da empresa que a produziu. Ela sentia uma obrigação social em aparecer em eventos familiares ou do círculo social deles, de ser e parecer uma boa esposa. Eu só queria estar onde eu estava afim e quando eu estivesse afim, nunca vi a família como uma obrigação social. Eles discutiam herança entre irmãos com os pais bem vivos, nós nos preocupávamos em fazer companhia à minha mãe quando meu pai morreu. Já era meio subentendido que abriríamos mão de qualquer coisa e deixaríamos tudo para minha mãe, tendo direito ou não.
Havia uma preocupação com patrimônio, normais sociais e aparências que, por muitas vezes, me assustavam. Muitas vezes ela parecia desgastada ou enojada com isso também, mas fazia porque alguém na família tinha que fazer, porque era tradição, porque sempre foi assim. Eu assistia àquilo atônito, impressionado como uma família tão numerosa quanto a minha - com literalmente dezenas de primos e tios até de terceiro grau que moravam em um mesmo bairro - era tão mais simples e unida do que uma dúzia de endinheirados que pareciam brigar por coisas fúteis.
Ela, que estava ali do meu lado, não. Tudo que ela me contava soava como uma cópia fiel da minha família, apenas em escala ligeiramente menor. Pensei em como as coisas seriam simples ao lado dela, despreocupadas, tranqulas. Que eu não passaria a vida sendo julgado pela família da minha companheira como o ex-pobre com pinta de hipster que conseguiu ganhar algum dinheiro, mas não tem muita classe nem é muito cristão, como nos últimos anos.
As palavras que saíram da boca dela depois de uns dois ou três copos de cerveja poderiam muito bem ter sido lidas do meu pensamento. “Você acha que a gente teria sido um bom casal? Que a gente ia se dar bem?”.
“Não tem como saber”, eu respondi. “Mas a gente pode imaginar”. E a gente começou a brincadeira mais dolorosa da noite, imaginando como seria se tivéssemos ficado juntos 12 anos atrás.
“Eu jogava videogame para caralho, você ia se irritar. E eu ia te pentelhar para jogar comigo”, eu comecei.
“Eu gostava de videogame, só não jogava muito. Eu ia te arrastar para show da Avril Lavigne e da Pitty, você não ia gostar”.
Eu sorri. “Eu não tenho nada contra as duas”.
“Britney e Justin Timberlake também”.
“Porra, aí você já tá forçando a barra, amor tem limite”.
Falamos sobre meus primeiros estágios, sobre como eu era maluco e fazia dois estágios e faculdade ao mesmo tempo. Saía de casa às cinco da manhã e voltava às onze da noite. Tudo para conseguir ter uma grana legal, já que na minha área os estágios eram ridiculamente baixos. Ela falava sobre a rotina de estudos para concurso, sobre como foi difícil conciliar a faculdade - que ela eventualmente abandonou por causa do filho - com o recém-conquistado emprego público. Eu falava do meu início de carreira, que foi bem melhor do que eu jamais imaginara, como subi rapidamente. Como eu achava estranho ganhar a grana que eu ganhava - que não era nada extravagante, garanto - mas meus hábitos simples faziam com que eu mal gastasse metade do salário. Ela falava da depressão que tomou conta dela ao perceber que estava num emprego extremamente burocrático e ineficaz, deixando-a incapaz de buscar outras alternativas. Falamos sobre a morte dos nossos pais, que parecem ter conspirado para falecer no mesmo ano.
Em algum momento, a cabeça dela repousou no meu ombro. Eu não soube o que fazer. Pensava apenas na minha esposa, em jamais ter traído ela nem nenhuma outra mulher. Foi aí que eu percebi que ela chorava e, novamente, eu chorei também.
“É engraçado a gente ter saudade de algo que a gente não teve”, eu disse, lembrando de um livro que eu li há muito tempo.
“Acho que a gente seria um casal do caralho”, ela disse, com um inesperado sorriso entre as lágrimas.
“Ou talvez a gente se detestasse e desse tudo errado, a gente nunca vai saber”.
“A gente nunca vai saber”, eu repeti, mentalmente. Como um vírus, a ideia se espalhou dentro de mim rapidamente. “Eu posso fazer uma diferença na vida dessa mulher, na vida do filho dela, na própria família dela. Eu posso ter uma vida mais tranquila ao lado dela, sem essas picuinhas de família rica. Minha esposa pode encontrar um homem muito melhor para ela. Um cara rico, cristão e que tenha a classe e pose que a família dela tanto quer. Isso pode acabar bem para todo mundo”.
Mas não podia. Lá no fundo, eu sabia que não podia. Eu tinha quase uma década de história com minha esposa. Eu tinha um casamento plenamente feliz atrapalhado por alguns poucos problemas familiares e inseguranças minhas. Tínhamos uma química ótima, gostos parecidos para livros e filmes, nos dávamos bem na cama. Valia a pena jogar aquele relacionamento tão bom e funcional - algo que me parece cada vez mais raro hoje em dia - por uma aventura fugaz? Um remorso do passado? Em um relacionamento com uma estranha que eu estava voltando a conhecer havia algumas horas?
“Você nem a conhece”, dizia a cabeça. “Ela é igual a você”, dizia o coração.
No fim das contas, eu segui a cabeça. Conversamos até quase dez da noite. Pegamos um Uber e fiz questão de deixá-la em casa, um prédio pequeno em um bairro abandonado do subúrbio. Quando o carro parou, ela se demorou um pouco do meu lado e, por impulso, eu segurei a mão dela. Ela me encarou assustada e ansiosa. Eu pensei em beijá-la, em ligar o foda-se e jogar tudo para o alto ali mesmo. Mas eu só desci do carro com ela na rua deserta e caminhamos juntos para dentro do prédio, sem saber exatamente o que a gente estava fazendo. Pedi para o motorista me esperar e disse que depois acertava uma compensação com ele.
“Eu vi o seu Facebook. Você é casado com uma mulher linda. E inteligente. Você não vai me trocar por ela. Nem eu quero acabar com o seu casamento”.
“Você acha ela linda e inteligente?”.
“Você sabe que ela é”.
E então eu desabafei. Falei que passei as últimas semanas reavaliando meu casamento e meu futuro, encarando a foto dela no Facebook de tempos em tempos. Que meu coração quase parou quando encontrei-a pela primeira vez. Que eu gostava de tudo nela. Da dedicação como mãe, da simplicidade, dessa aura de pessoa correta que ela exalava sem fazer esforço, desse espírito suburbano e familiar que ela tinha. Dos olhos dela, tão animados no passado e tão tristes agora. De como eu estava me segurando para não beijá-la naquele dia todo.
“Você é linda. Eu sei que você se acha feia, eu sei que você acha que ninguém vai se interessar por você. Mas você é uma mulher foda, e nem preciso subir para saber que você é uma mãe foda, uma filha foda. Não deixa a vida passar. Eu tenho certeza que tem mais gente que, igual a mim, já percebeu isso em você e não sabe como falar. Não faz de novo a mesma coisa que a gente fez lá atrás. Eu só queria que você soubesse disso porque eu acho que você merece ser muito mais feliz do que você é agora. E você não tem ideia de como você me deixou maluco esses dias todos. Eu sou bem casado com uma mulher linda sim, mas só de encontrar você eu tive vontade de jogar tudo para o alto”.
Foi um monólogo mais longo do que eu esperava. De novo, ela chorou. Dessa vez, eu contive as lágrimas. O abraço que partiu dela foi um dos melhores e mais tristes que já ganhei na minha vida. Havia ali uma história de amor não vivida, saudades de uma história que jamais colocamos no papel, de um mundo que nunca existiu. Ela me apertou forte e eu sentia minhas mãos tremerem.
Encostamos as laterais do rosto um do outro, aquele prenúncio de um beijo adiado. E que tive que usar todo auto-controle do mundo para manter adiado. Me afastei, olhei nos olhos dela, sorri e fui embora. Quando o Uber saiu, ela ainda estava parada na portaria e minhas mãos ainda tremiam.
Eu não sei se essa história acaba aqui ou não. Mas eu tenho quase certeza que sim. Algum dia eu vou contar tudo isso para a minha esposa, mas vou esperar esse sentimento morrer primeiro. Eu conheço ela o suficiente para saber que, em um bom momento, ela não ficaria triste com essa história. Eu até consigo imaginar a reação dela, repetindo a frase que ela me diz desde que a gente casou. “Eu te conheço. Você não vai me trair com alguma gostosona oferecida por aí. Se alguma coisa acontecer, você vai se apaixonar por alguém. Eu te conheço, você é romântico. Mas a gente se resolve”.
Quando cheguei na minha casa vazia, sentei e escrevi quase tudo isso de uma tacada só. Sem revisão, sem pensar muito. Eu acho que eu poderia escrever dezenas de páginas sobre os detalhes da conversa, mas isso aqui já está longo demais. Antes de dormir, eu vejo que tenho uma mensagem no Whatsapp.
“Foi muito bom encontrar você”.
Toda aquela tentação de falar algo mais grita dentro de mim, se debate.
“Foi bom te ver também :) “.
Por via das dúvidas, coloquei o celular em modo avião e suspirei. “Eu tô feliz ou triste?”, me perguntei. Parece uma pergunta simples e relativamente objetiva, mas eu não soube responder. Eu custei a dormir, com medo de sonhar com ela. Quando eu acordo no dia seguinte e me preparo para ir ao trabalho, a impressão que eu tenho é de que tudo foi um sonho. Vê-la, reencontrá-la, chorar, abraçá-la.
E, como quando a gente acorda de um sonho triste, eu volto a viver minha vida normal para esquecer. Hoje tem reunião com cliente. À noite, preciso pegar minha esposa no aeroporto.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


2017.11.18 22:07 BoneArrowFour Desabafo sobre irmão

Boa tarde, povo do Reddit!
Eu preciso muito desabafar sobre o meu irmão mais velho que causa problemas não só para mim, mas para todo mundo
Hoje em dia, ele tem 20/21(nem sei mais) anos, mas o problema começou desde pequeno. Desde pequeno, ficava brigando por motivos bestas, como por exemplo dizendo que eu tinha que avisá-lo quando eu ia tomar banho(o que continua até HOJE, PS:ELE TEM 20/21 ANOS), eu usar o "copo preferido dele"(outra vez, até mesmo HOJE EM DIA), ou, esses dias, quando eu "acordei ele" enquanto pegava moedas do meu guarda-roupas de manhã(o infeliz reclama, mas ele acende a luz no meio da noite, quando chega da faculdade), entre outras coisas de mesmo nível. Sinceramente, acho que ele deve ter algum problema mental(principalmente Esquizofrênia), uma vez que ele frequentava psicologo(ou psiquiatra, não tenho certeza). Além disso, vira-e-mexe ele fala que estou tentando copiar ele, pois ele acha que eu o admiro. Não continuarei falando sobre coisas que acontecem comigo, e agora falarei sobre o que ele faz com a minha familia
Meus pais são recém-divorciados(fim do ano passado). Minha mãe, que infelizmente nunca teve oportunidade de fazer pós, não teve dinheiro para comprar uma casa própria depois disso(recusou as inumeras tentativas de ajuda que meu pai tentava dar), e por isso eu, esse tal de irmão mais velho, e o mais novo(pequeno, <10 anos)fomos morar com ela na casa de nossa avó. Esses dias, o mais velho disse para minha mãe que ela "era o exemplo do que não fazer", que "ela era uma fracassada" e que ela "tinha o feito se tornar alcoólatra"(ele paga de alcóolatra, mas na verdade só bebe para aparecer), e que ela nunca fez nada por ele, porque ele "só foi uma vez para o exterior"(PS:Essa viagem aconteceu recentemente, e ELA FEZ UM PUTA SACRIFICIO PARA CONSEGUIR PAGAR A VIAGEM). Isso arrasou minha mãe, que ficou muito triste com o incidênte, pois ele não sabe os sacrifícios que ela fez por nós.
Com meu pai(que tem salários melhores), ele fica toda hora mandando indiretas do tipo "pais decentes fazem de tudo pelos filhos", ou "o meu amigo x viaja todo ano para a Italia/Alemanha/pqp, isso sim que é ser feliz", ou "se é para ter filho e não fazer de tudo para ele ser feliz, então não tenha" ou coisas do gênero. Ele ficou bravo pela redução da mesada que ele ganha(Nessa altura do campeonato, nem devia mais estar ganhando mesada, passou 3 anos no cursinho e ficava jogando videogame escondido ao invés de estudar, sendo pego uma vez), reduzido agora à "miseros" 100 reais por SEMANA(WTF?), ainda exigindo que o pai pagasse pelas festas e viagens que ele quer fazer. Agora que meu pai tem uma namorada(muito gente boa, por sinal, graças a Deus), ele fica tentando provar para ela como ele é "vida loka lol" para ela, criando diversas situações falsas e distorcendo fatos(que eu estava presente, então sei que são mentiras).
Na casa de minha vó(onde estamos morando agora), ele a trata mal, muitas vezes à ignora e/ou manda ela calar a boca, dizendo para não se meter na vida dele e coisas do tipo, dizendo para ela cuidar dos assuntos dela, se recusando a ajudar(a menos que nossa mãe esteja olhando, que mesmo sendo "uma vergonha", ele ainda quer impressioná-la).
Na rua/meios sociais, ele também é terrível. Na rua, quando nenhum responsável está presente, ele se acha o Speed Racer das ruas, correndo, costurando e furando semáforos, mesmo com NOSSO IRMÃO MENOR NO CARRO JUNTO! Pior é quando ele vê qualquer carro mais simples na rua, como por exemplo um Uno velho, e fica dizendo:"Hurr quem dirige essa lata-velha nem é gente", e coisas do tipo, xingando as pessoas de sobrepeso nas ruas(muitas vezes, mas nem sempre,abaixando a janela para fazê-lo), e fica babando ovo para carros mais caros, deixando-os serem folgados sem serem xingados. No meio social(estes, não sei se acontecem ou não, pois não frequento os mesmos lugares que ele), ele fica falando que arranja brigas, que é amigo de muitas meninas bonitas, que contam tudo para ele(isso eu sei que é mentira, pois ele vem falar comigo falando "Nossa, hoje mina X me contou isso isso e isso", e quando dou uma "stalkeada" no face delas para ver, elas postaram algo sobre isso, e ele fala para todo mundo que elas foram pessoalmente falar com ele), e acha que abafa nas festas, principalmente uma vez(recente, mas outra vez, não sei se é verdade), que ele chegou em uma mina que ele quase nunca(ou nunca, sla) tinha falado na vida e disse "Hurr, vou ser o pai dos seus filhos um dia" em uma festa(CRINGE).
Enfim, desculpe o longo post, mas eu preciso desabafar. Estou em fase de vestibulares e o stress ta grande, mas estou tentando arranjar formas de desabafar. Além desse post, estou tentando jogar mais videogames e considerando esse irmão mais velho como "uma preparação para a vida", visto que terei de conviver com pessoas como ele no trabalho querendo ou não, e por isso essa convivência me deixará mais forte para o futuro.
Obrigado mais uma vez, e desculpa pelo longo post!
Edit:OBRIGADO A TODOS que vieram comentar, seja os que vieram inconformados, ou os que vieram dar a opinião, e os que vieram prestar solidariedade, obrigado! Agora eu sei que posso contar com vocês quando quiser desabafar!
submitted by BoneArrowFour to brasil [link] [comments]


2017.11.11 07:06 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois

A quem possa interessar, agora tem uma parte 2: https://www.reddit.com/brasil/comments/7cq1rk/today_i_fucked_up_a_estranha_sensa%C3%A7%C3%A3o_de/
Reencontrei uma pessoa muito querida para mim ontem de maneira completamente randômica. É um caso tão bizarro que não sei para quem desabafar, já que esse "relacionamento" que eu mantive há 12 anos não chegou a ser sequer um relacionamento e nunca contei dele para ninguém. Esperei a esposa dormir, sentei e escrevi um conto. Fiz uma trash account para jogar isso aqui.
Desculpem o desabafo longo, mas foi o lugar que encontrei para soltar isso.
xxxx
Aconteceu no fim de tarde de uma sexta-feira quente. A cidade impaciente se esvaía para casa nos ônibus e metrôs lotados, a onda de calor de novembro apertando o passo de quem só queria o refúgio caseiro. Saí do metrô da esperando encontrar uma noite fresca, mas fui pego no pôr-do-sol atrasado do horário de verão. Passara o dia fora do escritório em um evento extremamente técnico e só queria desligar a cabeça. Estava bem vestido, mais do que o de costume. As calças jeans escuras relativamente novas, a blusa social quadriculada que usava quando queria se arrumar – mas nem tanto – e a bolsa de couro recém-comprada para ter um ar mais profissional nesses eventos externos.
Me sentia bonito, sentia até que minha barba reluzia ao pôr-do-sol. Ridículo, né? Um pouco de contexto: sempre fui uma pessoa acima do peso e havia acabado de registrar a perda de 32 quilos e indo à academia diariamente. Como qualquer um que foi gordinha a maior parte da vida, eu estava me sentindo muito bem. Por isso, peço que sejam indulgentes comigo. Até porque esse fato é relevante para a história.
Caminhando pela praça em direção ao ponto do ônibus que me levaria para casa, me desvencilhava dos ambulantes peruanos e suas bolsas falsificadas, dos entregadores de folhetos do sex shop de uma galeria ali perto – frequentadores fiéis da praça desde que eu me entendo por gente e provavelmente responsáveis por um número considerável de árvores derrubadas para fazer seus folhetos nessas décadas – e dos estudantes, que tanto pareciam carecer de pressa. Naquela multidão de gente, me surpreendi por notar alguém que me mirava de cima a baixo logo à minha esquerda.
No começo, não me virei. Julguei ser uma daquelas ilusões que a gente tem no canto do olhar. Três, quatro, dez passos. A pessoa continuava ao meu lado e me olhando atentamente, não sobravam dúvidas. Virei o rosto e dei de cara com ela.
Eu gosto muito de ler, mas não sei se já achei na literatura algum trecho que mostre o quão chocante é reencontrar um amor perdido depois de tantos anos. Ela entrou pelos meus olhos e me atravessou por inteiro, trouxe de volta as memórias que já julgava mortas e enterradas havia muitos anos. Por dentro, eu me senti despedaçado, como se tivesse estourado um balão há muito tempo comprimido no canto do subconsciente. Eu lembrei das manhãs que passava com ela, do dia em que ela me deu um CD do Linkin Park, de quando fui embora sem me despedir e não cortei o relacionamento – tosco, incompleto e desajeitado – que nós mantínhamos.
O choque seria menor, certamente, se não houvesse uma tristeza tão cristalina em seus olhos. Ela rapidamente virou o rosto e apertou o passo, mas eu fiquei ali atrás com aquela imagem fixa na memória. Me permiti olhá-la por inteiro enquanto avançava à minha frente. Não por desejo, mas por saudade. Saudade da pele morena, do cabelo ondulado que lhe descia pelas costas da mesma forma que fazia há mais de uma década. E saudade dos olhos de arteira que ela tinha, dos quais eu só lembrei depois de vê-los tão melancólicos. Nos conhecemos no fim do segundo grau e começo da faculdade, não éramos mais crianças. Mas os olhos dela sempre me encantavam: pareciam os olhos de alguém que está ansioso e animado ao mesmo tempo, o olhar de criança que está prestes a fazer merda e sabe disso.
Por sorte, ela seguia na mesma direção do ponto de ônibus e eu a seguia com meus olhos. Não tive forças para cumprimentá-la, a vergonha falou mais alto. Ela também não quis fazê-lo e foi fácil entender porque. Ela envelhecera bem mais do que eu esperava. Tínhamos a mesma idade, eu e ela, mas lhe daria uns dez anos a mais do que eu sem pensar duas vezes. Ganhara peso, o rosto e o cabelo pareciam maltratados, a roupa era desleixada. Nenhum julgamento aqui, quem não teve seu dia de ‘foda-se o mundo’ que atire a primeira pedra. E mesmo assim fez o meu coração parar. E mesmo assim eu só queria correr para perto dela e dizer oi.
Eu e ela éramos criaturas estranhas. Nós dois vínhamos de famílias de classe baixa, nós dois estávamos em um curso de inglês pago por algum parente mais rico, nós dois começamos a trabalhar cedo, nós dois éramos excelentes alunos, nós dois fazíamos parte daquela onda de rock do começo dos anos 2000 que incluía Linkin Park, Evanescence, System of a Down e algumas outras bandas que estavam na moda na época.
Começamos a nos aproximar quando contei para ela que queria fazer XXXXX (carreira omitida). Ela também queria, por isso passamos o ano anterior ao vestibular trocando dicas, comentando provas e trocando confidências no fim da aula de inglês. Eu fazia questão de levá-la para casa todos os dias após o fim da aula de inglês e nós acabamos ficando muito próximos. Só tinha um detalhe: eu e ela éramos comprometidos. Eu namorava uma colega de escola há pouco menos de um ano e era perdidamente apaixonado por ela, apesar dela ter se tornado uma companheira extremamente abusiva ao longo do relacionamento e termos nos separado. Ela namorava um amigo de infância, tinha tudo para crer que ela também era apaixonada por ele e estava prestes a se casar dali a um ano e meio. Sim, ela casou-se ridiculamente cedo, com apenas 20 anos e teve dois filhos logo depois, pelo que eu ficaria sabendo mais tarde por acidente. Nesse período de cerca de dois anos, mantivemos esse relacionamento estranho que eu sequer sei como classificar. Recém-chegados no curso achavam que éramos namorados, apesar de nós nunca nos abraçarmos, andar de mãos dadas ou coisas do gênero. Os alunos que estudavam conosco há mais tempo e já tinham visto nossos verdadeiros namorados achavam apenas que colocávamos chifres neles. Nós nunca fizemos absolutamente nada. Não houve beijo, não houve cabeça no ombro, não houve mãos dadas. Fisicamente, nunca houve nada. Mas havia ali uma cumplicidade quase criminosa, olhares mais longos do que o necessário, um quase que jamais se tornava realidade. Talvez esse carinho fosse fruto de sermos tão parecidos e termos origens tão similares.
Mas tudo acabou sem aviso. Em um intervalo de meses, sofri um duplo revés. O parente que pagava o meu curso descobriu que estava com câncer e seus custos com saúde aumentaram drasticamente. Eu já estava trabalhando e podia pagar, mas perdi o emprego no mesmo semestre. Tudo aconteceu em um intervalo de um mês, em janeiro, e eu não pude voltar ao curso para o semestre seguinte. Era uma época diferente. As redes sociais não eram tão onipresentes (eu tinha meu bom e velho Orkut, ela achava rede social bobeira) e não havia Whatsapp. E algo em mim insistia em dizer que era errado ligar para ela, que era ir longe demais. Então eu sumi da vida dela sem aviso, sem dar satisfação. Simplesmente não me matriculei no curso e jamais toquei no assunto com ninguém, nem com meus amigos mais próximos. Doeu – e doeu muito – mas eu deixei a vida sedimentar tudo aquilo. Eu ganhei peso, meu relacionamento com aquela namorada não andava bem. Naquele momento, eu só queria sumir e não ver mais ninguém. E aquela saída brusca acabou me ajudando nesse sentido. Some aí a baixa auto-estima. Eu nunca achava que uma mulher estava dando bola para mim até elas praticamente se jogarem no meu colo. Quase todas as mulheres com quem saí tiveram a iniciativa ou deixaram bem claro que queriam alguma coisa, sempre fui lerdo ao extremo para flerte. E perdi grandes oportunidades por conta disso, mas isso é passado e não me causa dor, só uma risadas. Exceto nesse caso.
De lá para cá, soube pouco dela. Descobri por um grande acaso que ela teve dois filhos logo após o casamento (Orkut de amigo de um amigo de um amigo que estava no chá de bebê do segundo filho dela, rs). Também vi que ela não passou no vestibular para a carreira que escolhemos, senão seria mais fácil encontrá-la. O curso era bem concorrido e ela não passou duas vezes. Na terceira, já estava com filho e casada, então não avançou. Esbarrei com ela enquanto estava grávida do primeiro fazendo compras no mercado com o marido. Nesse dia, eu estava acompanhado de vários amigos, completamente bêbado e indo para uma festa na região boêmia da cidade. Trocamos um olhar meio constrangido nesse dia, nada mais. Tinha uma mágoa bem nítida nos olhos dela, mas eu ainda relutava em acreditar que eu significava muita coisa para aquela menina. Eu só iria me tocar anos mais tarde que eu, apesar de estar fora dos padrões de beleza, recebia sim atenção do sexo oposto.
Agora avançamos 12 anos no futuro. Cá estou eu, perdido, olhando para uma mulher que teve um relacionamento tão tênue e tão profundo comigo ao mesmo tempo. Ela parou e entrou em uma loja de sapatos em frente ao ponto de ônibus para o qual eu estava indo e, mesmo pela vitrine, trocamos alguns olhares demorados. Eu queria chegar perto, eu queria dizer oi, eu queria chamá-la para jantar. Mas, no auge dos meus 30 e poucos anos, eu me senti um adolescente envergonhado de 17. E uma voz bem clara ecoava na minha cabeça: “você é casado, você tem um casamento muito feliz e você nunca traiu sua esposa e nenhuma das suas outras ex-namoradas. Você não vai começar a fazer merda agora”.
E se eu fosse dar um oi, serviria de quê? Requentaria um amor adolescente que provavelmente só faria mal a nós dois? Reviveria a mágoa daquele adeus decepado, sem dar a menor satisfação? Tudo isso só transformava minhas pernas em âncoras que meus olhos teimavam em ignorar. Ela saiu da loja e, pela primeira vez naquele fim de tarde, me olhou de forma direta. Sem aquela desviada de olhar que vem um par de segundos depois, sem aquela sensação de acidente ou constrangimento. Nos encaramos por um período que, me perdoem o clichê, parecia uma eternidade. Eu sabia que aquela era a minha deixa para chegar mais perto, mas eu não fui. Ela me deu as costas e sumiu na multidão, provavelmente para sempre. Meu coração ficou ali perdido, sem saber como era possível lembrar-se de tanta coisa em tão pouco tempo.
Sentado no ônibus de volta para a casa, as memórias vinham em atacado. O dia em que ela fez uma cópia do Hybrid Theory e me deu de presente de aniversário. A vez em que eu ganhei de um amigo meu um chaveiro do Nirvana e, quando ela foi pegar para ver, sem querer seguramos as mãos por uns segundos que pareciam compreender toda a história da humanidade. Quando levei meu discman para o curso e a gente escutou junto um álbum do System of a Down no ano em que lançaram Hypnotize e Mezmerize.
É triste a vida ser tão curta, eu concluí. Tem tanto amor para se viver, tanta história que poderia se escrita a dois que nós nunca vamos conhecer. Tanta coisa inesperada que acontece num fim de tarde sem propósito, tanta coisa que a gente deixa de perceber e que acontece porque você notou alguém no canto do seu olho. E eu, muito provavelmente, nunca mais vou vê-la. Se eu tivesse a oportunidade de reviver esse momento, eu não sei o que eu faria. Chamava para tomar um café e pedia desculpa por nunca ter falado que eu era perdidamente apaixonado por ela e que vivia um relacionamento conturbado com uma companheira abusiva, mas que a baixa auto-estima me impedia de agir? Diria que havia praticamente esquecido que ela existia nos últimos 10 anos, mas que bateu um misto de culpa e carinho enormes tanto tempo depois? Não acho que nada disso valeria a pena.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


2016.04.13 20:57 fiqueipassado [Update] Acho que a minha namorada me violou

Link do post anterior para quem não leu: https://www.reddit.com/portugal/comments/4egsh5/s%C3%A9rio_acho_que_a_minha_namorada_me_violou/
Antes de mais, obrigado a todos os que perderam tempo a comentar. O meu amigo que me aconselhou a postar neste site disse-me que eu devia fazer um update a esta história porque vocês iam gostar de saber o que aconteceu.
Algumas pessoas aconselharam-me a dizer-lhe o que eu tinha escrito aqui, então mandei-lhe uma mensagem no whatsapp a dizer que queria falar com ela pessoalmente e ela convidou-me a ir a casa dela. Eu nunca tinha ido a casa dela nos 4 meses em que estamos juntos. Só sabia que morava na zona da Foz do Porto. Eu disse-lhe que conseguia estar lá por volta das 20:00 e ela respondeu que era melhor às 19:30, porque depois ia jantar a casa dos pais. Eu disse que não havia problema e que lá estaria a essa hora. No primeiro mês em que começamos a conversar ela disse-me que morava na zona da Foz e eu pensei logo que ela devia ter pais ricos que lhe pagavam a renda, pois era impossível ela conseguir pagar uma renda naquela zona se ela só estava a estudar e não trabalhava. Depois ela contou-me que afinal a casa onde ela mora foram os pais que lhe compraram. Não sei muito acerca dos pais, só que estão reformados e que trabalhavam na área da ourivesaria. Às 19:25 estava a estacionar o carro perto de casa dela e aproveitei o tempo de caminhada do carro até à campainha para dar o ultimo treino no discurso que tinha preparado para lhe dizer. Chego à entrada, toco à campainha e nem cinco segundos depois, ela abre a porta. Antes que eu pudesse dizer alguma coisa, ela dá-me um beijo com tanta força que caímos os dois ao chão. Começa a pedir desculpa pelo que fez e diz que gosta muito de mim e não me quer perder. Eu fiquei um bocado abananado e disse-lhe que não estava à espera daquela reação e que tinha um discurso preparado, mas que com aquela receção da parte dela, já nem lembrava o que tinha para lhe dizer. Depois estivemos a conversar um bocado na sala e ela contou-me alguns pormenores da vida dela, nomeadamente que só começou a explorar a sua sexualidade quando veio para o porto, pois tinha crescido no seio de uma família muito religiosa e que eu era o primeiro namorado a sério dela. Disse-me também que em adolescente via muita pornografia e que se masturbava muito e que agora que tinha namorado, que queria recuperar tempo perdido. Eu disse-lhe que de certa forma percebia a situação, pois tinha uma história de vida parecida, mas não tão extrema, mas que isso não justificava a atitude que ela teve. Ela desculpou-se a dizer que achava que eu ia gostar, porque nos filmes que ela via, os homens pareciam gostar. Eu contei-lhe a história do médico que contei aqui e ela disse que se calhar era por causa disso que eu tinha medo. Ela depois abraçou-me e começou-me a beijar o pescoço e eu já sabia o que é que ia acontecer. Eu disse-lhe que ela se ia atrasar para o jantar mas ela não se importou. E o que se passou a seguir meus amigos, foi algo que eu não estava à espera que acontecesse. E não, não tem nada a ver com o meu cu. Basicamente e porque não me quero alongar nos pormenores, começamos a foder na sala e ela como é leve, peguei nela e começamos a foder de pé. Quando me começou a doer os braços, comecei a caminhar para o quarto dela, mas esqueci-me que tinha as calças nos tornozelos e caímos por cima de uma mesa de vidro que ela tinha no meio da sala. Resultado: a puta da mesa partiu-se em mil pedaços, eu cortei o joelho num pedaço de vidro e ela faltou ao jantar com os pais. Mas ainda estamos juntos.
submitted by fiqueipassado to portugal [link] [comments]


Minha empregada de 55 anos NUNCA TEVE UM CELULAR na vida ... Cenas do filme - Sex driver rumo ao sexo Testou a namorada e teve uma surpresa (T2) final DAy McCarthy Fala Mal do Bebê de Ticiane Pinheiro que está pra nascer Namorada Psicopata EXPULSOU a namorada GRÁVIDA! // Quartas-Reddit #15 - YouTube

twice got7 flertando com sua namorada

  1. Minha empregada de 55 anos NUNCA TEVE UM CELULAR na vida ...
  2. Cenas do filme - Sex driver rumo ao sexo
  3. Testou a namorada e teve uma surpresa (T2) final
  4. DAy McCarthy Fala Mal do Bebê de Ticiane Pinheiro que está pra nascer
  5. Namorada Psicopata
  6. EXPULSOU a namorada GRÁVIDA! // Quartas-Reddit #15 - YouTube

Bora fazer o que há de mais belo nessa vida... JULGAR AS AÇÕES DAS PESSOAS!! • Seja um MEMBRO: https://www.youtube.com/LubaTV/join • Envie seu MEME: http://w... Pois é, agora temos um novo membro na nossa familia hahaha o nome dela é Juci Mara, mas ela prefere que chamem de TURCA, foi um apelido que ela ganhou quando... Ian é um adolescente adorável que nunca teve uma namorada. Ele acredita ser o último americano virgem, até o dia que conhece Danielle pela Internet, uma menina bonita que parece gostar de Ian. Quem nunca teve uma ex grudenta que fez da sua vida um verdadeiro filme de suspense, que atire a primeira pedra. ERRATA: Roteiro escrito por Juliana Silva (adaptação de Douglas Freitas) Testou a namorada e teve uma surpresa esta é uma história baseada em fatos reais onde um namorado testa a fidelidade da sua namorada mas ele não esperava que fosse acontecer o que aconteceu ... William And Harry Have A Secret Stepsister – But There’s A Good Reason Why She’s Kept Hidden - Duration: 13:37. STAR NEWS 365 Recommended for you