Como tratar sua namorada

Vídeo: Como tratar bem a sua namorada!(Christina Perri- A Thousand Years) 5) dar-lhe espaço para tratar a sua amiga. Sim, ela é sua namorada e que não lhe dá o direito de interferir ou tomar todas as decisões relacionadas em sua vida. Lembre-se, ela também é uma identidade individual e você deve ajudá-la a mantê-lo. Muitas vezes, você está tão ocupado com sua vida que esquece a maneira como deve tratar sua namorada. As meninas gostam de se sentir especiais, como se fossem princesas. Esteja preparado para dominar as técnicas seguintes, assim que estiver com sua amada e ganhe pontos em sua reputação por tratá-la como a última das ... Não seja tímido com sua namorada! Isso a deixará insegura e desconfortável. Procure ser comunicativo com ela, com os pais delas, com os amigos e amigas. Regrinha PREMIUM. Agora você já sabe 10 dicas para tratá-la da melhor forma possível certo? Mas não esqueça, também, de aspectos muito importantes, como: Como Tratar Sua Namorada. Qualquer rapaz é capaz de ter uma namorada, mas é preciso ser homem de verdade para tratar bem uma mulher. Respeito, honestidade e um pouco de diversão são as regras do jogo quando se trata de dar à sua namorada o... Como Tratar Sua Namorada Como Uma Princesa. Uma namorada é algo precioso e que deve receber seu devido valor. Se você concorda com isso, trate sua namorada como uma princesa seguindo os Passos abaixo. Seja respeitoso e carinhoso. Sua... Meu pai dizia: “Trate sua namorada e as mulheres do mundo inteiro exatamente do jeito que você quer que tratem sua mãe e suas Irmãs”. Pronto, virou lema e a partir daí, nunca mais esqueci e, sigo isso todo dia, cada vez mais, porque isso é uma lição de vida, de quem me deu a vida…

A ignorância é uma bênção

2020.09.19 14:53 TezCalipoca A ignorância é uma bênção

A ignorância é uma bênção. Não sei se alguém já cunhou essa frase antes, mas cada vez mais consigo perceber o quão verossímil ela é.
Não me refiro a ignorância bruta, à forma humana agressiva e violenta, de tratar das coisas sem conhecimento. A ignorância de não saber o que aconteceu com o computador e tentar consertar através de golpes na máquina. A ignorância de um homem que é incapaz de compreender a liberdade e a independência de uma mulher e com isso, parte para agressões, como maneira de justificar a posição superior que supõe estar.
Falo de uma ignorância intelectual. De uma falta de interesse sobre o mundo. Até mesmo de uma falta de ambição. Uma despreocupação com o futuro, com o que se passa em Brasília, com qualquer outra coisa que não seja o agora. Grande parte da população brasileira (quiçá latino-americana) se encontra nesse âmbito da ignorância.
Essas pessoas não possuem grandes metas de vida. Normalmente, no caso masculino, a grande preocupação, o grande sonho, é possuir um carro. Não precisa ser um carro completo, não tem problema pagar 72 prestações de R$500,00. O importante é ter um carro para chamar de seu, que possa usar nos fins de semana, ou quando quiser “dar uma banda”, como se diz por esses rincões gauchescos.
Até mesmo o carro pode ser algo simples. Afinal, o Gol caixa de 1992 é estiloso. Esses homens, que denomino aqui como ignorantes (e veja bem, não me cancele antes de entender o significado e a razão pela qual uso dessa nomenclatura!) almejam, simplesmente, um carro. Trabalham suas oito horas por dia em fábricas, lojas, mecânicas, eventualmente escritórios, com seu salário em torno de R$1.700,00 por mês. Não precisam de mais do que isso. É o suficiente para pagar as prestações do financiamento, os boletos de água, luz, internet e da TV a cabo que não usa. Até consegue fazer sobrar um dinheiro para sair beber uma cerveja com os amigos no fim de semana, ou ir em uma “baladinha pegá as mina”. Ou para tornar esse texto mais próximo da minha realidade geográfica, “pra pegá muié”.
Qual é a meta desses homens, após conseguir seu carro? Investir em uma educação, para poder ter um emprego melhor e que lhe seja mais aprazível? Preparar-se para viajar para lugares diferentes do mundo? Abrir um empreendimento? Não. O homem ignorante não tem ambição, não tem a capacidade de planejar. Para ele, alcançado o seu sonho de ter um carro com 24 anos de idade, é hora de seguir com a vida.
Muitos passam mais alguns anos usando o salário para fazer investimentos. Mas não em ações, negócios ou educação. Investimento no carro. Rodas, som, estofamento de couro, qualquer coisa é suficiente para que o homem ignorante queira usar seu suado dinheiro para fazer seu Kadett 1988 ficar mais atraente, mais potente, mais bonito. Outros homens, porém, não sentem tanta atração assim pelo seu carro. Que fazem então com seu salário? Usam com sua namorada.
A namorada. A mulher. Todo homem ignorante quer ter uma companheira. Não significa que ele seja fiel a ela, ou que ele a ame de verdade. O mesmo talvez seja verdade para com a mulher. O homem ignorante quer uma mulher porque para ele, somente assim ele poderá ter uma família. Mas que tipo de mulher iria se interessar por esse tipo de homem?
A resposta é muito simples. A mulher ignorante. Assim como sua contraparte masculina, ela também não tem ambição, não tem metas, não tem planos. Findo o Ensino Médio, com sua gloriosa festa de formatura, momento mais alto de sua vida, onde está embebida do carinho (nem sempre verdadeiro) de suas amigas. Onde recebe elogios pelo simples fato de respirar. Onde sente que alcançou uma conquista deveras relevante – e que talvez realmente o seja, se considerarmos o contexto da mulher ignorante.
Após esse apogeu da sua juventude, a mulher ignorante segue o mesmo caminho do homem ignorante. Algum trabalho simples, com pouco esforço intelectual, em lojas, supermercados, eventualmente como secretárias ou recepcionistas. Ninguém quer lhe oferecer uma função melhor. Ela não quer uma função melhor.
Qual o sonho dessa mulher ignorante? Ao contrário do homem, não é algo que se materializa em um carro. É algo maior: uma família. Em cidades interioranas, a forte presença de ideários machistas ainda faz as mulheres sonharem em ter um casal de filhos e um marido, em um casamento onde dificilmente haverá amor. Mais justo dizer que há uma obrigação nesse casório. Não querem ter suas vidas, seus sonhos, seus projetos. Querem apenas um lar para cuidar.
É nesse momento que os dois ignorantes se encontram e assim, dão início a sua longeva vida como casal. Talvez se conheçam em uma festa genérica. Talvez se conheçam nas redes sociais, com uma conversa genérica. Talvez sejam apresentados por amigos em comum, também genéricos. Independente de tudo, os ignorantes se encontram e começam sua vida ignorante de maneira conjunta.
Aos poucos os filhos nascem. Normalmente os ignorantes querem um casal de crianças, para que o guri seja educado pelo pai e a guria pela mãe. Assim como seus progenitores, esses pequenos também serão ignorantes, também herdarão essa falta de ambição, de visão, de planejamento.
Mas não vamos nos adiantar. Antes, vamos analisar o casal ignorante. Muitas vezes as amarras machistas se mantem nesses casais, onde a mulher assume o papel de dona-de-casa, como isso função natural feminina. Mas existem casos – muito mais movidos pela necessidade material – onde ambos trabalham. De qualquer forma, a rotina da família é sempre a mesma. As crianças estudam, pai e mãe trabalham. Às vezes há a visita de familiares, primos e tios igualmente ignorantes. As férias, no máximo, consistem em viajar para uma praia. E durante todo o tempo, a família ignorante vai para a mesma praia e faz a mesma coisa. Sentam-se na areia olhando para o nada, bebendo cerveja e mexendo no celular. As crianças, como lhes é próprio da infância, aproveitam para brincar no mar. A imaginação faz com que qualquer grão de areia possa ser único e divertido à sua maneira.
Mas as crianças viram adolescentes. Adolescentes ignorantes. Não há um interesse em estudar, a maior preocupação são as fofocas dos amigos (e dos inimigos) e dar uns beijos, eventualmente. Pai e mãe não fazem essa cobrança dos estudos. Afinal, única coisa que importa é passar de ano. Para que exatamente, não se sabe, mas é importante.
Durante toda essa existência familiar, esse homem, essa mulher e essas crianças ignorantes não almejam nada que esteja fora do alcance. Talvez não saibam da possibilidade disso. São facilmente maleáveis pelos fluxos constantes da sociedade, em suas vertentes sociais e políticas. O pai não entende nada de economia, mas sempre dá sua opinião infundamentada sobre alguma coisa. Normalmente leva em conta o que alguém lhe disse em uma mesa de bar. A mãe, se quer se preocupa com esses assuntos. À mulher ignorante lhe interessa apenas a fofoca, a intriga, os assuntos mundanos próximos da sua realidade. O arroz está caro? Que pena, mas sabia que a tia da Neusa, que era casada com o Robson, agora se casou pela terceira vez, dessa vez com um paranaense?
E os adolescentes ignorantes? São esponjas de ondas políticas e sociais, nem sempre com boas intenções. Quantos por aí sequer abriram um livro na vida? Não possuem nenhum senso de cultura a não ser aquilo que a massa consome. Tom Jobim? Legião Urbana? Djavan? O que lhes interessa é o MC alguma coisa, a dupla sertaneja de nomes genéricos, no máximo alguma cantora pop de renome internacional, como uma Anitta.
Ainda assim, essas pessoas são felizes. A maior preocupação é o entretenimento. O homem ignorante só quer sair nos fins de semana com seus amigos beber cerveja, comer carne e assistir ao jogo de futebol. Mesmo depois de casado, sua maior preocupação continua sendo o futebol e uma eventual bebedeira com seus amigos. A mulher ignorante, mais limitada ainda, só se preocupa com a vida dos outros. Nada lhe deixa mais feliz do que se reunir com suas amigas para conversar sobre a vida das vizinhas. Não há satisfação maior na vida.
E aqui venho novamente dizer que a ignorância é uma bênção. Por quê?, talvez você me pergunte. Afinal, após toda essa crítica a esse lifestyle dos ignorantes, como posso afirmar que isso é uma bênção?
Certa manhã, estava eu, estudando, como tenho feito nos últimos meses. Após estudar o que havia planejado, decido ouvir um pouco de música. Minha criação não foi a mesma de uma pessoa ignorante. Desde criança, minha mãe sempre me incentivou a estudar. Quando eu tinha cinco anos, ela me comprou uma Revista Recreio. A partir daí, desenvolvi um grande interesse pela leitura, pelo conhecimento. Paleontologia, arqueologia, história, até mesmo a criação geológica do planeta, tudo isso me fascinava e me instigava a ir atrás de explicações, de respostas.
Mas estou divagando. Voltemos à música. Meu gosto musical, não sei como foi desenvolvido, mas é um tanto, digamos exótico. Sou um grande aficionado por estilos musicais que não são muito ouvidos pelos rincões do Rio Grande do Sul, onde vivi minha adolescência e meus primeiros anos como adulto. Tango, salsa, jazz, blues, bossa nova, só para mencionar alguns. É claro, não quero dizer que sou um erudito, até porque também gosto de ouvir estilos musicais mais populares.
O ponto que quero tratar aqui, é que nessa manhã, após os estudos, decido ouvir um tango, enquanto me arrumava para sair. A elegância e a qualidade musical me deixaram estupefato de maneira única e logo comecei a refletir sobre meu futuro e como adoraria, em alguns anos, visitar novamente Buenos Aires.
Logo que penso nisso, vejo o que tenho feito da minha vida. Quantas preocupações, ânsias, tormentos não tenho passado por conta do futuro? Em pensar se terei sucesso no que almejo? Não pretendo compartilhar meus sonhos, mas com certeza é algo muito mais grandioso (é claro que é relativo, mas me refiro no sentido de esforço) do que um simples carro.
Pensar em quanto eu e tantos outros, que estão fora dessa categoria de ignorantes, se preocupam com essas questões, me deixou reflexivo. Basta ver a quantidade de pessoas ansiosas no Brasil. Ansiosas por esses mesmos temores: será que terei sucesso? Será que conquistarei o que almejo? Será que vai dar tudo certo? Preocupações essas que os ignorantes não possuem. Afinal, a cerveja da sexta-feira é garantida.
É claro, os ignorantes ainda se preocupam em quem sabe perder o emprego. Mas normalmente, seus trabalhos não requerem muito esforço. Os ignorantes só querem receber o salário, sem se preocupar em buscar uma posição melhor, uma renda melhor.
Com isso concluo que a ignorância é uma bênção. A ignorância lhe permite ter uma vida feliz. Uma vida simples, sem variar muito, mas sem dúvida feliz. Uma vida protegida das hostilidades do mundo, uma vida abençoada, pela ignorância. Através desse véu que ilude e que engana, os ignorantes são satisfeitos.¹
¹É claro que existem inúmeras questões sociais em torno do que compõe os ignorantes. Educação fraca, ausência de ações sociais, pobreza, enfim. Mas o propósito desse devaneio, não é questionar esses problemas, ou sequer apontar as consequências dessa ignorância intelectual. É refletir sobre como a vida é simples para aqueles sem conhecimento. Se você considera como boa, ou ruim, depende de você.
submitted by TezCalipoca to desabafos [link] [comments]


2020.08.22 21:23 electricbr4in Você não é mau caráter por não acreditar em nada.

Assisti hoje a esse vídeo do canal "Cortes do Flow [OFICIAL]", onde Richard Rasmussen fala sobre a experiência dele com o chá de Ayahuasca.
Ali pelos 14:14, o Richard diz (com todas as letras) que "o homem mais perigoso é aquele que não acredita em nada (...) não é o cara que eu quero ao meu lado".
Quando ouvi esse cara falando isso, me senti mal de verdade. É como se minha empatia, minha lógica, minha educação e filosofia de vida não valessem absolutamente porra nenhuma. E sim, quando mexem com isso em um indivíduo, é como se você arrancasse a "alma" dele (para o melhor entendimento dos cristãos daqui).
Eu não acredito em nada, porque eu simplesmente não consigo acreditar e não porque "eu não quero" ou porque eu tenho uma "tendência a cometer o mal". Eu não sou um carro desgovernado, que passa por cima das pessoas sem dó nem piedade, eu não passo para trás meus colegas, meus amigos, meus parentes. Eu prezo muito pela minha família, até mais do que muitos cristãos que conheço, que vem vomitar moralismo religioso na cara dos outros feito um bando de hipócritas.
Só salientando que intolerância religiosa é prevista no artigo 20 da lei 7.716. (E sim, o fato do indivíduo "não acreditar em uma religião" também o inclui nesse artigo.) Ou seja, muito provavelmente o que esse canalha do Richard fez em alguns minutos de vídeo pode sim ser considerado um crime.
Mas houve comoção na internet para repreender esse cara ou sequer um processo criminal contra ele? Não. Ser agnóstico ou ateu nesse país é isso, é ser humilhado nas surdinas, é ser dado pouca importância ou absolutamente nenhuma. Nenhum grupo de lacradores ou mitadores escreve textão ou arranja briga na internet por nossa causa. Não bastando isso, quando falamos alguma coisa, somos vistos como os "arrogantes", os adolescentes mimados, somos o lixo da filosofia de vida.
Tudo isso somado a essa decisão do TSE, em que um pastor agora pode livremente usar de sua posição na igreja pra garantir votos sem que nenhuma restrição da lei aconteça, "ajudaram" a destruir minha semana emocionalmente. Meus parabéns.
Até que ponto vamos continuar normalizando esse discurso escroto nesse país? Até que ponto irão relativizar o estado laico, previsto na constituição? Vocês, ateus, estão esperando isso aqui virar um antro de fanáticos religiosos segurando um fuzil numa mão e uma bíblia na outra? Esperam explodir uma guerra civil entre igrejas evangélicas, pra decidir qual delas irá assumir o controle da tua vida? Sério, falem pra mim, o que vocês estão esperando pra começar a se organizar de verdade dentro e fora da internet? O aval do bispo Macedo?
Vocês não pensem que isso é um exagero e que isso está "muito longe da nossa realidade", meus amigos. A cada dia que passa, esse país se torna menos liberal e mais estupidamente obscurantista possível.
Você, ateuzinho, que acha que estou exagerando, experimenta tentar encontrar um(a) parceiro(a) que te aceite pelo que você acredita. Experimenta falar para os pais cristãos da tua namorada que você "não acredita em Deus", pra você ver se eles vão te tratar da mesma forma. Experimenta falar pro teu chefe, pros teus colegas de trabalho, para os teus colegas de faculdade/escola/curso, pra ver se você não será excluído, se não te tratarão com desprezo, se não servirá de chacota, de escárnio. Experimente colocar o teu filho numa escola pública que não imponha cristianismo pra ele desde cedo com "educação religiosa".
Se você nunca observou nada disso que eu te falei, meus sinceros parabéns, você é um privilegiado do caralho, uma exceção, um felizardo.
Meu sonho de vida já foi comprar um carro, uma casa e montar uma família nesse país, mas hoje, meu maior sonho é simplesmente ir embora desse buraco obscurantista medieval que se tornou o Brasil, nem que eu tenha que ser humilhado diariamente por ser um estrangeiro.

Aliás, se você faz algo bom porque teme a Deus, você não é uma pessoa boa.

E sinto lhe informar, mas se você estiver certo nas tuas crenças, você irá arder no fogo do inferno.
Isso é tudo. Abraço.
submitted by electricbr4in to brasil [link] [comments]


2020.08.08 03:59 SantoPraiano Acho que nunca fui desejado de verdade [texto meio grande]

bom resumindo eu só fiquei com duas garotas na vida, e só depois dos 18, a primeira foi uma gordinha bem bonita e simpática, e a segunda era uma parda bonita e "exótica" por causa do cabelo e estilo de roupa.
-mas o que me aflige? a primeira que fiquei foi meio afobada, dizendo que tava gostando de mim, msm que só tivermos ficado duas vezes, eu fiz o "certo" de forma bem escrota terminado o casinho com ela, eu não tava apaixonado por ela, e só fiquei pois estava frustrado por um bolo que eu tinha levado dias antes, além da pressão pra perder o bv ( tava quase com 19 anos).. Isso me afligia muito, ficava me sentindo um monstro mas 1 ano depois voltamos a conversar e ela me disse que é apaixonada pelo mesmo cara desde a adolescência, isso me mostrou que ela só ficou comigo por pura carência, que a rapidez da ascensão de sua paixão era puro fruto da necessidade de preencher o vazio que ela sentira após sua paixão não ser correspondida, mesmo que eu tivesse namorado ela, eu iria ser descartado com o primeiro homem "melhor" que ela arranjasse, ou quando ela recuperasse a autoestima e percebesse que não gostava de mim tanto quanto pensava.
-a segunda foi diferente, eu que me afobei, mas quando ficamos nos momentos em que estávamos conversando toda história tinha um ex, não se se era o mesmo ou vários, eu me irritei em certo momento, mas guardei pra mim, mas uma hora ela começou a falar mal da namorada do amigo dela (agr ex) , ela a descrevia como sem sal, mas isso não faz sentido pelos valores que ela tinha (feminista) assim percebi que ela era muito apaixonada por ele, nem sei como demorei pra perceber era algo tipo "ele preferiu ela ao invés de mim" e era tão óbvio os contatos físicos até olhar dela, as vezes flertavamos no domingo, e segunda ela nem olhava pra mim, eu insisti pouco e desisti, também percebi que ela ama e-boy, magrinho e cabeludo, essa era claramente essa preferência dela, e eu sou bem o contrário, gordo e to ficando calvo, (quero tratar isso tenho apenas 20 anos) assim percebi que ela só vinha em mim quando não tinha atenção dele, quando ela superou foi a outro com o mesmo perfil, se dizia apaixonada, eles terminaram e ela veio a mim, me lembro que no ultimo dia de aula eu ia me despedir dela, mas ela olhou pra mim e foi conversar com ele, naquele momento fui embora bem triste quase chorando, silenciei ela em todas as redes sociais, pois me matava ver ela dando amei em fotos de caras com um corpo que mal é possível pra mim, e com muito cabelo que já começa a faltar na minha cabeça, só vejo a miniatura dela mudando no chat do facebook, um tempo depois ela deu mach com um amigo meu no tinder(ele se encaixa como eboy), ele me mandou print, ela foi bem "atirada"(não acho isso ruim antes que venham militar), o elogiando e já querendo marcar algo, coisa que ela não fez comigo, ele não ficou com ela respeito a mim já que sabia sobre minha paixão, perdemos o contato de forma gradual com ela respondendo pouco e só me chamando pra desabafar algo e depois sumir por meses, não posso reclamar muito pra não ser "emocionado"
Isso tudo me entristece, saber que se elas estivessem bem consigo mesmas, com autoestima razoável, elas nunca olhariam pra mim, nunca sequer pensariam na ideia de me beijar, pois teriam coisa melhor pra pegar..
submitted by SantoPraiano to desabafos [link] [comments]


2020.08.05 16:01 LiviLuthorDanvers Ex namorada abusiva ainda se acha o amor da minha vida

Ok, pensei muito antes de mandar isso aqui, mas uma história dessa não deve ser desperdiçada. Então, por favor façam essa história chegar no Luba, pelo amor de Rao
Bora lá. Olá, Luba, editores, gatas, falecidos papelões, possível convidado and turma que está a lever.
Contexto da história: minha ex terminou comigo de uma forma muito escrota, descobri que ela ja estava noiva de outra garota, ela me disse que eu era doente por amar tanto ela e que eu precisava me tratar. Tinha bloqueado ela meses atrás, mas vieram me falar que ela precisava falar algo muito importante comigo, então eu desbloqueei ela. Agora bora pra história, irei transcrever a conversa aqui.
Ela- **** Preciso conversar com você. Ai mas como está?
Eu- Bem e vc? Sobre o que quer falar?
Ela- Muito mal. Mas acho que isso não ti interessa
Eu- Vdd, não me interessa. Então... O que quer falar?
(Duas horas depois)
Não tenho tempo pra mistério. Não quero ser grossa, mas vc sabe o que fez, o que falou, então não vamos fingir que somos amigas, certo?
Ela- Não ti preocurei pra brigar. Comigo ficaram guardadas momentos lindos do nosso romance. Serio, não imaginei que depois de tanto tempo você voltaria me tratar com cinco pedras na mão. Bom dia!
Eu- Olha... eu não vou nem comentar. O que vc queria falar?
(Três horas depois)
Olha, eu vou dormir. Quando eu acordar espero que vc tenha dito o que vc quer tanto falar comigo. Como ja disse antes, não tenho tempo pra mistério.
Ela- Olha meu amor. Não fale desse jeito comigo okay? Do jeito como me trata, me deixa sem forças pra falar o porquê ti procurei. É uma pena ter gastado o seu tempo a toa Tenha um bom dia. E esqueçe o que ia falar. O seu clima comigo não ajuda.
Eu- Só fala o que vc quer tanto falar.
Ela- A gente se fala quando estiver disposta em conversar comigo.
Eu- Só fala logo. Para de rodeio. Quanto mais mistério vc faz, mais irritada e sem paciência eu fico.
Ela- Você ainda está magoada comigo?
Eu- Sim.
Ela- Gostaria que me perdoasse. De todo o coração. Com toda a sinceridade 😔
Eu- Era sobre isso que vc queria falar comigo?
Ela- É o começo pra poder dizer o que tenho a falar. Mas é importante a sua resposta.
Eu- Certo... Vc tem o meu perdão, pq não quero ficar remoendo isso pelo resto da minha vida.
Ela- Obrigada se é que o seu perdão é sincero. Não quero mais perder a ligação com você. Desde que você me deixou, não sou mais feliz. Sonho com você todas as noites como antes. Pra mim é importante ti falar disso.
Eu- Ta bom. Mas onde vc quer chegar? Humm. E o que vc quer que eu faça em relação a isso? Ja te dei o meu perdão.
Ela- É tudo que queria falar pra você. Que você ainda vive em mim. Eu estou doente de saudades de você. Mas entendo se nao quiser saber mais nada de mim. (Ela mandou um áudio dizendo que talvez esse ano poderia vir para o Brasil e que quer me conhecer)
Eu- Olha, não quero ser grossa, mas não quero me encontrar com vc, não quero te ver. Estou muito bem com a minha namorada e não quero que isso seja abalado por um fantasma do meu passado.
Ela- Tudo bem. Fantasma. Hum ok. Posso ligar pra você? Me liga quando puder.
Eu- Estou ocupada agora.
Ela- Tá. Ainda vai me ligar?
Eu- Minha namorada está aqui em casa. Estou ocupada.
Ela- Está bem! Tranquila, eu super entendo. Sem problema.
Dois dias depois
Ela- Mulher, preciso ti ouvir. Você se esqueceu que sou amor da sua vida? Nem essa garota, nem o tempo vai mudar os meus sentimentos por ti.
Eu- Não é mais. Vc perdeu esse posto quando me tratou daquela forma, vc perdeu toda e qualquer chance de voltar a ter algo comigo quando me tratou assim. Deixei isso bem claro
Ela- Eu não perdi nada amor. Apenas eu era imatura e precisava me organizar e entender o que realmente queria. Eu quero ti amar como nunca. Não me negue.
Eu- Não Me Chama De Amor Vc perdeu por ser imatura, por se comportar como uma mimada que achava que poderia usar as pessoas e descartar quando não serviam mais.
Ela- Chamo e repito. Amor da minha vida. Por favor ****, Eu nunca descartei você. Você me deixou e sumiu do meu coração que tanto se completava por você. O meu coração e eu, sentimos a sua falta.
Eu- É, vc não me descartou. Só me chamou de doente e disse que eu precisava me tratar. Ahhh disse também que ficou comigo por pena. E como cereja do bolo a sua noiva ainda me chamou de câncer. Vc quer mais?
Ela- Sim, quero você. Eu não estou mais pra perder tempo sendo que a minha felicidade é ao teu lado. Me deixe conhecer o mundo de mãos dadas com você por favor😔
Eu- Isso vc nunca mais vai ter. Olha, não quero entrar nessa discussão de novo. É melhor cada uma seguir o seu caminho, eu não sinto mais o mesmo por vc. Sinto muito por isso, mas é a vdd. Eu não amo mais vc, Cals. Encontre alguém que ame vc, que queira ficar com vc e nunca magoe essa pessoa, nunca faça ela sentir o que eu senti quando vc falou tudo aquilo.
Ela- O problema é que você nunca me amou, e nunca sentiu nada por mim. Foi daí que tudo acabou. E se estou aqui, não é porque não deu certo com a **** É por amor puro mesmo.
Eu- Por favor, não me mande mais mensagens. Não quero ter que bloquear vc, se caso vc venha mesmo para o Brasil, não me procure. (Mande um áudio pra ela dizendo que não amo mais ela, que estou feliz com a minha namorada e que não quero mais ela na minha vida)
/Nota: coloca uma música triste/
Ela- Não me fale de amor se bem que não tas mais disposta em me dar. O amor que carrego no peito, não é algo simples entendeu? Você sabe e sempre soube que és a minha pessoa preferida. Ai como queria poder dizer o quanto eu te amo sem usar apenas palavras. Só que algum dia eu dê esse amor alguém que não o merece tanto quanto você. Mas eu não quero mais ninguem a não ser você.. E saiba que está me traindo com outra. Ó meu Deus, que dor💔😔
Eu- Te traindo? É sério isso?
Ela- Serio. E eu aqui morrendo de amor por ti e me fala de outra Sim, você com outra.
Eu- Vc diz tudo aquilo, parte o meu coração, destrói o que restava da minha auto estima e tem a coragem de dizer que eu te trai?
Ela- Você está me traindo com outra. Meu Deus do ceu. Mulher, como pode?
Eu- Olha... eu não te trai E nós não temos mais nada. N A D A Então, só para com isso. Eu sabia que vc não queria só o meu perdão, sabia que de alguma forma ia quer que a gente voltasse (Aqui eu já sabia que daria uma boa história)
Ela- Eu não ti quero distante de mim ok? Bloquear um amor, não é uma opção sábia O que você sente me ferindo? Eu não ti desejo felicidades com outra pessoa porque eu quero você.. Você é minha mulher. Volta pra gente Porque sabe o quanto te amo e ti quero comigo. É demais como fiquei implorando pelo o seu Amor.. Não irei ti forçar, não irei mais insistir na gente. Que seja o que Deus quiser. Não serei a primeira na vida. Isso acontece🙏
Eu- Assim como eu implorei o seu.
Ela- De tudo que você falou pra mim, e de como falou, revela que não me perdoou. Quem perdoa esquece, e não volta remexendo o mesmo. (Realmente, só falei aquilo pra ela não encher mais o saco)
Ela- Não largue nada da sua vida. Definitivamente quem vai embora sou eu. Não sei mendigar ou implorar por amor. Por tanto, pra ti fazer acreditar que também mudei e sou decidida, irei sumir de vez. Ti juro que não irá mais saber de mim. Que o meu sumisso seja motivo de felecidade eterna em sua vida.
Eu- Olha, essa conversa ja durou tempo demais. Tempo esse que eu poderia está conversando com a minha namorada ou fazendo algo melhor que revirar o passado. Eu não te desejo mal, Cals. Só desejo o melhor pra vc, que vc encontre alguém que te ame. Certo, então é isso Vc vai seguir a sua vida e eu vou seguir a minha. É uma pena tudo ter acontecido dessa maneira, mas não dá pra mudar o passado. Realmente te desejo o melhor e que vc fique bem, que encontre quem te ame de verdade pelo o que vc é e não pelo o que vc tem
(Depois ela rearfirmou que iria sumir da minha vida e tudo mais... e no outro dia mandou um oi, ai levou block. Minha paciência acabou)
submitted by LiviLuthorDanvers to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.30 04:00 AoiLucet Meu estranho ex namorado

Olá Luba, gatas, editores e turma/chat/galerinha do fundão
Minha história começa no meio de 2016 q foi quando eu conheci o Carls, um garoto otaku e estranho que estudava com um dos meus melhores amigos no turno da tarde. Eu conheci ele na hora da saída por meio desse meu melhor amigo, conversamos sobre animes e tals e logo nos tornamos amigos
No ano seguinte(2017), acabamos por estudar juntos e como ele era a pessoa mais amistosa comigo na sala, ficamos mais unidos ainda e ele começou a falar mais sobre coisas pessoais. A primeira coisa assim foi sobre sua namorada q tava ignorando ele, mas n era tão simples assim, o garoto insistia em ir na escola dela e esperar em baixo do sol as vezes quase tendo insolação só para tentar falar com ela, eu achei isso bem estranho mas relevei(umas semanas dps descobri q na vdd eles tinham termindado). Um tempo depois ele me disse que tinha múltiplas personalidades e eu boba como era, acreditei, e ele costumava interpretar cada personalidade como uma emoção e tals e já até chegou a falar q uma delas estava matando ele aos poucos o q me deixou bastante preocupada na época. Nessa mesma época ele falou q quando era mais novo tinha abusado e sido abusado por pessoas de idades próximas da dele. Mano, era td mt bizarro, mas sempre tratei ele normal e tals, sempre relevando esses assuntos (eu pensava q mts das coisas era mentira, mas sla)
Uns meses depois, quase no meio do ano, ele falou q o bagulho das múltiplas personalidades era mentira (Ah jura?), e q ele n tinha só falado para mim mas falou para várias pessoas, eu fiquei realmente mt bolada com ele e até deixei de falar com ele por uns dias, dps d um tempo ele pediu desculpa e falou q revelou a verdade para as outras pessoas também e disse que eu era a única que ainda falava com ele
Esse assunto passou e acabamos nos aproximando mais e namorando, ele foi meu primeiro namorado (e até agr o único) e eu não sabia direito meus sentimentos e tals, mas acabamos ficando junto, dps d um mês eu decidi terminar e tals, mas ele acabou insistindo para ficarmos mais um tempo para q o tempo q ficamos juntos n fosse irrelevante dps, então no final ficamos uns 2 meses e meio saindo e dps acabamos ficando numa amizade colorida até o final do ano. Durante esse tempo ele sempre falava d gostar d manipular conhecidos dele (mas q nunca faria cmg e tals) e as histórias de abuso. Basicamente minha resposta para td era "vai se tratar num psicólogo e tals" e ele sempre falava q os pais dele n ligavam e tals e isso sempre me deu mt pena. Teve uma época q eu basicamente tinha q falar td q ele tinha q fazer, parecia q ele tinha virado depende d mim o q me deixou bastante preocupada pq parecia q ele n ligava pro q poderia acontecer consigo mesmo
No recesso de final d ano, eu e ele paramos d nos falar com tanta frequência e eu comecei a pensar em td q aconteceu e td q ele falou e comecei a me sentir mal e tals, então decidi excluir ele d minha vida, mas para n ser mt cruel(mais dq eu já estava sendo) e tals, eu mandei uma mensagem explicando td, como eu me sentia e q eu preferiria q fosse assim, bloqueei ele em tds as redes sociais (pouco tempo dps ele apareceu em alguma conta me pedindo para eu desbloquear ele pq ele n gostava de ser bloqueado). No ano seguinte, eu ignorei ele quase q completamente o ano inteiro, só n foi o ano inteiro pq como eramos ex namorados e ele naquele ano estava agindo mt estranho, sempre tentavam perguntar para mim sobre ele(mas ele nem tentava falar cmg, o q tornou mais simples), apenas na recuperação do final do ano q ele tentou conversar cmg, mas eu continuei o ignorando
Pra vcs terem noção, nesse ano (2018) ele saía no MEIO da aula para tomar café na sala dos professores, ou andar pelo pátio, além de ter bombado em todas as matérias precisando de +10 pontos. Por conta dessas ações dele, varias vezes professores, colegas e até a diretora vieram me perguntar se ele tinha um problema psicológico ou se tinha algo errado
Eu sei q é egoísta e tals, mas esse ano, foi complicado para mim tmb, as poucas pessoas q falavam cmg sairam e meus amigos da outra turma gostavam mt do carls e passavam mt mais tempo com ele e se ele aparecesse, eu teria q ignorar ele e sair do local, pq eu sentia q se eu tentasse falar qlqr coisa, eu ia esquecer td e voltaríamos como éramos antes
Em 2019 eu mudei d colégio e só vi ele algumas poucas vezes q foi quando eu tive q ir até a minha antiga escola
Ele chegou a conhecer alguns amigos meus e tals(quando estávamos juntos), mas sempre q me perguntavam (na escola ou n), eu preferia n dizer sobre o motivo q eu ter excluído ele da vida. Pelo menos até hj, já q eu tô postando a história (q eu sei q tá mt bugada) aq no reddit
(Ah, em 2016 eu tinha 12 anos e ele 15, ambos estávamos no 8° ano)
Eu sei q fui babaca por ter ignorado as coisas q ele falou e dps ter parado d falar com ele, masenfim tô preparada para se cancelada
submitted by AoiLucet to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.16 20:44 prmoreira23 Imperialismo Flamenguista

Boa tarde pessoas,
Sou corinthiano e minha namorada é flamenguista. Ontem ela comemorava o justamente conquistado título carioca do Flamengo dizendo se tratar da maior torcida do mundo.
Naturalmente essa afirmação doeu em meus ouvidos alvinegros. Sempre achei estranho que um clube de um estado com menos de 20 milhões de habitantes pudesse ser a maior torcida do país.
Por favor, não me levem como referência de corinthiano. A Fiel não está nem aí para o tamanho da torcida de outros clubes, está dedicada demais a torcer pelo Corinthians pra se importar com isso. É minha mesquinhez que me move para fazer a análise a seguir que espero ser interessante. Pago com minha dignidade o preço de levantar dados para a conversa.
Queria saber: De onde vem tantos flamenguistas? Será possível que exista um processo colonial imperialista carioca que absorve o povo brasileiro e destrói as raízes de clubes locais buscando ganhar o titulo de maior torcida do país?
Pesquisei os dados nacionais e locais para definir o tamanho das torcidas do país. Optei pela pesquisa do Datafolha de 2019 [1] por apresentar uma boa metodologia. Infelizmente ele apresentava os dados em regiões ao invés de estados. Já perdemos aí uma nuance da distribuição geográfica. Mas deve ser suficiente.
Para transformar a participação percentual de cada clube na torcida da região em participação percentual de cada região na torcida do clube transformei os dados percentuais em números absolutos usando dados do IBGE do tamanho da população em cada região [2] para definir o tamanho da torcida em cada região para definir sua participação no total.
Defini minha amostra como as 10 maiores torcidas do país segundo a própria pesquisa (a saber: Flamengo, Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Vasco, Cruzeiro, Grêmio, Internacional, Santos e Atlético Mineiro) e fui ver sua % local de torcedores:
Considerei os 4 clubes com maior percentual de torcedores locais como fortemente locais, Cruzeiro (84%), Grêmio (82%), Internacional (80%) e Atlético Mineiro (>90%). Todos com mais de 80% da sua torcida na região do clube
Não temos clubes com participação local entre 60-80% (chamaria de locais)
No meio do caminho (40-60%) temos 5 clubes. Como temos metade da amostra e o intervalo 40-60% inclui o 50% decidi dividir o intervalo para clareza
Semi-locais Entre 50% e 60%: Corinthians (54%), São Paulo (58%) e Santos (56%)
Semi-imperialistas Entre 40% e 50%: Palmeiras (49%) e Vasco (42%)
E por fim vemos o clube mais imperialista. Um clube que mantém vastas colônias pelo Brasil sacrificando o futebol local num altar na Guanabara para poder se manter como a maior torcida do Brasil. Um clube que não teria nenhum problema em sequestrar filhotinhos de doguinhos só por diversão [carece de fontes]. Um clube que simboliza literalmente toda a crueldade como quando deixou o River Plate achar que ia levar a Libertadores de 2019 até os 5 minutos finais:
Imperialistas (20-40% torcida local): Flamengo (35%)
Assim o quadro do imperialismo flamenguista se pintou diante de mim e eu não posso ficar calado diante de tamanha injustiça. Acredito fortemente que corro risco de vida – não pela torcida do Flamengo, mas pela minha namorada que lê este texto enquanto o posto aqui.
A vida nunca mais será a mesma depois desses dados. A minha, no caso.
Quando corrigimos o ranking excluindo as colônias dos clubes o ranking das 10 maiores torcidas se altera. Corinthians passa o Flamengo (15.9mi e 15mi), São Paulo se mantem (9.7mi), Cruzeiro e Grêmio ganham posições (7mi e 6.8mi) do Palmeiras (6.1mi) e vemos o Atlético-MG (4.4mi) ajudar no despencar do Vasco e Santos (3.5mi cada).
Porém ainda não consigo aceitar que o Flamengo, um clube do estado do RJ (17mi de habitantes) possa ter tantos torcedores. Certamente o Espirito Santo (4mi) é refém das garras coloniais do famoso clube de regatas. Porém isto cai no ponto cego dos meus dados – não encontrei dados por estado coletados sob uma mesma metodologia.
Trago-lhes Conhecimento. Sou a tocha da caverna do Platão que joga luz sobre o imperialismo flamenguista que tenta projetar sombras de maior torcida do país – mas vocês podem hoje ver que o consegue às custas do futebol local regional.
REFERENCIAS
[1]Time de Preferência, Instituto DataFolha 2019 http://media.folha.uol.com.bdatafolha/2019/09/17/77975ecbd43522f8fe59b29b8f93d09atdp.pdf Acessado 16/07/2020
[2] Lista de Unidades Federativas do Brasil por população, Wikipedia https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_unidades_federativas_do_Brasil_por_popula%C3%A7%C3%A3o#cite_note-IBGE_POP-1 Acessado dia 16/07/2020
submitted by prmoreira23 to brasil [link] [comments]


2020.07.05 10:21 gf_rdp Minha vida está na mão de imbecis.

Desculpa pelo post, desculpa pela agressividade, porém eu não aguento mais. Eu preciso conversar com alguém, nem que sejam apenas palavras em uma mídia social.
Um pouco de background. Tenho 18 anos, moro com minha mãe, meus avós e minha prima. Não quero passar como arrogante ou moralmente superior, porém eles são o que são, completos imbecis. Minha família sempre foi totalmente desligada de ciência, estudos, vida acadêmica, etc, preferindo ficar do lado da televisão, religião e teorias da conspiração. Graças a alguém desde cedo e sempre gostei de ler e acho que isso foi o principal responsável por me introduzir um pensamento científico. Nunca vi nenhum deles pegar em um livro, sempre fui ridicularizado por gostar desse tipo de coisa.
O começo da quarentena já mostrou como a luta iria ser difícil, a família se mostrou totalmente contra máscaras e quarentena, chamando isso de "ditadura" (adivinha que elogia a real ditadura), sendo assim o desgaste necessário para manter esses desgraçados em casa foi insano. Além de ter que ficar policiando eles 24 horas por dia, tenho que aguentar as incontáveis discussões, faltas de respeito, ofensas por ficar "contra a própria família".
Meu Avô foi na Caixa 2 vezes essa semana (semana passada), foi na feira comprar fruta uma vez, foi no atacadão uma vez, foi comer no Subway, e comprar e tomar cerveja conversando no mercado. Quando tentei argumentar com ele, ele ameaçou quebrar minha cara e me chamou de viadinho. Minha mãe só consegue defende-lo, também sai inúmeras vezes com suas Amigas para cá e lá, e fica puta quando chamo sua atenção.
Antes que você crie uma ideia errada sobre mim, achando que eu faço de tudo pra proteger ele, saiba que é o contrário, eu quero que ele se foda. Meu avô é talvez a pior pessoa que eu conheço. Ele se orgulha de ter sido torturador durante a ditadura (até guarda lembranças dos "subversivos"), é agressivo e abusivo com minha vó (um doce de pessoa que foi condicionada por uma família escrota a aceitar esse tipo de atitude), nos afastou de todo o resto de nossa família por conta de brigas idiotas, abusou psicologicanente da minha mãe a ponto dela desistir da careira Dela pra cuidar dele, repetidas vezes agrediu minha cadela a ponto de eu ter que doar ela (te amo, Amora) etc. Não me julguem, porém se ele morresse hoje eu tenho certeza que não choraria, porém não posso garantir que não ficaria feliz.
Todos os dias é uma luta, eu já acordo deprimido, sabendo que o dia vai ser desgastante e que minha família Vai se afastar um pouco mais de mim. Eu não aguento mais essa merda toda. Eu tenho diversos problemas de pulmão, fumei e fui viciado em maconha por quase todos os dias durante mais de um ano (16-17), tenho cicatrizes no tecido pulmonar e função pulmonar reduzida. Eu moro no DF, estado onde o governador disse que iria tratar o COVID como gripe, que não iria comprar respiradores (mesmo já estándo com 90% dos leitos ocupados) e ao mesmo tempo está sendo investigado por corrupção (quem diria). Devido minha condição financeira eu não sei se vai dar pra pagar um tratamento particular, eu já consegui juntar 600 reais desde o começo da quarentena, mas isso é longe do necessário.
Só agora eu percebi o quanto o desespero pode mudar uma pessoa. Sou ateu desde os 12 anos, quando comecei a ler Sagan, porém me peguei algumas vezes tentando me comunicar com algo superior, não sei até que ponto isso é fé ou só necessidade de conversar com alguém.
Eu cheguei a um ponto que eu simplismente desisti. Eu aceitei que nunca vou ter uma família, que nunca vou ter uma namorada, que nunca vou ter amigos do peito, que nunca vou conquistar algo na minha vida, que nunca vou mudar o mundo para melhor, que nunca vou ser lembrado por algo, que nunca vou viver um romance, que nunca irei encher alguém que me ama de orgulho. Eu passo o dia deitado na cama, fantasiando como seria bom se eu tivesse uma família, mulher e filhos que me amassem e me respeitassem como igual. Passo o dia pensando em todas as meninas que eu me apaixonei platonicamente e que nem vão se lembrar do meu rosto quando eu morrer, eu fico imaginando como seria se nós nos apaixonássemos e vivessemos uma vida linda, eu penso no tanto que eu poderia aprender com elas e elas comigo. Eu sei que é brega (e coisa de "viadinho", de acordo com o filho da puta), mas isso me ajuda a lidar com a situação. Pelo menos eu tenho um alívio momentâneo de toda essa merda. Reparem que eu disse momentâneo, pois quando eu percebo que todas essas lindas ideias nunca irão acontecer, tenho vontade de morrer.
É engraçado, eu arrumei um jeito de me enfiar em uma depressão fudida nos últimos 2 anos (a maconha com certeza foi um fator), ela estava melhorando antes da quarentena, porém eu me lembro de várias vezes ao dia pensar o quanto eu queria morrer, ficar imaginando se as pessoas sentiriam minha falta ou se sentiriam culpadas quando eu explodisse minha cara. Agora, quando eu estou a beira de uma doença mortal, eu não consigo parar de me agarrar a vida. A natureza humana é curiosa.
Hoje eu tive um pesadelo, eu sonhei que estava andando de carro com meu avô, e quando estávamos entrando na rua passou um carro do nosso lado com um homem de meia idade tossindo muito, meu vô desacelerou e ficamos um tempo com os carros lado a lado enquanto ele tossia. Nesse momento eu fiquei desesperado e sabia que tinha pego o Covid, a parte mais estranha do sonho é que meu vô pareceu se sentir culpado. Agora eu acordei, 4 da manhã, suando frio, e percebi que as luzes do quintal estavam acessas e que o carro da minha prima não estava aqui, perguntei para ela onde ela tinha Ido e a maldita está em uma festa de música eletrônica. Isso mesmo, querido amigo, minha priminha foi para o RAVE, enquanto eu estou a quatro meses dentro de casa para protege-la.
Eu tenho muitos arrependimentos, mas nenhum deles chega perto de se comparar com o maior de todos. Quer saber o que é? Ser tímido. De todas a s merdas que eu já me meti, a que mais me arrependo é ser tímido. Talvez se eu tivesse sido popular, tivesse sido esportista, tivesse sido engraçado e prazerosos de se estar perto, talvez eu teria aproveitado minha vida até aqui, talvez eu tivesse amigos que me amassem e se importassem comigo, talvez eu tivesse vivido um amor. Meu aniversário passou a alguns meses, e ninguém lembrou... Nem umzinho parabéns... Nada... Os únicos que lembraram foram os da minha casa, após minha mãe convenientemente lembra-los durante o café da manhã. Isso me deixou completamente fudido, dói até hoje... Se eu tivesse que fazer tudo diferente eu teria feito. Não teria passado os últimos dois anos enfurnado dentro do quarto, fumando maconha para me imaginar como grande, para esquecer o quanto eu me odeio e me envergonho de mim mesmo toda vez que eu boto o pé para fora de casa. Esses dias eu sonhei com uma menina chamada Isabelle, foi um lindo sonho, porém quando acordei a realização de que foi tudo Fantasia foi a pior de todas, desde então prefiro ter pesadelos, é melhor acordar e perceber que nada foi real.
Sinceramente, eu só queria alguém para conversar (sem propostas, gente), alguém para poder abrir meu coração e falar como me sinto e me senti nos últimos anos, alguém que possa eu possa olhar nos olhos e saber que Ali existe amor e compaixão...
Se eu for infectado eu posto uma atualização, se eu sobreviver também. Desculpem pelo desabafo adolescente, porém essa horinha que eu tirei para escrever, ajudou a me acalmar. Cuidem da família de vocês, gente. Por pior que eles sejam, eles podem ser tudo que vocês tem, obrigado pela atenção.
submitted by gf_rdp to brasil [link] [comments]


2020.06.24 22:52 anaa3009 Sou babaca por não falar mais com meu primo por ele terminar com a namorada dele?

oi lubisco, editores maravilhosos e turma que estar a ver. Vim contar esse barraco que aconteceu na minha família no íncio do ano. Eu vou contar na versão minha e de minha prima pq nos éramos as mais próximas desse primo(ele tem 26, minha prima 21 e eu 15 e msm sendo mais nova eu sempre fui muito próxima deles principalmente por esse primo ser meu vizinho) eu gostaria de intitular essa história como: Também quero agredir ela, mas deixo pra você
A história começa quando meu primo estava namorando uma garota, vou chamar ela de Carls, e eles namoram desde que eu me lembro, tanto que eles estavam noivos(o namoro deles durou uns 8 anos). Mas antes do casamento eles decidiram criar um cantinho so pra eles então meu tio deu um terreno pra eles e lá eles começaram a construir sua casa. Desde sempre minha mãe e eu éramos muito amigas da Carls, pois ela já foi assistente da minha mãe e brincava comigo a uns anos atrás. A história começa no fim do carnaval quando eu e essa prima minha vimos umas fotos e publicações estranhas desse primo, logo criamos a teoria de que ele é a Carls haviam terminado. Não muito tempo depois, descobrimos que eles realmente haviam terminado. Eu e essa prima achamos que foi por traição(por conta de umas publicações dele, foi mt estilo FBI) mais descobrimos que foi algo bem pior. Descobrimos que esse primo pediu um tempo com a Carls, literalmente nos últimos dias do carnaval e logo depois saiu em um bloquinho com seu irmão mais velho e lá ele tinha se encontrado com outra garota e ficado com ela. Assim, descobrimos algumas coisas, no últimos(pelo que sei até agr) 3 anos de relação, ele estava traindo a Carls e enganando ela, fazendo ela pagar viagens e até coisas sobre o terreno da "casa" deles. Para piorar minha tia sabia e estava encobrindo tudo, o que gerou muita briga. Como disse, a Carls era muito amiga minha e da minha mãe então ela veio aqui em casa e explicou tudo, um dos amigos do meu primo contou tudo pra ela é mostrou provas também, depois disso meu primo até tentou reatar o relacionamento mas obviamente não deu certo. Rolou muita briga pois ela tinha gestado muito dinheiro com ele e agora ele teria que vender o carro pra conseguir pagar. Achamos que tudo tinha se resolvido, meu primo já não participava das festas em família e hoje ele faz festas ignorando a quarentena(mesmo morando ainda com os pais). Mas agora eu e minha prima não sabemos o que fazer pois a amante mais antiga dele, que ele estava namorando desde o fim do ano passado( e que sabia que na época ele namorava a Cals) agora e sua atual namorada. E óbvio que eu como amiga da Carls já não gostava da garota mas tentei ser simpática mesmo assim, tentei puxar assunto sobre livros, séries e filmes que são as coisas que mais amo e ela simplesmente não gostava de nenhum, cheguei a puxar o assunto de carros antigos que e um assunto que eu,meu pai e meu primo amamos e mesmo assim ela não conversava e não mostrava interesse nenhum de conhecer o resto da família. Eu realmente não quero ser grossa então comecei a só dar um "oi" ir embora pq estar perto deles era muito desconfortável, e essa prima minha está decidida a partir pra agressão se necessário(o que ainda não aconteceu graças a mim, por isso acho a garota muito sortudade de não conhecer ela ainda). Meu pai acha essa nossa atitude muito babaca e acha uma falta respeito(sim, nisso tudo meu pai estava do lado do meu primo) e por isso era pede para que a gente trate ela igual a Carls o que é impossível para mim e para minha mãe e minha prima. Essa foi a história lubisco e turma e desculpa pelo texto longo e me ajudem, sou babaca por ignorar eles e não tratar ela igual a Carls?
submitted by anaa3009 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.22 02:52 coracaodetrouxa Os "deveres" de uma relação.

MiNhA PrImEiRa VeZ AqUi
Olá Luba, editores, turma que está a ver e finados bonecos de papelão.
Seguinte, a história começa logo após que eu e minha namorada tivemos nossa primeira relação sexual, conversamos sobre isso durante muito tempo antes de realmente fazer, um dos princípais medos dela era que sua mãe fosse contra a termos esse tipo de relação, mesmo que já estivéssemos namorando a mais de um ano e meio, a mãe dela sempre conversava sobre esse assunto com ela e por isso presumimos que não haveria problema com isso. Ai, resolvemos continuar, pouco tempo depois do ocorrido ela resolveu contar pra mãe dela sobre tudo, e pra nossa surpresa a mulher pirou, disse que agora tinhamos que casar porque oque tinha-mos feito era "errado", disse também que eu tinha um "dever" a cumprir com a filha dela. (obs: a mãe dela vinha de uma família tradicional e aparentemente isso pra eles de casar após a primeira relação é regra, mas ate estão eu não sabia disso.) A mãe dela exigiu que eu arrumasse um emprego em pleno tempo de pandemia pra que eu passase a sustentar a filha dela como parte do "dever" mencionado. Eu obviamente era contra a tudo que ela impôs contra mim pois eu fui criado de uma forma diferente, uma forma mais atual. Depois de um tempo o nosso relacionamento começou a desandar, nós brigavamos quase sempre por causa de opiniões contrárias, a mãe dela a convenceu que tudo que ela exigiu de mim como "dever" era o certo a se fazer, desde então ela passou a pensar parecido com sua mãe, começou a me tratar de outra forma, mais fria, sempre deixando claro o quanto eu era insuficinete pra ela e mesmo que subliminarmente me culpando por tudo que aconteceu. Tudo isso acabou me deixando extremamente mal, eu me sentia quase sempre alguém insuficiente quando conversavamos, eu sei também que algumas ações minhas a magoaram, não foi só um que errou, mas sei lá, não era mais o mesmo que antes, sabe?, tinha se tornado uma relação tóxica, pra ambos os lados, então nos resolvemos terminar. Pra muitos amigos dela ou pessoas que não conhecem essa história eu acabei saindo como o cara que só quis tirar a virgindade dela e terminar, mesmo que tenhamos namorado por mais de um ano e meio. Eu amava de verdade aquela garota, e esse não foi o fim que planejei pro nosso relacionamento. Mas enfim, com o apoio dos meus amigos hoje estou muito melhor, não sou de guardar mágoas, entendi que muitas coisas ruins aconteceram durante nossa história, e desejo que ela encontre alguém que a faça feliz da forma que deseja.
OBS: eu e minha ex temos 18 anos e essa história se passa a mais ou menos dois meses atrás.
te amo Luba <3
Fui acusado de não a amar o suficiente pra assumir os tais deveres que eu supostamente fugi, vocês acham que eu fui babaca por não concordar e aceitar a cultura mais tradicional delas?
submitted by coracaodetrouxa to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.21 20:43 Wooden_Statistician3 Tudo que falo só piora e só queria que voltasse a ser como era antes

Desabafo. Há alguns meses casei, depois de menos de um ano de namoro. Apressado? Com certeza. Mas as circunstâncias meio que pediam. Ela veio de uma família extremamente quebrada e tóxica. Vivia sozinha há alguns anos, dependendo de auxílios de faculdade, parentes que só sabiam reclamar de estar ajudando, etc. Ela tem depressão profunda, e não tinha nem como se tratar.
Quando a conheci ela estava namorando, mas um namoro só de fachada, pois na verdade ele era abusivo e não deixava ela terminar, sob ameças contra a própria vida por parte, e à vida dela por partes de parentes dele. Durante boa parte da sua vida, a chamaram de feia, estranha, etc. Na faculdade as coisas mudaram, e começaram a enxergar a sua beleza, ficou com vários, mas sua auto-estima baixou tanto ao longo da vida que ela aceitou namorar com essa cara, sem nunca de fato querer, e acabou presa nesse relacionamento por mais de 2 anos.
Eu só tive uma namorada, há mais de 10 anos, e um crush forte até alguns anos atrás, o qual acabou em inimizade total. Sempre percebi que não era interessante pra nenhuma garota, na aparência, e nunca tive qualquer desenrolar pra "chegar". Depois de namorar, tomei gosto, e tentava. Porém do meu jeito tímido e, claro, ineficiente. Anos disso me fizeram perceber que não havia porque eu ficar insistindo em "achar alguém", se fosse acontecer seria no dia-a-dia normal, ou quando eu realmente me melhorasse como pessoa. Foquei então na minha educação e no profissional.
Um dia ela, ainda em namoro abusivo, falou comigo pelo Whatsapp, tarde da noite. O meu racional dizia pra eu ir dormir, pois a pessoa responsável e profissional dorme cedo e acordar cedo (ou assim deveria, pelo que dizem). Mas algo me fez querer falar com ela, mesmo que ainda de forma um tanto fria, admito. Papo vai, papo vem. Como parecia ser só uma amizade, eu falei abertamente com ela, inclusive quando ela perguntou de relacionamentos/crushes passados.
Semanas depois, ela termina o namoro e diz que gosta de mim. Pela primeira vez em muitos anos volto a sentir aquilo que senti no primeiro namoro. E ficamos, e namoramos, e tudo foi muito intenso. E então casamos, para que ela pudesse ter acesso ao meu plano de saúde como dependente e tratar, principalmente, da depressão, pois várias noites a vi chorar pelo seu passado que ainda atormenta o seu presente: ela não consegue nem mais estudar e boa parte das tarefas domésticas ficam pra mim. Mas havia tudo pra melhorar, não havia? Infelizmente, tudo mudou um dia.
Ela acordou e disse que sonhou que eu falava que eu achava aquele meu crush forte (Fulana) de alguns anos antes mais bonita que ela. Depois de algumas horas, como se perguntasse algo banal, ela perguntou se achava mesmo. O problema: eu considero a Fulana bonita, mesmo nível, mas o sentimento que existe é pela minha esposa e, obviamente, ela me é "a mais bonita". Mas ela não aceitava esse tipo de resposta, ela queria que eu respondesse de forma crua. Eu, que sempre procuro ser honesto, correspondi. Como considero as duas de mesmo nível, foi difícil. Conseguia lembrar de momentos onde uma estava mais bonita que outra, mas não chegava a "vencer". Uma certeza eu tinha, e continuo tendo, minha esposa tem a maior capacidade, ou seja, consegue ser a mais bonita. Mas ainda assim minha resposta não foi suficiente: ela dizia que eu estava enrolando, com medo de dizer a verdade. Não entendi do que deveria ter medo afinal, pra mim, a resposta mais direta e crua não fazia a menor diferença nos meus sentimentos para com ela. E, se eu estivesse raciocinando direito eu teria percebido a armadilha bem ali na minha frente, mas eu caí nela quando ela novamente exigiu a resposta direta e crua: ou ela ou a Fulana. E eu falei a Fulana.
E, de repente, ela começou a me atacar. Dizendo que eu acho a Fulana "linda e maravilhosa" e ela feia (quando pra mim ambas tão no mesmo nível, e pra mim ela vai ser sempre a mais bonita, pois é ela que eu amo). Que meu sonho era que tivesse dado certo com a Fulana, mas que ela foi o que deu (quando ela, e somente ela, que conseguiu reacender meus sentimentos, mesmo quando tudo dizia que não valia a pena sonhar com isso (afinal ela tinha namorado, etc.). Eu tentava explicar meus sentimentos, mas nada adiantava. A frustração, a angústia tomou conta e então, a raiva. Raiva de como algo que estava morto no passado, voltou pra me assombrar. Raiva de que algo completamente irrelevante no meu presente, e portanto nosso presente, estava ali, destruindo nosso casamento. Pois ela começou a querer ir embora, anular casamento, se separar. E na tentativa de melhorar as coisas, eu sempre piorava. Acabei falando palavras (que pra mim não teria tanto significância se ela dissesse), mas infelizmente pra ela tinha: disse que ela estava sendo "idiota" por insistir tanto nas afirmações desses ataques e desconsiderar completamente o que eu sinto e falava. Só estava tendo "amenizar" a situação, segundo ela. E que no fundo, eu queria alguém """melhor""" que ela.
Isso foi uma tarde. Ela eventualmente parou quando percebeu o quão mal eu estava. E claro que eu estava. A pessoa que eu amo e por quem eu faço tudo, praticamente "inventou" um motivo pra me atacar. E daí que numa análise crua e racional, naquele ponto específico da história, a Fulana havia "vencido" no concurso de beleza entre as duas. Grande bosta. Minha esposa continuava sendo bonita, e pra mim e meu amor, a mais bela. Era ela que realmente havia gostado de mim, era ela que quis casar comigo, era ela que me acompanhava nos filmes de sábado à noite, era ela com eu me via vivendo pra sempre do lado. E de repente, parecia que nada mais disso iria se tornar realidade e por quê? Por algo que nem ao menos mudava o que eu sentia em relação a ela e nunca iria.
Durante o final da noite, eu tentei dormir, mas não conseguia. Tentei assistir vídeos de "como lidar com a pessoa amada em depressão". E ela começou a chorar do meu lado, muito. Larguei o vídeo, abracei-a. E ali as gentes se aceitou novamente. Ou assim parecia, porque poucos minutos depois, ela pergunta, inocentemente, se eu acho minha irmã mais bonita que ela. E o fato é, se eu dissesse que não seria uma bela duma mentira, e mesmo que eu achasse, ela diria que eu estava falando aquilo só pra agradar. E eu, O idiota, achando que estava tudo bem de novo, respondi que sim. E novamente ela começou a me atacar. E POR CAUSA DA MINHA IRMÃ!?
Atualmente eu me considero forte pra aguentar essas coisas, mas não dava mais. Ela quebrou minhas defesas com esses ataques. E tudo que ela me falava soava como "EU TE ODEIO". E eu aceitei esse ódio dela, pois, afinal, ela devia estar certa. Eu sou uma pessoa com 30 anos, aparência ok, mas que não tem amigos e só teve uma namorada antes dela. É óbvio que tinha algum problema, o problema de que eu era detestável. Eu sempre tentei demais ser prestativo e tudo mais, mas quando o assunto são sentimentos eu nunca consegui transmitir isso. Abraço minha mãe quatro vezes ao no: aniversário dela, o meu, dia das mães e natal. Sempre um abraço bem "desengonçado". Eu noto isso, mas sempre foi assim, e eu não sei mudar. Eu sei o que eu sinto, mas minha demonstração é e sempre vai ser insuficiente. E por isso todos ou acabam por me detestar ou se afastar de mim. Mas eu realmente pensei que com ela seria diferente.
Alguns dias se passaram e as coisas até foram melhorando. Até que cai tudo de novo. Ela conta pra uma pessoa, que mal conhece, que eu achava que ela na praia não ficava tão bem quando dentro de casa. Sim, eu havia falado algo do tipo, quando no começo da discussão ela pedia pra eu ser mais direto. Oras, ela tem umas manchas, gordurinhas a mais, etc. do que a fulana. Eu me sinto menos bonito do que um cara que não é assim, mas nem por isso me acho feio, ou ache vou sempre ser inferior. É só eu cuidar disso. E se não cuido, é porque tenho outras prioridades. Da mesma forma com ela. Não acho ela feia, nem menos bonita, só relatei o óbvio. E se ela não quiser cuidar, ou não conseguir cuidar, não é problema pra mim. Eu casei com ela pelo pacote completo. E assim como eu, ela também vai com o tempo perder pontos na aparência. E assim como eu, espero que ela ainda me ame, ainda me ache bonito, com eu continuarei amando ela e achando bonita. Mas não importa eu falar isso. Pois ela quer sempre dizer que tudo isso que eu falo é balela, enrolação, agrados, etc.
Pelo meu jeito detestável de demonstrar sentimento ela perdeu totalmente a confiança nos meu sentimentos, a ponto de nada o que eu falo valer mais. Ou talvez, no fundo, ela espera que eu seja pra sempre tão bonito quando ela acha atualmente, e quando eu não foi mais, ela vai me trocar por alguém que envelheça melhor. Mas se eu falo isso pra ela, ela bate o pé pra dizer que pra ela é completamente diferente, que o sentimento dela é real, mas que o meu? O meu é de mentira, porque assim ela decidiu. E ela ainda diz que eu mereço alguém ""melhor"". Mas o fato é, que ela se estiver certa, o que eu mereço é desaparecer. Pois o meu eu que ela odeia, é o único eu que existe. E se ela não é capaz de amar esse meu eu, e insiste em brigar, está mais que na hora de ela admitir o que está bem na frente dela: ela não me ama. Não mais. Só espero que não tenha sido nunca. Porque pior que ver tudo se destruindo e não poder fazer nada, pois nada do que eu falo impede, pelo contrário, piora, e ficar calado não é opção, então que pelo menos não tenha sido tudo uma mentira.
E hoje ela do nada veio falar que tá com medo de engordar, pois, segundo ela, eu falei que iria querer outra se assim acontecesse. Eu nunca falei isso, assim como nunca falei outras coisas com as quais ela vem me atacando. Mas o pouco que eu digo, se transforma num muito na cabeça dela. Eu não aguento mais. Eu peço pra ela parar, mas ela insiste em, nas palavras delas, "me colocar contra a parede pra botar as verdades pra fora". Mas do que adianta isso, quando ela já decidiu o que é verdade e o que é mentira? Nada, e por isso eu só queria que ela parasse. Que não pelo amor que ela supostamente sente por mim, mas pelo menos em consideração a tudo que eu fiz por ela.
Pois agora eu já não sinto nada. Um nada que não me permite nem ao menos dizer o que sinto por ela. Mas enquanto eu quero acreditar que ainda amo ela, ela insiste. Eu novamente pedi pra ela parar, e afirmei que não sei mais se gosto dela, mas que se ela realmente me ama, ela tinha que parar, e me deixar sentir novamente. Mas meu medo é que ela continue (ela está passeando com uma amiga nesse momento), pois se ela continuar o pior vai acontecer. O amor vai virar ódio. A vida vai virar morte. Figurativamente (apesar de temer, e muito, que aconteça literalmente para ela).
submitted by Wooden_Statistician3 to desabafos [link] [comments]


2020.06.17 10:33 Lariplush Achei que era romance Netflix mas virou novela mexicana.

Olá, Lubisco, editores, Jeans, convidados e turma que está a a ver,(rip papelões). Minha história é meio grande mas vou tentar resumir pra vcs. Essa história já tem uns anos que vem rolando mas só percebi recentemente, tudo começou em meados de 2016. Eu vim morar em uma cidade de interior bem pequena lá pra 2013 ou 2014, (ps: nasci em SP e cresci lá tem 7 ou 8 anos que estou aqui), logo que cheguei me engracei com um hetero e tivemos um relacionamento longo, logo não saia muito de casa era só rolê de casal mesmo (logo vao entender o pq). Em meados de 2016 eu e o boy estávamos brigados minha mãe não queria ver ele, então combinei com uma amiga de ir na única boate da cidade pra fingir que to no rolê com ela e sair com ele, antes de ir pra boate ficamos eu, minha amiga e meu amigo gay esperando o meu noivo na época chegar em um barzinho de frente. Quando chega um grupo de meninas, uma delas ficou me olhando fixamente e meu amigo disse que o gaydar dele tava apitando que ela me queria, sempre fui bisexual mas não dei muita importância na época pq tava focada no meu relacionamento com o boy que logo chegou e eu sai de lá. O tempo passou e em 2017 eu pra casar com boy estava terminando os estudos junto com ele, estudávamos a noite na mesma sala, chegando na sala nova me deparo com a garota esquisita de novo (Ps: na época não me lembrava que era a mesma do barzinho), sentávamos próximo a ela tipo do lado separados por um corredor. O boy que eu estava era extremamente tóxico (vivia em um relacionamento abusivo e nem sabia) brigava comigo por tudo e sempre riamos brigas feias na sala, e ela acompanhava tudo de perto. Um belo dia ele ficou encarando a menina dizendo “essa desgraça não desconfia? Culpa é sua que gosta de ficar chamando atenção por ai”, eu sem entender nada achei que era loucura da cabeça dele, no outro dia começei a reparar e vi uns sinais, mas permaneci acreditando que era loucura, nesse meio tempo fomos sorteados pra ganhar um curso pré vestibular. E adivinhem quem foi sorteadas? É isso ai eu e ela. Nos aproximamos durante esse curso que era junto com outras escolas, sentávamos juntas e brincávamos tava começando a sentir coisas diferentes, até que um dia ela foi com outra garota que nem era do curso pra lá, eu supus que era namorada dela (a mina tinha cara de mal) então esse dia sentei com grupo de amigas, eu andava com as blogerinha populares pq era modelo na época, depois que ela me viu com a turma ela sumiu do curso, (na época não achei que fosse por minha causa). Na escola ela faltava quase sempre e eu tbm e não nos falávamos porque o boy morria de ciúmes dela, trocamos umas msgs no face pra trocar matéria ela me chamou pra sair com amigos mas não fui. Vida seguiu ano acabou, anos se passaram. O boy abusivo começou a ser agressivo comigo e lá pra fim de 2018, um belo dia em casa viu minhas msgs do face e achou minha conversa com ela e surtou “vc disse que ia sair com ela? Ia escondida? Pra quem não meche no face entrou só pra responder ela?” E no meio da briga me agrediu. Dai eu dei um basta e separamos, meses se passaram e já tava até com outro boy. Veio a black friday de 2019 e eu e meu novo boy decidimos passar na Americanas a madrugada comprando besteira, na fila a minha frente tinha uma garota primeira amiga que fiz quando cheguei na cidade, tínhamos nos afastado com o tempo e aquele dia nos reaproximamos e marcamos uns rolês, no segundo rolê com essa amiga minha estávamos conversando sobre sexualidade e eu disse que era bi mas que daquela cidade nunca tinha tido interesse em nenhuma guria, exceto uma ela me perguntou como era, dai eu expliquei, dai ela disse “mentiraaaa” e a (vamos chamar de Arls) eu disse que sim ela disse “que tudo” e passou, isso foi no domingo, quando foi quarta-feira, adivinha quem me solicita seguir no insta? Poiseee, já logo perguntei oque minha amiga tinha falado. Ela mandou o print que dizia “minha amiga quer beijar sua boca” pra Arls, é amados essa vergonha eu passei a vista. Começamos a conversar eu me expliquei pra ela papo vai papo vem, ficávamos conversando durante horas e horas madrugadas e madrugadas, marcaram um rolê pra gente se vê, (eu já tinha largado o boy da época), e dai rolou nosso primeiro beijo no banheiro de um posto de gasolina com total de 90% de pressão das 20 pessoas em volta que eu conhecia apenas 2 ou 3 no máximo, (Ps: sou extremamente tímida pra mim foi muito difícil), as coisas foram indo, nós morávamos no mesmo bairro, chegou Natal (ai Natal), ela foi em casa com uma galera depois fim de noite fomos pra outro posto. Estava eu lá bem bebada doida, mas clima de casalzinho com ela e a galera. Adivinha quem chega no posto? Isso mesmo o boy tóxico, (esqueci de contar que depois do término antes desse Natal ele já tinha me ameaçando várias vezes e tentado passar em cima de mim com o carro várias vezes tenho testemunhas disso) eu vi, ela viu que eu fiquei nervosa (medo o nome mesmo) e sem saber que um dos motivos do meu término foi ela, me beijou na frente dele, e foi lindo pq eu queria mesmo que ele me deixasse em paz e com ela eu tava bem e feliz (por enquanto). Depois disso ele só me chegou muito por msg e sumiu. Eu pensei é isso, mas meus pais não sabiam que eu era Bi, e tudo era escondido na cidade pequena e ela sempre me vinha com papo de “fique com outras pessoas pq não quero me prender eu vou pegar geral tbm uhul ✌🏻” falei “suave suavao” tava na época de liberdade pós relacionamento abusivo e tals dai eu tinha uma pessoa pra cada dia da semana, era o Farls a Larls o Cals a Tals, e por ai vai, sempre tive muitos amigos e bebia quase todos dos dias (meus pais estavam se separando tbm estava em uma fase difícil), mas sempre dava preferência pra ela (se ela quisesse namorar de verdade abriria mão de tudo por ela), até que prece que ela começou a se incomodar, a amiga da black friday começou me dar uns toques “para de trair ela” e eu “gente não namora é isso que ela quer”, ela tentava me fazer ciúmes nos roles que iamos mas as guria davam em cima de mim e ela emburrava, (nunca fiquei com ninguém na frente dela, quando tava com ela era só ela), um dia perguntei pra ela se ela queria que eu parasse se isso incomodava ela, ela me disse que não é que era coisa da minha cabeça, e que ela não podia namorar pq já tinha uma web namorada. Ok, continuei nos roles curtindo como se não houvesse amanhã, ela começou a mudar comigo me tratar mal ficar estranha, já não nos falávamos mais as madrugadas e sempre com grosseria, dai parei com meus roles tentei ser mais presente sempre levava um chocolate quando ela estava triste, (eu sempre gostei dela fazia aquelas coisas pra não me apegar a alguém que eu achava que não me queria e tinha medo de me machucar de novo), mas as coisas foram ficando cada vez mais estranhas, quando eu ia pra lá ela não saia do celular conversando com umas guria, nunca senti ciúmes pq não me achei no direito já que não tínhamos nada mas parecia sempre que ela queria esfregar na minha cara. Fato é um belo dia ela pediu para sermos apenas amigas, não durou 3 dias tava na cama dela de novo, ai começou um briga e se pega de novo teve muita coisa nesse meio não vou contar tudo pra não ficar muito maior do que já ta, mesmo assim ainda acho que ela não gostava de mim. Tinha uma amiga de faculdade minha que pagava de hétero e nós pegávamos as vezes, quando comecei a ver que estava gostando de mais da Arls a Larls se reaproximou bastante de mim (até então a Larls era única menina da regiam que eu tinha me envolvido sentimentalmente mesmo) um belo dia eu postando stores com a Larls a Arls parou de me seguir, dai eu vi que tinha magoado ela e me senti um lixo, nesse dia eu vi que estava apaixonada (nunca disse isso a ela) mas não conseguia mas “dormir” com a Larls, logo ela viu isso é tbm me mandou ir atrás da Arls, dai pra frente amores foi meu desande e descordai. Tentei me reaproximar dela mas ela sempre grossa me cortava sempre tentava me afastar, de todo jeito possível, mas de alguma forma eu vez ou outra conseguia dobrar ela e era perfeito noites lindas que sinto falta. Isso durou meses ela nunca mudava sempre me rebaixando e webs namoradas e tentando fazer de tudo pra me magoar. Eu permaneci até um dia cansar, e tentar ficar com outra pessoa agora serio sem tudo isso, ela me viu com essa guria e me mandou foto mal, adivinha quem foi no outro dia atrás? É eu mesma, foi mais uma das noites bonitinhas e perfeitas parecia até que tinhamos “voltado” . Não durou muito depois disso voltou tudo, mas ela ainda me chamava pra ir ver ela as vezes, até que um dia bebada em rolê (nosso grupo de amigos é o mesmo), a conheci uma guria e fiquei foda-se tava magoada e tals, advinha se não chegou na Alrs? E ai só piorou tudo. Nunca tinha dito oque sentia por ela por ela me tratar mal não queria ser piada na roda de amigos esses dias pra trás eu bebada acabei falando oque eu sentia pra ela ela por sua vez, demonstrou pena e disse que tava web namorado a 3 dias e queria que isso dela desse certo (detalhe a gente tinha se beijado 40 minutos antes). Fiquei triste mas aceitei afinal já esperava que ela não gostasse de mim, final de semana fui na casa dela buscar minha guitarra (Ps: havia sonhado com meu ex boy abusivo e ela uma semana anterior a eu ir na casa dela a semana toda, morro de medo desse guri quero ele longe), e adivinha né fiquei mais doque devia dormimos juntas. E ela com vídeo chamada com a web mina dela seila oque, no outro dia de manhã ela me acorda dizendo que a prima da guria amiga dela que tinha adotado uns cachorros dela tava lá pra mostrar os filhotes, ela me disse pra não sair do quarto e eu perguntei porque, ela disse que tinha acabado de descobrir que o boy da menina era o meu ex boy doido. Ela fingiu demência e foi brincar com os dogs e eu fiquei em estado de choque dentro da casa “me deu crise de ansiedade e pânico” sozinha enquanto eles confraternizavam tranquilamente, eu sem bateria no cel e sem dinheiro pra ir embora. Ela entrou depois de um tempão e olhou nos meus olhos e me perguntou. “Tem certeza que ele te batia? Ele parece ser legal.” De todas as coisas que ela tinha me dito e feito essa foi a que mais me feriu, depois disso ficou do meu lado dizendo por video chamada sobre como queria chupar a web namorada, e a minha carona não chegava, (Ps: não moro mais perto dela tipo do outro lado da cidade) aqui não tem ônibus e mesmo que tivesse tava sem grana só cartao, aqui não tem uber nem os moto táxi não aceitam cartão e era domingo, ou seja tava presa ali, tudo aquilo tava me matando eu fui pro quarto dela escondida chorar tipo muito, até que ela me mandou msg pra me falar pra ir embora, disse que pagava e tudo que não me queria ali mais, meu celular acabou a bateria não consegui avisar quem ia me buscar que eu ia sair daí mas mesmo assim, levantei chorando peguei minha guitarra e atravessei a cidade toda com a guitarra nas costas chorando. Infelizmente ainda esqueci minha blusa lá e vim embora com a roupa dela. Minha carona meu amigo me achou na rua chorando ele tava desesperado tadinho, dai fiquei bad sumi de tudo whats, insta, durante uns 4 dias, (isso tudo foi no domingo) depois de um tempo voltei e no outro final de semana descobri que na terça-feira (dois dias que eu tava sumida de tudo) ela havia trocado de numero e na quinta me “silenciado” no Instagram, crente que eu ia atrás dela. Não fui,nem iria, nem vou, pois dessa vez eu fiquei muito magoada com oque escutei dela mesmo tendo ela visto tudo que viu e apesar de gostar muito dela é isso não passou até hj. Cansei disso tudo... Não vi mais ela depois disso tudo nem sei se verei (toda vez que nos víamos era um climão bizarro sempre acabava na cama dela ou atracada em um canto) por enquanto permaneço firme, mas magoada e com saudades ao mesmo tempo. Queria muito que tivesse dado certo mas enfim, gosto muito dela talvez ela nem saiba e nem vai saber se o Luba ler pq ela odeio YouTubers em geral então é isso. E ai eu fui a babaca?
submitted by Lariplush to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.07 01:00 ladyzinhah Fui babaca por contar os segredos dela?

Olá Lubixco, turma, gatas, editores e todos os seres que estejam a ler. Segue-se a história de quando revelei os segredos de alguém e deu ruim pra mim...
É o seguinte: No ano passado, minha irmã fez muitos amigos, assim como eu. Eu tinha um amigo, de nome Varls e minha irmã tinha uma amiga de nome Carls. Ela me apresentou a tal de Carls e começamos a conversar no Whatsapp, para nos conhecermos melhor e tornarmos amigas. Porém, percebi que não me dava muito bem com ela, pois ela me chamava todo dia e toda hora, vivia falando de garotos. Eu me sentia um pouco mal por isso, já que ela parecia gostar de mim e até me contava seus segredos. A desgraça começou quando ela começou a me contar esses segredos, descobri que ela gostava do Varls. Ela gostar dele não era problema, o problema era ela ser uma stalker possessiva. Ela stalkeava ele de um modo muito hard; achava que ele era dela e nenhuma garota podia se aproximar, cheguei a ficar me perguntando se ela havia se aproximado de mim para ter uma chance com ele, já que eu e ele éramos amigos ou que ela me odiava e só queria parecer ser minha amiga. Bom, Varls tinha uma “namorada”, ele estava afim de uma menina que conheceu no Free Fire, menina essa que eu ainda suspeito ser minha amiga de longa data a qual perdi o contato, pois tudo que ele dizia dela coincidia com tudo dela ( tudo, até nome e endereço). Como ele gostava de outra garota, comecei a sentir pena da Carls, mesmo ele sendo meio estranha. O negócio ficou tenso quando descobri que ela tinha fotos dele no celular, fotos meio... detalhista. Depois de ver aquilo, não consegui mais ver o Varls com os mesmos olhos por muito tempo. Senti que tinha que contar para ele, mas ficava divdida porque de certa forma era um segredo da Carls. Ela me pediu o número dele e com a permissão do mesmo, eu dei a ela. Eles começaram a conversar, mas o Varls não estava nada afim dela, ele não gostou nenhum pouco dela. Ela fazia perguntas muito invasivas e tal... Senti que eu deveria contar para ele apesar de ter consideração por ela, mas fui contando aos poucos. Ele ficava cada vez mais com medo dela e eu ficava cada vez mais apreensiva também. Até que um dia o Varls decidiu acabar com tudo e fazer ela cair na real, eu só não esperava que ia dar ruim para mim! Além de tratar a Carls super mal, ele disse para ela “ ter cuidado com o que ela fala para certas pessoas, porque tinha amiguinhas falsas”. Eu fiquei muito mal com aquilo. Primeiro porque eu contei para ela para sua própria segurança, porque ela era fora da casinha e também porque eu tinha uma grande amizade com ele e o considerava muito; Segundo porque eu até fiquei em dúvida se contava ou não para ele porque era um segredo da Carls. Como se não bastasse, aparentemente ele me usava para fazer ciúmes na garota que ele gostava e me contou sem dor alguma tudo o que a namoradinha dele falou sobre mim durante seus ataques de ciúmes - foram coisas péssimas. Fiquei muito mal com aquilo, tanto por ele quanto pela Carls. Até hoje penso nisso e me sinto culpada por ter contado/decepcionada com ele. Ele não pediu desculpas para mim nenhuma vez, porém eu decidi perdoar e seguir em frente. Hoje converso normal com ele, ele parece ter mudado muito mas não somos tão mais próximos ( o motivo se encontra no meu primeiro post). Quanto a Carls, ela parou de falar comigo e não tenho mais notícias dela, apesar de vê-la algumas vezes. Fui babaca por ter contado para ele? Bjs, menor que trêix!
submitted by ladyzinhah to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 02:43 juliagplays1012 Eu sou uma babaca por não querer ser tratado de maneira diferente porque sou mais nova?

Eu conheci uma garota mais velha que eu em 2018, vamos chamá-la de D, quando eu conheci D, ela tinha 14 anos e eu 11. Bem, nos tornamos muito amigas quase irmãs (ela até me apresentou para sua namorada como irmã).
Mas este ano (agora ela com 16 e eu 13 anos), Tivemos uma GRAAANDE lavação de roupa suja, porque ela me trata de maneira diferente em relação aos seus outros amigos, ja que sou a mais nova deles, me falou coisas como "Não sei se é uma boa ideia pedir conselhos para você na frente da minha irmã (irmã de sangue) porque é meio estranho alguém com 16 anos, pefir conselhos para ums de 13" ou "confio em você, mas não posso dizer certas coisas, você n vai entender" e outras coisas.
Já passei por muitas coisas na vida que me fez amadurecer mais rapidamente, perdi todos os meus avós (parte do pai e da mãe) em um curto período de tempo; portanto, quando começamos a conversar novamente (depois de quase 1 mês), brigamos novamente (conversando por mensagem, por motivos de quarentena). Porque ela dizia não me tratar diferente e não aceitava o fato de que eu não gosto disso, já fui privada de muita coisa importante que achavam que me faria mal mas me fez mas mal não me contarem do que se tivessem contado, de qualquer forma, estamos nos falando novamente mas está um clima muito estranho entre nós, não me considero mais sua irmã, nem mesmo uma amiga. Então, eu sou a babaca?
submitted by juliagplays1012 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.05 07:22 Haynex Um curto conto amador. [Enchendo espaço porque o sub me obriga.]

Antes de tudo, um pouco de contexto: minha namorada sofre de insônia. Acorda cedo para ir trabalhar, estuda e chega em casa apenas à noite. Então ficamos juntos ao deitar, para que ela relaxe pro dia seguinte. Em algumas ocasiões, canto para ela, ou conto histórias improvisadas. Isto a ajuda muito. Agora mesmo ela dorme depois de eu ter contato uma história. Entretanto, antes de dormir, ela perguntou se eu havia escrito uma história da qual ela gostou muito; como eu disse que o faria depois que ela pediu pela primeira vez. Entretanto, eu não o havia feito mas disse que faria antes de dormir. Ela adormeceu e eu decidi escrever. Aproveitei a oportunidade para preencher com mais detalhes lúdicos a estória. Decidi compartilhar aqui o meu conto.
Espero que gostem.
"Era uma vez, em uma terra distante, um jovem com o ímpeto de impressionar sua família nobre. Era o 5º filho de uma casa nobre e assim restara-lhe nenhum ofício ou herança, de forma que a única coisa que podia esperar conseguir de seu pai era sua aprovação. Assim, certo dia, o patriarca lhe disse: “Vá! Tome esta arma, mostre que és digno de ser chamado meu filho e conquiste glória; e só então retorne!”
O rapaz então partiu, viajou por terra e mar, em busca do seu verdadeiro eu. Sonhava, todas as noites, com seu futuro brilhante, munido da boa opinião de sua família. Para estas pessoas importava muito o que os seus pensavam de si, portanto, estavam dispostos a muitas coisas para conseguir-lhes nota.
Por isso, ao ouvir sobre uma bruxa capaz de criar uma poção que despertaria seu potencial e lhe traria o que desejava, o jovem não hesitou e rumou para a floresta onde ela se escondia. Uma vez lá pediu pelo unguento, considerou logo usar sua arma para forçá-la a fazer o que ordenava, mas preferiu antes falar. Descobriu, então, que ela precisava de três simples ingredientes: os pelos de um feroz urso que vivia nas redondezas; o canto de um esquivo rouxinol; e, por fim, a casca de uma árvore antiga e específica.
Com isto em mente, o homem seguiu para cumprir a primeira tarefa e que parecia vir a conceder-lhe mais glória. Imaginava como faria para arrancar a pele do urso quando o vencesse. Acampou por dias, seguiu rastros e localizou o animal. Entretanto, encontrou ao longo de sua jornada, rastros de sangue. Pensou inicialmente tratar-se do sangue de suas presas, mas logo constatou que o sangue pertencia ao ser. Conferiu, e era verdade, ele havia sido ferido. Tinha cicatrizes, é claro, pois era velho e enfrentara muitos outros homens pretensiosos como ele. Mas parecia também cansado. Vendo o urso, o rapaz não teve coragem de usar sua arma contra o animal ferido. Pensou que, apesar de urso feroz, não seria nada glorioso atacá-lo em momento de fraqueza. Tomou uma decisão diferente, mais ousada. Caçou em seu lugar, assim, o urso não precisou sair de sua caverna para ter o que comer, não colocando em risco, desta forma, camponês ou lenhador nenhum que vagasse fundo demais na floresta. Fazia questão de ser visto toda vez que levava-lhe comida. Logo, o urso acostumou-se à sua presença e deixou de ser ameaçador. Destarte, em momento sossegado, o rapaz tomou uma faca e tirou-lhe poucos fios de pelo negro e foi-se embora, deixando o animal curado.
Em seguida, partiu a procurar pelos rouxinóis. Vê-los era difícil. Escondiam-se dentre a folhagem. Não via como poderia usar sua arma para completar a tarefa, tampouco, pois se a usasse, certamente mataria um dos pássaros e pássaro ferido não viria a cantar. Fez armadilhas, para capturá-los, mas esquivos como eram, não caiam nestas. Entretanto, em determinada manhã, seguiu o canto do rouxinol até adentrar uma clareira. Nesta não viu pássaro, mas uma criança sentada sobre uma pedra, cantarolando com as aves. Percebeu, então, que não precisava privar os animais de sua liberdade para conseguir-lhes o canto, pois tamanho fora o tempo que passara observando-nas, que aprendera a reproduzir os seus sons, assim como fizera o jovenzinho. Com a melodia em mente, foi para sua próxima jornada.
Esta, por sua vez, não era longe dali. A árvore ficava no centro da floresta. Ouvira, por um vilarejo que passara, que a árvore era o coração de todo o ecossistema. Seu estado afetava tudo a seu redor. Quando sofria, sofriam as demais árvores, os animais, o clima e as águas. De forma que, arrancar-lhe uma casca seria tal qual arrancar de um homem um naco de carne à faca, mas com a agravante maior de que cumprir sua última tarefa significaria não causar mal a um só ser, mas a todo um sistema. Porém, fora para isto que seu pai concedera-lhe sua arma. Era a última etapa de sua jornada, certamente as formas pacíficas e justas que utilizara para solucionar os demais problemas compensariam tal agressão. Não podia desistir agora, ou perderia todo o seu progresso. Pediram-lhe os moradores do vilarejo para que não fizesse mal à árvore. Tentaram impedir-lhe, mas não puderam fazer muito ao que brandiu sua arma; ameaçando-os, sem molestar-lhes nada além da moral. Partiu, decidido. Sol e Lua passaram sobre si inúmeras vezes, antes que alcançasse um monte, do topo do qual podia ver a copa de flores e folhas belíssimas de uma altíssima árvore. Era ela, devia ser, só podia ser. Rumou. Aproximou-se, enfim, e contemplou-a. Era colossal. Encantadora. Dezenas de animais rodeavam-na, pacificamente, fazendo dos seus arredores seu habitat. Tinha de feri-la… mas não podia, não conseguia. Se para descobrir quem era, precisava causar mal a todo aquele mundo que viera a conhecer e amar, preferia jamais descobrir quem era, nem tornar à sua casa ou ganhar a aprovação de seu pai. Recusou, por fim, sua missão. Recusou a seus ímpetos gloriosos. Retornou à vila, derrotado, incerto.
Ao retornar, foi recebido como herói. Confundiu-se. Agradeceram-lhe por mudar a própria mente, não ferir a árvore. Deram-lhe hospedagem e comida, trataram-lhe bem e o rapaz cresceu grato por ter tido a oportunidade de conhecer toda aquela gente, arrependeu-se de ter-lhes antes ameaçado, desculpou-se como era-se necessário e prometeu protegê-los. Em agradecimento, o líder do vilarejo, um homem velhinho, mas muito sábio, deu a ele um presente muito importante. Tratava-se de um amuleto. Um amuleto feito de um galho da árvore, que morrera depois de uma pestilência que acometera a floresta. Grande felicidade acometeu o rapaz, que, sem ferir seus princípios, conseguiu o último ingrediente para a poção. Não hesitou, foi à bruxa, que fez-lhe a poção. Esta, dissera a bruxa, só faria efeito quando o rapaz viesse a ver-se outra vez. Por isso, foram a um lago, no qual ele checou seu reflexo. E o que viu em nada diferia do que vira no dia que chegara. Perguntou a bruxa como poderia saber se a poção fizera efeito, e a bruxa resumiu-se a dizer que a poção fizera todo o efeito, que ele deveria apenas olhar para além da superfície.
E então, viu.
Viu o homem que salvara, em vez de matar.
Viu o homem que aprendera, em vez de apreender.
Viu o homem que dispôs, em vez de de tomar.
Dali em diante, o homem tornou-se, como a bruxa, um guardião das maravilhas da floresta e um protetor do povo. Anos mais tarde, quando uma jovem chegara à bruxa, com o intuito de conseguir a poção que lhe revelaria quem era e concederia todos os desejos, o que enchia o coração do homem tornara-se o quarto ingrediente."
submitted by Haynex to brasil [link] [comments]


2020.05.27 22:38 Entire_Sheepherder Falta de companheirismo

 Amizades sem profundidade já são motivos de muita discurssão cá nessa thread, mas isso é normal pra mim. O que tem me incomodado é a maldita traíragem, a falta de apoio e companheirismo. Eu tinha um amigo que dividimos muitas dificuldades e sempre fiz questão de entender suas preocupações. Chegamos a morar juntos por uns meses. Mas agora que a situação melhorou ele não se preocupa com nada mais além de si mesmo e não demonstra nenhum traço de simpatia por nossos conhecidos e nem por mim. Recentemente fiquei sabendo que ele está a se tratar de depressão e junto da namorada fecharam-se no seu mundinho. Não se trata de depressão, antes dele estar sendo medicado já agia arrogante e egoísta. É como uma punição. Mas não e raro encontrar gentes assim, falta de espírito solidário nas amizades entre homens parece ser o padrão e isso me causa raiva e sofrer. Obrigado por ler meu desabafo. 
submitted by Entire_Sheepherder to desabafos [link] [comments]


2020.05.08 21:59 m4nfrin O tio da minha namorada se tornou milionário em menos de 6 meses e não revela a origem da riqueza

Não vou citar muitos detalhes para não expor. Mas digamos que o cara tinha um trabalho aleatório que rendia de 1000 ~ 2000 reais mensais. Em menos de seis meses ele comprou 2 range Rover e está comprando mansão em Orlando, fora os quiosques em shopping center que ele comprou.
Sem entender como uma pessoa pode ter enriquecido tão rápido assim, os familiares da minha namorada começaram a questionar ele e ele disse que é Bitcoin. Que possui uma empresa de Bitcoin em um país estrangeiro e isso o tornou rico.
Desde então ele anda fazendo muitas viagens para fora do Brasil (não agora nessa crise do coringa virus), que dizia se tratar de negócios e tá gastando essa "renda provida de Bitcoin" de uma maneira um pouco exagerada e também ostentando sua riqueza.
Na minha humilde ignorância, uma pessoa que se enriqueceu com Bitcoin não teria uma atitude tão desenfreada com aquisições. O que torna toda essa situação um tanto quanto suspeita.
submitted by m4nfrin to desabafos [link] [comments]


2020.02.15 13:21 99kyle99 Última vez que escrevo sobre você.

E última noite que eu passo em claro pensando no pq você me escolheu pra ser a otaria.
Como eu já havia dito, até mesmo pra você, nunca senti tamanha decepção por alguém. Você não precisava ter feito aquilo. Era só avisar que não poderia ir, avisar que houve um imprevisto. Mas sabe pq você não avisou? Pq você não ligava pra quem estava te esperando. Você não estava nem aí. Você não avisou pq não quis. Pq é uma pessoa ruim. E a ideia de me deixar esperando te agradava. A ideia de estar lá sentadinha de olho no celular esperando alguma notícia sua devia ser excitante pra você. Eu disse que voltaria a falar com você pq estava sofrendo com a saudade. E se caso fosse, queria que vc arrancasse logo meu coração de dentro do meu peito para que eu não mais sentisse nada por você.
E você fez isso ontem. Encarei esse seu ato como falta de consideração por mim. Nada mais sou pra você. Fui sua namorada e agora nada. Fui quem você dividia as desventuras e aventuras e agora nada. Fui quem você abraçava pra passar o tempo e agora nada. Você me descartou como se eu fosse um papel de bala. Nunca pensei em dizer isso mas você também será nada pra mim. Vou jogar fora tudo o que você me dera para extinguir qualquer lembrança dessa mentira. Eu insisti em você até o último momento mesmo que você estivesse me machucando e você sabia que estava. Achei que meu amor por você fosse incondicional mas ele tá se desgrudando do meu peito. Estou tentando entender pq vc perdeu tempo me conquistando pra depois me tratar feito lixo. Nunca quis seu mal. Nunca quis te magoar, se te magoei pode ter certeza que doeu em mim também. Dizia para eu ser cada vez mais eu pq você adorava cada detalhe sobre mim e foi por eles que você foi embora. Você pode ser até uma boa pessoa, mas nunca foi pra mim. Vai ser difícil mas vou sair dessa. Você foi meu primeiro amor e pode ser que doa mais do que o normal te esquecer, mas vou fazer de tudo pra tentar. Você perdeu toda e qualquer admiração, todo o afeto, respeito e sinceridade que um dia eu tive por você.
Por favor, se sentir vontade de me procurar, não procure. De ouvir minha voz, tape os ouvidos. Se me ver na rua, finja que não me conhece. Estará fazendo bem para nós dois.
Adeus. E desta vez eu não volto mais.
submitted by 99kyle99 to desabafos [link] [comments]


2019.11.30 04:18 IWishIWasMoreLikeMe Galera, eu só quero falar um pouco sobre minha vida e sobre a situação ruim que passei hoje com meu pai

TLDR: Levantei o tom com meu pai que me tratou mal durante minha vida, acabei sendo enforcado, quero ajudá-lo a tratar essas emoções ruins que ele sente pois ele é uma boa pessoa, tenho medo que faça algo ruim a si mesmo antes que de fato se dê a chance que merece, meu pescoço está doendo um tanto e devo ir para o hospital(minha namorada me convenceu a ir). Vou tentar ajudá-lo, se não for possível, ajudarei minha mãe com a separação. Espero muito que as coisas deem certo.
Primeiramente, me desculpem caso esse tipo de post não devesse estar aqui, eu pretendia escrever em um local como relationship_advice mas em inglês talvez as coisas ficassem mais incompreesíveis do que já estão.
Procuro apenas visões sobre a situação em que me encontro, já ajudei bastante gente pela internet, é minha primeira vez procurando ajuda e me "expondo". Bem não quero escrever um mega texto, conforme os possíveis comentários eu posso ir oferecendo mais e melhores detalhes, mas aqui vai um tantinho sobre mim: Tenho 20+ anos, estudo de maneira autoditada sobre ciência da computação, desde pequeno gosto principalmente de computadores, linguagem e física, atualmente faço freelances em cybersecurity(consultoria, bug bounties e reversing de malware) e tento fazer o possível pra estudar um pouquinho a cada dia.
Consigo dinheiro para pagar minha internet, presentes pra minha namorada e as vezes sobra um tantinho também para investir, mas me sinto mais destruído a cada dia... Minha namorada que também é minha única amizade simplesmente tem sido tudo que me dá forças nos últimos 3 anos. Devo a ela grande parte do progresso que tenho tido em minha vida, caso ela veja isso, eu te amo muito meu anjo, muito obrigado.
Bem, meu pai tem 60+ anos, é aposentado pelo exército, e hoje trabalha como vigilante, madrugada sim, madrugada não. Tem duas filhas com outra mulher que o expulsou de casa(recentemente descobri que a mãe dele também o expulsou), porém ele ainda o envia dinheiro pra eles e paga o aluguel, até ano passado ele no papel ainda era casado com essa outra mulher, depois de muita luta minha mãe conseguiu a "União Estável"(A outra mulher ainda se achou no direito de tirar metade do pouco que ele tem...). Ele ajuda com as contas de luz, água e leva minha mãe no carro quando é preciso, as vezes resiste um pouco, mas nunca o vi negar isso.
Bem talvez já esteja óbvio, eu ainda moro com meus pais, e sinto que as coisas são mais difíceis do que o necessário há muito tempo, infelizmente grande parte da minha memória parece ter sido apagada, acredito que por conta da depressão que tive a partir de meus 13 anos e não ter tido amizades pra reforçar as lembranças... mas tenho lembranças de minha mãe chorando, deles brigando diariamente, meu pai insultando tanto a mim quanto ela, e nós sempre ficando calados diante dessas atitudes. Nós dois sempre vivemos com medo de errar, eu sempre vivi com medo de contrariá-lo e até de brincar com ele, mas eu tive o privilégio de conseguir viver mais tempo olhando pra uma tela e estudando, fugindo dessa realidade, já minha mãe teve e meio que ainda tem que conviver com ele diariamente(não tanto nos últimos tempos porque comprei um celular pra ela) uma cama pra finalmente conseguir dormir(o que claro deixou meu pai triste :\) e uma Smart TV(ela sempre quis uma), ela internou duas vezes nos últimos 4 meses por estar com fortes enxaquecas, o médico me puxou para um canto e me disse o que eu já suspeitava "Isso é psicológico, puro estresse"
Há pouco mais de 1 ano minha mãe me contou que meu pai anteriormente deu um soco nela, e no dia que ouvi isso eu simplesmente fiquei triste, eu não esperava isso dele, apesar das más experiências... na verdade eu até imaginava que algum dia ele podia partir para a violência, ele sempre foi muito raivoso, mas eu não consegui acreditar que isso já havia acontecido... Bem, meu pai sempre foi de acusar a gente de cometer erros, de fazer o que na verdade ele faz com a gente "Vocês xingam" nunca o xingamos... "Vocês não me deixam falar" Só comecei a interrompê-lo de um ano pra cá, mas já quis fazer isso incontáveis vezes no passado, quando ele não foi capaz de perceber que estávamos desconfortáveis com o que ele estava falando ou até em vezes que vi ele sendo injusto "Vocês não falam direito e querem que eu adivinhe" Logo adiante verão que ele quem fez isso hoje mais cedo... "Vocês querem me deixar louco" O que eu posso dizer que durante minha crise por volta dos 14 anos eu também desenvolvi uma paranóia aonde eu achava que todos queriam me fazer algum mal, todos eram inimigos, isso colaborou muito no meu isolamento, sem amizades, sozinho, apenas consumindo livros e passando muitas madrugadas ouvindo a mesma entrevista do Richard Feynman em loop. Bem, certo dia eu tirei coragem de algum canto, e nesse dia conheci o amor da minha vida, com ela aprendi e tenho aprendido como eu provavelmente cresci em um ambiente um tanto hostil... mas eu nunca levei essa ideia muito a sério...
Eu sempre fui chamado de burro, tanto pelas crianças a minha volta durante a infância, quanto pelo meu pai de diferentes maneiras, e confesso que eu de fato sou um tanto lentinho(apesar de minha mãe dizer que eu falo muito rápido), já fui chamado de "retardado" por uma professora de inglês e durante muito tempo eu fracassei miseravelmente em contas matemáticas porque eu simplesmente não entendia os "porquês" por trás das regras... mas na internet encontrei o necessário pra certo dia conseguir ser chamado de "inteligente" apesar de nunca ter buscado isso, apenas me distanciei das pessoas e fiquei estudando, foram duas professoras, de química e história, também deixei um professor de matemática muito orgulhoso com minha apresentação falando sobre os planetas do sistema solar e minha explicação sobre as equações descritivas da gravidade, ele foi o professor que despertou meu interesse por matemática, ele me explicou que existia lógica por trás das regrinhas, um dos melhores dias da minha vida
Já me consultei com quatro psiquiatras e uma psicóloga, mas foi no meu primeiro psiquiatra por volta dos 14 que eu acho que devo ter tido a dica de qual era meu real problema, naquele consultório eu chorei bastante nos momentos que ele perguntou sobre meu pai, infelizmente meus pais me tiraram de lá porque achavam que ele pensava demais ao invés de dar uma solução. "Ele é meio bobo" esse foi o comentário do meu pai sobre o médico, pode não parecer um comentário tão ruim, mas o "bobo" dele pra mim é algo já bastante carregado. Pois bem, estou escrevendo muito, tá quase uma copypasta isso... Indo direto ao ponto... eu subi num pé de laranja que temos atrás de casa, inclusive agradecendo por poder comer laranjas que meu pai cultiva, então ele entrou em casa irritado dizendo "Não entendo porque a mãe(sim ele chama a esposa de "mãe"...) faz certas coisas..."
Minha mãe então começou a retrucar "O que eu fiz?" "Qual foi meu erro?" E ele não estava (como de costume) comunicando diretamente o que ele viu de errado, não estava facilitando pra ela... ele tende a achar que os outros não merecem facilitação(porque ele diz que nunca teve)
Essa foi nossa segunda grande briga, na primeira vez eu levantei o tom com ele, choramos... nos abraçamos... eu falei pra ele como eu admirava ele apesar dos erros, e tentei dizer pra ele como ele precisava aprender a ser mais querido com sua esposa e começar a pedir desculpas... as coisas não mudaram muito
Bem, hoje eu resolvi me meter de novo nessa discussão deles "Qual o problema pai?" "Sua mãe disse que trocou a água dos cachorrinhos, eu fui lá e a panela não foi trocada" São cachorros pequenos que ficam no terreno nos fundos de casa
Eu acabei insistindo no fato dele ter demorado tanto pra falar o problema
"Tá mas por que você não falou logo qual era o problema pra mãe?"
"Não adianta, vocês querem me deixar louco" "Eu não quero te deixar louco, eu estou comendo laranja"
"Vão lá atrás os dois e vejam aonde tá a água"
E de fato minha mãe esqueceu de dar água para os cachorros, mas eu tentei tranquilizar a situação
"Tudo bem pai, a mãe errou faz parte, eu levo lá pra eles a água"
Eu o ouvi resmungando, e infelizmente eu já não lembro mais o que foi dito a partir daqui...
Mas quando eu voltei eu disse "Negativo!" com um tom de voz alto e levantando o dedo, eu sei que eu estava tentando mostrar pra ele como ele mais uma vez estava invertendo as coisas...
Meu pai se levantou, veio até mim e eu me afastei, meu pai continuou vindo até mim e eu o empurrei, foi então que ele começou a apertar meu pescoço... Eu coloquei minhas mãos no pescoço dele também e o empurrei pra longe Ele ficou dizendo "Quer me bater?" e eu fiquei dizendo que não, minha mãe se meteu no meio e ele ficou me olhando com raiva e acho que ele tentou mais uma vez vir pra cima de mim "Por que você fez isso?" "Você se acha mais forte do que eu!" Dessa vez ele estava levantando a voz e o dedo "Você já vem me ameaçando há muito tempo!" Eu disse pra ele que não, não era minha intenção ameaçá-lo, ele disse que eu o ameacei ao levantar o dedo e minha voz Pela... milésima vez escutei minha mãe dizer " Isso passou dos limites, não dá mais"
E bem... meu pai disse "Você ainda vai perder teu pai" e eu retruquei "E você ainda vai perder teu filho" Ele foi lá para os fundos, com as mãos nos ouvidos(ele costuma fazer isso) mas dessa vez como na primeira eu insisti... eu conversei com ele mais uma vez... ele chorou quando falei sobre o que eu acho que ele sente... choramos bastante Basicamente ele passou pelo mesmo abuso durante a infância e tem cometidos erros porque não teve um amigo pra lhe dizer as coisas que eu o tenho dito nesses últimos meses além de sempre ter se negado a ceder a um "idiota que não resolve nada" vulgo psicólogo, ele não é fã de pessoas "que se acham"... enquanto isso ele diz coisas como "Eu to sempre certo" Mas bem... nos abraçamos de novo, eu pedi desculpas por levantar o dedo e a voz com ele, ele botou as mãos no meu pescoço fazendo carinho e chorando e disse algo como "Você sabe que minhas mãos não querem te fazer mal"
Minha mãe tinha uma viagem pra ir... cancelou... a convenci de ir já que já estava paga e acredito que pode ser bom pra ela...
Meu pescoço dói bastante ainda, e minha mãe tirou fotos das marcas que ficaram(eu nem havia notado tais marcas, não costumo me olhar no espelho) Eu devo fazer BO? Dói pensar em fazer isso...
Eu não sei ao certo porque minha mãe não se separou dele, ela disse já ter tentado mas parece que "ele não sai, e eu não vou deixar minha casa" mas hoje eu tendo a achar que é por conta de eu ainda não ter um carro(tentei tirar a CNH mas a porcaria do carro no dia da prova deu problema nas 4 semanas que fui, por sermos uma família não comunicativa nem sequer processamos a auto-escola(meu pai pagou as aulas))
Bem... por enquanto é isso jovens, estou com medo, bastante triste, mas com esperança de que posso conseguir ajudar meu pai a resolver os problemas que ele não resolveu até hoje. Eu quero ele bem, só tenho medo de não estar vendo as coisas como talvez eu deveria... Eu disse pra ele que não vou relevar esse dia acima da boa pessoa que sei que ele é, meus pais não se amam mais, eu disse isso pra ele, ele parece ter concordado com essa afirmação. É uma situação aonde duas pessoas boas juntas se tornaram ruins, e infelizmente eu estou no meio dessa confusão. No momento vejo dois caminhos possíveis, eu início o "tratamento" dele conversando com ele como nunca fizemos antes na esperança dele considerar ajuda profissional, e caso eu não veja isso como possível, farei o possível pra ajudar minha mãe a se separar dele. É
Obrigado de verdade por ler um pouco sobre mim, desculpe pelo péssimo texto, cabeça tá meio zoada.
submitted by IWishIWasMoreLikeMe to brasilivre [link] [comments]


2019.10.24 20:29 imnodumbblonde Não era apaixonada por ele, mas tô me sentindo mal por ter sido 'trocada'. É normal isso ou tô exagerando?

Então, esse ano vivi (e ainda to vivendo, parcialmente) uma situação bem complicada na vida amorosa. Estava muito apaixonada por um cara que não me quer a princípio, me esforço pra superar, mas volta e meia acontecem situações que originam uma recaída (mas isso é assunto pra outro post). Só que no meio dessa situação, conheci um rapaz do meu curso por meio daquelas páginas de spotted de universidade. Ele começou a dar em cima de mim, falar comigo todo dia, e eu não tava muuuuito afim dele, mas acabei aceitando sair com ele.
Ele foi bem legal no início, conversávamos todo dia, saímos duas vezes e íamos sair uma terceira antes de eu ir para um evento universitário em Gramado em setembro (talvez alguns aqui até saibam que evento foi, um abraço pra quem souber... kkkk), mas ele alegou estar gripado e não pôde ir me ver. Eu não estava apaixonada por ele, porque infelizmente ainda estava bem próxima do outro rapaz que eu ainda gostava muito e isso me atrapalhou (estou tentando me afastar de vez do outro), mas estava gostando da companhia dele, do jeito dele me tratar bem, valorizar, e pretendia depois do evento realmente me dedicar a fazer isso dar certo, a não ficar com mais ninguém, quem sabe até namorar caso ele quisesse. Ele me dava esperanças de que eu ia superar de vez o outro e ser feliz com alguém que me correspondesse, mas não era por isso que eu tava tentando com ele, era porque eu tava de verdade vendo que ele era uma boa pessoa e curtindo algumas coisas nele. Mas aí começou a situação que me fez vir a esse sub.
Durante a viagem, ele meio que parou de falar comigo, e alegou que a irmã estava no hospital internada e por isso não estava tendo tempo pra falar. Eu entendi, deixei ele ter o tempo dele e não fiquei indo atrás ou cobrando dele me ver. Mas mesmo depois da irmã ter alta, ele continuou distante e começou a postar umas coisas românticas nos stories, mesmo quando estava sendo frio comigo, e comecei a desconfiar que poderia ter alguém a mais nessa história... Um dia até tentou puxar assunto comigo, mas com uma figurinha meio que me chamando de infiel (quando a gente não tinha compromisso, ou seja, ele não tinha direito de me cobrar ainda), fiquei puta e ignorei. Ele ainda chegou a tentar falar comigo uma vez depois disso, há umas duas semanas atrás, respondi normalmente, mas não chamou pra sair nem nada.
Ontem meu Mengão teve uma vitória histórica pra cima do Grêmio (chupa Renato Gaúcho, cala a boquinha agora), classificou pra final da Libertadores após 38 anos e fui postar nos stories um video meu comemorando com aquela música 'Se você pensa que o Flamengo é time' (UOLACE). Quando abro o Instagram, dou de cara com uma postagem dele falando de um presente que recebeu da NAMORADA, falando que mal começou a namorar e já amava, etc., e marcando uma mina. Fiquei meio atordoada na hora, nem sabia o que fazer direito, e em vez de ir postar o video fui falar com minha mãe, que xingou ele e tudo. Não cheguei a ficar triste na hora porque ainda tava na euforia da classificação do Mengão, do 5 x 0, então meio que ocultou qualquer sentimento a não ser euforia
Mas hoje na ressaca pós classificação, veio a bad. Eu não era apaixonada pelo cara, tenho ainda problemas com o outro rapaz pra resolver, mas tô me sentindo usada sabe... Não tínhamos compromisso, isso dele parar de falar comigo do nada e arrumar outra era realmente uma das coisas que poderia acontecer e eu devia me preparar, mas sei lá, gostava de sair com ele, da companhia dele, e realmente acreditava que a gente poderia funcionar como um casal até ele se afastar... Então fica uma sensação meio de bad, de se sentir trocada. Tem hora que acho que tô exagerando em sentir essa bad e bloquear ele de todas as redes sociais depois disso, já que não tínhamos compromisso e ainda não tinha desenvolvido uma paixão. Mas então, será que é normal eu estar me sentindo assim por conta disso que aconteceu, ou estou dramatizando demais a situação? Deem suas opiniões, preciso pensar um pouco nisso.
submitted by imnodumbblonde to desabafos [link] [comments]


2019.10.15 05:12 lucasgabriel288 Cuide da pessoa que está ao seu lado e que faz o seu mundo melhor. Pode ter certeza, se tu errar com ela a vida vai te fazer rastejar...

Venho através desse texto alertar ou mostrar para aqueles que estão na mesma situação que eu me encontro, sobre relacionamento com alguém. As vezes na vida, surgiram pessoas que te faram ficar excitado(a), tentado(a) e frio(a) com a pessoa que está ao lado, mas é só uma forma de provar para você se tu aguenta e quer realmente um futuro.
Para facilitar irei colocar os nomes da seguinte forma: D = minha ex (traída) / R = amante
Conheci minha última namorada quando eu tinha 14~15 anos e ela 13, hoje tenho 20. Namoramos em 2014 por mais ou menos 3 meses e acabou que foi muito fodido e não deu certo, a mãe dela me contou que ela foi em um baile e eu fiquei chateado demais e acabou ai. Mas em 2015 ela mudou para o mesmo período que eu e foi inevitável, estava mudado e equilibrado, e talvez seja o ponto chave para ter dado certo por um bom tempo.
Sempre tive uma personalidade protetora, queria fazer ela se sentir bem sempre e protegida e via nos olhos dela o brilho de todo esse amor e carinho. Em 2016 a traí dela primeira vez, um lance bobo no curso que fazia mas que durou 6 meses. Até hoje ela não sabe disso e não quero que saiba. Acabou que não deu em nada porque meu foco era ela, a D.
Enfim chegou 2017 e eu sentia uma fragilidade emocional muito forte, tanto por estar fazendo 18 anos e na época não trabalhar e também porqur tive depressão aos 11 anos e aos 14 e por sempre achar que eu ditava o tempo que poderia andar por mim mesmo acabei por não tratar adequadamente disso. Mas na minha relação com a D estávamos no auge, ambos cheios de amor um pelo outro, apaixonados de verdade, nas férias escolares passávamos 1 semana e mais juntos, fazendo muitas coisas juntos, conversando, ouvindo música, transando muito (era o que mais fazíamos kkk), cozinhando as coisas que gostávamos juntos, ambos muito jovens e cheios de amor um pelo outro.
Meu amigo sofreu um assalto e foi baleado por reagir quando o assaltante disse que iria matar a namorada dele, fiquei muito abalado, infelizmente o tiro o deixou 1 mês tetraplégico e a namorada o abandonando. Isso partiu minha alma (mas o karma da vida é algo que vai te perseguir até tu pagar, hoje ela paga caro, está acabada). Mas a D me apoiou muito, me auxiliou demais e evolui muito como pessoa frequentando um Centro Espírita muito bom que minha mãe ia por mim quando estava com depressão em 2011.
Comemoramos o Natal juntos, transamos enlouquecidamente na madrugada (kkkkkk), foi inesquecível, ano novo foi muito bom, ambos juntos e formando um casal muito top. Mas ao entrar 2018 as coisas mudaram. A minha mente mudou de tal forma que até hoje não consigo entender, me afundei em uma depre muito profunda, sentia até mesmo calafrios e arrepios, meu corpo inteiro gelava e tinha pensamento muito pessimistas e isso começou a ser transmitido a ela pelas minhas ações. Tratava ela mal as vezes e queria terminar mas ela não entendia o porque e nem eu, estava completamente perdido.
Lembra que fiz um curso e tive um caso... Havia mais uma outra garota de olho em mim na época, que me desejava e eu não sabia porque não a achava atraente, mas nessa época de 2018 ela estava muito mais bonita e se interessava ainda por mim. Acabou que cedi as investidas e comecei a ficar com ela, e mudando um pouco com a D.
Em uma noite a D estava dormindo comigo e acabou que pegou meu celular e desbloqueou e viu tudo o que conversava com a R (essa que esteve de olho o tempo todo no curso), acordei e vi ela parada com meu celular na mão e ela me disse o que viu, e meu ego elevado me fez dizer a ela "a culpa é sua de ser traída". Isso a humilhou e magoou ainda mais do que ela estava com a traição. Mas a ficha dela não caiu, ela tentou de tudo pra mostrar que ela era uma boa namorada e que queria fazer de tudo para me agradar, mas eu fiquei com uma amiga minha (garota lindíssima de verdade mesmo, apareceu até mesmo em vídeo clipes de alguns MC's) e a autoestima dela foi no chão, mas a coisa mais foda foi quando transei com a melhor amiga dela, porque a mesma dizia que sentia vontade desde quando a D contou o que fazíamos na cama e isso me provocou e aceitei a proposta.
Entrou 2019 e meu ego no topo, mas ela mudou completamente, não me dava mais a atenção que sempre deu, me ignorava, mudou o jeito de se vestir, as amizades, sair mais, curtir a vida e ser independente. Isso foi um choque, me questionei muito, e tentava a todo custo fazer ela voltar pra mim mas ela havia mudado e isso é importante ressaltar, ela mudou, mas eu demorei muito para mudar também. Comecei a me rastejar de verdade por ela, se eu já a achava linda e apaixonante eu estava 2 vezes mais apaixonado do que antes, a achava linda porque começou a se cuidar mais e postar o quanto estava feliz, mas ao mesmo tempo foi me fazendo sentir culpado por ter perdido uma garota tão foda quanto ela, uma garota que cresceu comigo e se tornou mulher e que hoje poderíamos estar planejando morar juntos, fazer nossa vida e termos uma vida a dois muito íntima e cheia de realizações.
Perdi a chance de ser a melhor pessoa na vida dela, ainda estávamos conectados pelo amor como ela mesmo disse e sentimos um pelo outro, a necessidade e mesmo que ficamos com outras pessoas não é tão satisfatório quanto aos nossos momentos juntos. Dói muito, mas aprendi muito com isso, valorizar as pessoas, olhar com carinho e transmitir paz a quem quer que seja, a vida é única e hoje não choro tanto quanto antes, não deixo a culpa me consumir, mas mudei também, voltei ao meu objetivo de ser policial e cuidar da minha mente, corpo e alma, coisas que eu não fiz por muito tempo.
Valorizem que está ao seu lado, independente do futuro. Faça a sua parte boa, seja bom para que todas as noites você não chore e se revire na cama, sinta o toque macio da outra pessoa, o cheio, o carinho, o beijo, o calor, relembre dos seus momentos de prazer juntos, cheios de vida e conexão. Isso dói e rasga a sua alma ao ponto de te enloquecer. Seja forte as tentações e a maldade do mundo, juntos vocês são melhores que o mundo.
submitted by lucasgabriel288 to desabafos [link] [comments]


2019.09.30 18:32 readyfortheplague Pouco caso !

E depois de alguns dias de solidão que lhe compuseram a idéia de sair no meio do dia e procurar o primeiro bar que visse e entrasse pra sair somente depois da meia noite
ele devia ter tido bebido 40 cervejas ou mais ! mas não fazia diferença
não fez !
assim como a bruxa havia lhe dito !
que tudo aquilo que lhe dava prazer não faria mais efeito !
nem sentiria mais paixão
não!
quanto tempo havia passado desde que sua namorada havia morrido ?
dois ...três anos ?
vai lá se saber !
o que ele devia fazer então !
já não sentia fome nem sede a esta altura
e sempre sonhava com o mesmo encantamento !
uma caveira de gato e fumaça
então acordava
sempre pior do que no dia anterior
suas costas doíam toda vez que acordava
mas ele não queria aceitar a maldição
nem acreditava nessas coisas ! era só um homem genérico em um mundo trivial !
isso fazia parte !
e haviam outros ao redor ! mas apenas um observava !
viu todas aquelas garrafas de cerveja em cima da mesa e reparou bem quando ele saiu !
não ! não estava bêbado ! e sua mente relutava pensando em se tratar de uma trauma com alguma consequência no fígado !
até que ouviu um assobio !
"é só defecar na porta da casa dela "
ele olhou pra trás !
"é só defecar na porta da casa dela que isso tudo passa"
e então o emissário fecal foi embora sem parecer se preocupar muito !
ele foi pra casa dormir ! fedendo a suor e bebida ! mas nada de consecutividade !
fazer o quê ?
então ele finalmente percebeu !
e se lembrou do que o homem falou !
sorriu por um momento ! ligou os pontos
mas não sabia onde a bruxa morava !
antes de pegar no sono dedicou o próximo dia a procurar a casa dessa tal feiticeira !
e quando abriu a porta pra sair em sua procura tropeçou numa pedra e quebrou o tornozelo !
submitted by readyfortheplague to u/readyfortheplague [link] [comments]


2019.09.28 20:56 masternavarro A história de uma ninhada...

Isso ficou bem maior do que eu pretendia. Estou há duas horas escrevendo no celular. Talvez esteja horrível o textão, provável que ninguém leia até o final. Só precisava escrever. Tentar minimizar o desespero que estou passando nesse momento.
Edit: O cirurgião ortopédico me ligou há pouco pra explicar a cirurgia e dizer que não teve lesão na bexiga ou órgãos internos do Pão (o que é bom sinal. Senão o quadro seria bem pior).
Mas ainda assim disse vai ser uma cirurgia complicada que tem seus riscos, mas ele me soou bem profissional e seguro da própria capacitação. Porém ele também disse que o bichinho está sentindo muita dor, e só será operado na segunda. Agora estou em agonia me imaginando nas patinhas dele, sozinho, confuso, longe das irmãs, machucado. Visitarei ele todos os dias até receber alta pra dar um carinho e dizer que tudo ficará bem.
No final de 2018, após muita deliberação, eu e minha namorada decidimos sair da casa de nossos respectivos pais e alugar um apartamento juntos. Conversávamos bastante sobre ter um bichinho de estimação e, diversas vezes, quase compramos um coelho no impulso, mas nunca aconteceu.
Minha mãe sempre teve muitos gatos a vida inteira. Ela, assim como eu, tem um laço muito forte com os felinos. Nem consigo contar de cabeça quantos já tivemos ao longo da minha vida, mas lembro de todos, suas personalidades, seus trejeitos, maneira com que demonstravam carinho. Cada um único, de sua própria maneira.
Mesmo com tantos gatos ao longo da vida, há de se imaginar que desde muito cedo comecei a compreender a mortalidade de um ser vivo, mas não foi o caso. Nossos três primeiros, Rimbaud, Porco e Arnaldo, vieram ao mundo antes de mim, e só foram embora após minha maioridade.
Foi um ano horrível, cada um dos meus companheiros, da vida inteira, partindo simultaneamente, com poucos meses de diferença entra cada um. Tentei me manter forte, ser o ‘homem da casa’. Como éramos apenas eu, minha mãe e meu irmão (um bebê na época), eu me sentia na obrigação manter a compostura e mostrar que estava tudo bem, que tudo ia ficar bem. Era durão durante o dia e chorava horrores em silêncio durante a noite.
O tempo passou, outros gatos iam e vinham, porém nunca cheguei a ter um laço emocional forte com nenhum outro, como tinha com aqueles três primeiros.
Retornando ao passado recente, novembro de 2018. Uma das gatas da minha mãe, chamada Pipi, engravidou em seu primeiro cio. Ela sempre foi magrinha e raquítica (vira lata resgatada). Até adulta ainda parecia uma filhotinha. Só descobrimos a ninhada depois que ela deu à luz.
Nasceram-se assim um casal de irmãos, um meio Maine Coon, maravilhoso, que hoje em dia é gigantesco, caminha pela casa como um rei, rebolando sua pelugem loira e charmosa, e sua irmã, feiosa, de coloração estranha, magrela e pequenina.
Como minha mãe não podia ficar com os dois, ela pediu pra que eu escolhesse um pra morar comigo e minha namorada. É claro que escolhi a feiosa raquítica. Sempre me identifiquei com os mais fraquinhos. Nomeamos ela de Micro Empreendedora Individual (MEI).
Sendo assim, foi realizado nosso desejo de ter um bichinho de estimação. Tínhamos nossa gata arisca e feiosa, que de vez em quando vem nos dar carinho, mas prefere ficar quieta no próprio canto.
Alguns meses depois, minha mãe foi novamente surpreendida com um parto repentino da Pipi. Não sabemos como aconteceu, pois tentávamos mante-la dentro de casa, para que não cruzasse novamente. Ela deve ter escapulido na surdina durante alguma madrugada.
Dessa vez, era uma ninhada de 5 gatinhos que, infelizmente, veio acompanhada de uma grave hemorragia. Minha mãe correu para o hospital veterinário 24h, no meio da madrugada, mas não conseguiram salvá-la. Tínhamos então cinco órfãos em mãos.
Sabe, é muito trabalhoso criar um gatinho órfão, ainda por cima recém nascido. Eu e minha namorada levamos os seis para nosso apartamento, com a missão de nutri-los e fazer com que sobrevivessem.
A cada duas horas, dia e noite, preparávamos uma fórmula especial para filhotes e dávamos na mamadeira pra eles. Esse processo em si já era trabalhoso. Alguns se recusavam a comer e tínhamos que dar à força, o que demorava ainda mais.
Além disso, após cada refeição, fazíamos eles arrotarem, um a um e, em seguida, usávamos algodões levemente mornos e úmidos para estimular com que fizessem cocô e xixi. Depois de dar comida, tínhamos que colocar uma compressa quente no local onde dormiam, para que mantivessem sua temperatura corporal e ficassem confortáveis.
Claro que eu não estaria escrevendo isso se fosse tudo um mar de rosas. A parte que pesa no emocional vem à seguir.
Após duas ou três semanas desse processo de criar os gatinhos, ainda não tínhamos dado nome a nenhum deles, com medo de nos apegarmos e sofrermos caso algum viesse a falecer, afinal são muito frágeis por não terem tido amamentação materna.
Apenas nos referíamos a eles por sua coloração. Eram dois gêmeos completamente amarelos, outros dois gêmeos com um misto de amarelo e branco e (todos machos) e, por fim, a outcast do grupo. Uma fêmea completamente preta.
Nessa fatídica terceira semana, houve um incidente. Eram cerca de 6 da manhã e estava na vez da minha namorada cuidar deles, enquanto eu dormia. De repente ela começa a me gritar pedindo ajuda, do lado da cama. Acordei desorientado e assustado, me apressando pra acudi-la no que fosse.
Os gêmeos amarelos caíram numa panela de água fervente que estava ao lado pra esquentar o leite, compressa, etc. Demorei alguns poucos segundos pra raciocinar o que estava acontecendo. Não me lembro muito bem da ordem dos eventos, mas tentei pegar um deles imediatamente, porém ao colocar a mão na água, o reflexo foi mais forte que eu, fazendo com que eu recuasse.
Minha namorada foi mais forte. Ela sempre é. Não conheço pessoa que consiga manter a compostura e a calma durante uma situação de crise melhor que ela.
Colocou as duas mãos dentro da água fervente e tirou os gatinhos. Corremos com eles pro banheiro, pra tratar dos ferimentos. Apenas me lembro da situação como um borrão. Eu chorando, enquanto fazia uma prensa com uma toalha molhada, minha namorada fazendo o mesmo.
De tempos em tempos essa visão me assombra quando vou dormir. Um dos gatinhos estava com ferimentos bem piores. Pedi pra minha namorada ir pra outro cômodo cuidar do que estava melhor. Disse pra ela que estava tudo bem e eu ia resolver, que ia ficar tudo bem. Mais uma vez era aquele sentimento de tentar ser o ‘homem da casa’, tentar aliviar a dor de alguém e jogar o peso nas minhas costas.
Não ia ficar tudo bem. Eu sabia muito bem disso.
Fiquei horas deitado no chão ao lado desse gatinho. Ele estava sofrendo, eu não sabia o que fazer. Tentava eu mesmo fazer com que parasse de sofrer? Talvez só piorasse a situação.
Considerei muitas possibilidades nessas horas, mas eu não teria coragem de fazer nada. Apenas fiquei ali... deitado, fazendo companhia pra uma criatura que nem teve a oportunidade de abrir os olhos pra ver o mundo. Torcendo pra que cada respiração fosse sua última.
Quando ele finalmente cedeu, chorei de alívio. Enrolei ele em um paninho e fui dar a notícia. Choramos de alívio, tristeza e trauma juntos. Mais tarde nesse dia fomos enterrar ele numa praça da cidade.
Continuamos seguindo em frente, cuidando dos demais gatinhos da mesma maneira que já estávamos fazendo. O outro irmão que sofreu o acidente não estava tão crítico, mas levamos num veterinário no mesmo dia, pra ver o que fazer.
Nessa consulta ao veterinário, demos um nome pra ele. Amarelinho.
Durante mais uma semana, dávamos tratamento especial pra ele. Passávamos os cremes receitados, fazendo tudo o que podíamos pra essa criaturinha tão pequena, cada dia torcendo pra que ele melhorasse.
Eu nunca pedi tanto pra que algo desse certo na minha vida, rezei pra entidades que nem acredito.
Uma semana depois, o Amarelinho faleceu enquanto dormia.
Embrulhamos ele, choramos mais ainda e enterramos ele no local mais alto da cidade.
Continuamos cuidando dos demais. O dia que o Amarelinho faleceu foi o mesmo dia em que a primeira da ninhada abriu os olhos.
Algum tempo depois, os três restantes já estavam de olhos abertos, aprendendo a andar, mas ainda necessitavam de atenção a cada poucas horas. Foi na mesma época em que estávamos começando a tentar introduzir algo além da fórmula na alimentação deles.
Um dos gêmeos amarelo-branco começou a recusar a mamadeira. Por dois dias tivemos que força-lo a comer. No segundo dia, ele estava bem letárgico.
Sendo assim, levamos ele ao hospital veterinário. Apertamos as finanças pra conseguir pagar a internação e os tratamentos, mas a essa altura, já tínhamos nos apegado.
Foram quatro dias internado. Também chamamos ele de Amarelinho. Novamente, eu nunca quis tanto na minha vida que algo desse certo.
No início do terceiro dia internado, me ligaram pra dizer que o quadro dele estava melhorando. Ao anoitecer, ligaram novamente pra informar que ele havia piorado e, os exames de sangue indicavam uma infecção. Na noite do dia seguinte me informaram que o Amarelinho havia falecido.
Não conseguíamos ir ver o corpinho dele. Não tínhamos força de espírito suficiente pra isso. Preferimos ficar com a última foto que tirei dele antes de interna-lo. Mandamos cremar.
Esses eventos foram terríveis pro nosso emocional. Essas criaturas tornaram-se nossos filhos. A dor de perder algo que você criou e nutriu desde o nascimento é indescritível.
Acho que nosso relacionamento ficou mais forte depois disso.
Por que estou escrevendo isso agora? Passaram-se 8 meses desde esses ocorridos. Os dois gatos restantes cresceram muito bem, agora moram conosco e com a irmã mais velha, MEI. Demos o nome de Preta e Pão pra cada um e, são os gatos mais carinhosos que já tive.
Poucas horas atrás, o Pão sofreu uma queda de cerca de 4 metros na varanda, vimos na hora. Eu entrei em pânico. Minha namorada manteve a calma, pegou ele enquanto tentava me acalmar. Disse que a perna dele estava bamba. O gatinho estava chorando de dor.
Ela pegou ele no colo, segurou para que não mechasse o machucado. Eu não consegui olhar, estava em desespero. Descemos para a garagem, ela sentou no banco de trás do meu carro com o gato no colo e eu dirigi, em choque para o hospital veterinário.
Liguei pra lá enquanto dirigia, avisei que tinha uma urgência e chegaria em poucos minutos. Fomos prontamente atendidos, sedaram o Pão e fizeram um raio-x.
A perna dele está completamente quebrada e precisa de cirurgia. Porém, sua bexiga estava bem maior que o normal no Raio-x, o que poderia indicar uma ruptura, mas precisavam fazer um ultrassom para ter certeza.
Deixamos ele lá. Chegamos em casa e choramos novamente. Agora estou sentado no chão do banheiro, escrevendo isso, enquanto espero me ligarem para dar retorno sobre a situação dele.
Só os exames imediatos já saíram bem caros. Não sei, nem me importo como vamos pagar a/as cirurgias. Dei autorização pra realizarem todo procedimento que precisarem e pedi pra me atualizarem assim que surgir algo novo.
Não ligo se ficar endividado. Não ligo se tiver que vender meu carro de merda pra pagar. Só quero que meu filho saia de lá bem e recuperado.
Novamente, nunca pedi tanto para que algo desse certo na minha vida. Agora me resta esperar.
submitted by masternavarro to desabafos [link] [comments]


36 maneiras de deixar sua namorada feliz. VOCÊ TRATA BEM A SUA ESPOSA ? COMO CUIDAR DA SUA NAMORADA DOENTE! - YouTube como tratar sua namorada e-gril - YouTube Como tratar bem a sua namorada!(Christina Perri- A Thousand Years) COMO TRATAR SEU EX NAMORADO (WHACK YOUR EX) - YouTube Trate Assim A Sua Namorada! COMO TRATAR SUA EX NAMORADA!! - YouTube COMO AGRADAR SUA NAMORADA NA TPM !! - YouTube

Como tratar a sua namorada? - comhqx.info

  1. 36 maneiras de deixar sua namorada feliz.
  2. VOCÊ TRATA BEM A SUA ESPOSA ?
  3. COMO CUIDAR DA SUA NAMORADA DOENTE! - YouTube
  4. como tratar sua namorada e-gril - YouTube
  5. Como tratar bem a sua namorada!(Christina Perri- A Thousand Years)
  6. COMO TRATAR SEU EX NAMORADO (WHACK YOUR EX) - YouTube
  7. Trate Assim A Sua Namorada!
  8. COMO TRATAR SUA EX NAMORADA!! - YouTube
  9. COMO AGRADAR SUA NAMORADA NA TPM !! - YouTube

Como tratar bem a sua namorada!(Christina Perri- A Thousand Years) - Duration: 4:48. Wall Guedes 93,642 views. 4:48. Vídeo românticos para namorada 😍 - Duration: 3:41. Bom dia amores, hoje trouxemos o vídeo COMO AGRADAR SUA NAMORADA NA TPM , esta muito legal o vídeo, espero que gostem, se gostar já sabe né, deixa seu LIKE !... COMO AGRADAR SUA NAMORADA DOENTE !! - Duration: 10:02. Thai e Biel Recommended for you. 10:02. Valorize quem você ama antes que seja tarde demais - Duration: 4:44. Bom diaaa meus amoress, tudo bem ?! Hoje trouxemos mais um vídeo maravilhoso COMO CUIDAR DA SUA NAMORADA DOENTE! Aproveitem o vídeo, não esquece do LIKE e co... You and Me - Lifehouse [Como Tratar Bem a Sua Namorada] - Duration: 3:15. Filipe Vieira Recommended for you. 3:15. Como Manter um Relacionamento - Namoro Sério - Duration: 4:31. Dicas de como tratar esposa, namorada . Pastor palestrante da dicas. #zoacão #0preconceito Contato : [email protected] Redes sociais ! Twitter : http://goo.gl/LtXfD8 Instagram : http://goo.gl/rBeigX Fanpage : https://goo.gl/9ljXyZ ... Opa, espero que gostem :)) Instagram: xluisarthurx #Whackyourex